Entenda como está o projeto que privatiza os Correios

Segundo declaração do presidente da Câmara, Arthur Lira, o projeto que possibilita a privatização da estatal deve ser prioridade

pessoa carregando caixa em carro do sedex
Legenda: Para o governo, a privatização dos Correios trará maior agilidade, pontualidade e qualidade para o serviço
Foto: Agência Brasil

A privatização dos Correios pode ter um passo importante ainda nesta semana. De acordo o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), o assunto deve ser prioridade na volta dos trabalhos dos parlamentares nesta semana. 

A mensagem é do Executivo, e será analisada nos próximos dias pelo Congresso Nacional. O projeto, polêmico, deve ganhar forma quando o tema for apreciado pelo Legislativo.

Em declaração à GloboNews na última quarta-feira (28), Lira afirmou que a privatização da estatal e a reforma do imposto de renda devem ser tratados com prioridade logo na primeira semana após o recesso parlamentar. Apesar da demora na análise, o assunto não saiu do radar.

Veja detalhes do projeto aqui.

O projeto de lei (PL) que possibilita a privatização dos Correios foi apresentado à Câmara em fevereiro, mas ainda não entrou em pauta. Caso o projeto seja aprovado, o capital da empresa, que hoje é estatal, será completamente aberto.

O assunto divide opiniões. Ao mesmo tempo que críticos afirmam que a privatização pode reduzir a abrangência do serviço e torná-lo mais caro, nomes do governo defendem que o processo é essencial para a preservação da empresa.

inter@

Serviço será garantido

De acordo com declaração do ministro das Comunicações, Fábio Faria, na última segunda-feira (2), o serviço dos Correios será garantido "mesmo para as pessoas que não podem pagar" caso a estatal seja, de fato, privatizada.

Em pronunciamento em rede nacional de rádio de TV, o ministro defendeu a privatização dos Correios como uma forma de dar eficiência, agilidade e pontualidade ao serviço, permitindo o crescimento da empresa e a geração de empregos. 

Consultorias apoiaram o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) no estudo detalhado sobre o que precisa ser preservado e melhorado na empresa. Depois, na Câmara, o projeto foi aprimorado, estabelecendo limites de preço e uma tarifa social, que garantirá os serviços mesmo para as pessoas que não podem pagar
Fábio Faria
Ministro das Comunicações

Apoio dos parlamentares

Ao fim do pronunciamento, Faria pediu apoio dos parlamentares para viabilizar a aprovação do texto.

"Por isso eu peço apoio a todos os deputados e senadores que deem atenção ao tema, porque só assim manteremos essa empresa secular que tanto orgulha nossos brasileiros. Esta é a última oportunidade de garantir a sobrevivência dos Correios", declarou.

O ministro defendeu, ainda, que a privarização permitirá aos Correios expandir negócios no Brasil e no exterior. 

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios