Índice de indicadores antecedentes recua na OCDE e no Brasil

O índice de indicadores antecedentes relativo a janeiro da OCDE recuou para 99,6, de 99,7 no mês anterior

A economia global deve desacelerar nos próximos meses, com o crescimento mais fraco na maioria das economias desenvolvidas, mesmo que ela se estabilize na China, segundo o índice de indicadores antecedentes divulgado nesta terça-feira (8) pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). O índice de indicadores antecedentes relativo a janeiro da OCDE recuou para 99,6, de 99,7 no mês anterior. No caso do Brasil, o índice caiu de 97,8 em dezembro para 97,7 em janeiro. Uma pesquisa abaixo de 100,0 aponta para crescimento abaixo do normal.

A entidade sediada em Paris afirmou que sua medida da atividade econômica futura baseada em dados disponíveis para janeiro continua a apontar para desaceleração nos Estados Unidos e no Reino Unido, no Canadá e na Rússia. Além disso, o crescimento deve desacelerar na Alemanha e a economia do Brasil deve contrair mais.

As pesquisas indicam, além disso, para uma estabilização na Índia e na França, dois países que anteriormente apontavam para um maior crescimento. Na verdade, nenhuma das grandes economias para as quais a OCDE elabora o índice mostrou uma aceleração. Um componente encorajador foi uma indicação maior de que o crescimento na China mantém-se constante. O índice de indicadores antecedentes para o país, porém, recuou de 97,7 em dezembro para 97,6 em janeiro.

No caso dos EUA, o índice passou de 99,0 em dezembro para 98,9 em janeiro. No da Alemanha, caiu de 99,9 em dezembro para 99,8 em janeiro.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios