Ceará manterá combinação de vacinas contra Covid da AstraZeneca e Pfizer para gestantes

Embora o Ministério da Saúde tenha informado que essa ação não está autorizada, o secretário da Saúde, Dr. Cabeto, anunciou que não será suspensa

Legenda: Cerca de 2 mil grávidas ou puérperas tomaram a primeira dose da AstraZeneca no Ceará
Foto: André Costa

O secretário da Saúde (Sesa) do Ceará, Dr. Cabeto, reafirmou que gestantes e puérperas que já receberam a primeira dose do imunizante contra a Covid-19 da vacina Oxford-AstraZeneca, que, no Brasil, é produzida pela Fiocruz, poderão concluir o ciclo vacinal com o imunobiológico da Pfizer.

A declaração foi dada na manhã desta terça-feira (13), durante a inauguração do Centro de Testagem do Viajante, no Aeroporto Internacional de Fortaleza. 

Na semana passada, o Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que a combinação de vacinas não está autorizada nem em gestantes, nem nos demais públicos, acrescentando que os municípios não devem realizar o procedimento por conta própria. 

O titular da Sesa, contudo, rechaçou a orientação do Ministério e garantiu que a combinação de imunizantes, em casos específicos, como este, "é uma prática que já foi estuda e é eficaz".

Especificamente nas grávidas [essa combinação vacinal] se deve a uma mortalidade muito alta das mulheres que foram acometidas, portanto, é uma situação dramática. E, nessas situações, exige soluções objetivas.
Dr. Cabeto
Titular da Sesa

No Ceará, 1.839 mulheres gestantes ou que deram à luz recentemente (puérperas) já receberam a primeira dose da vacina AstraZeneca e podem receber a segunda dose da vacina da Pfizer.

Legenda: Grupo poderá optar por completar o ciclo vacinal com a Pfizer
Foto: André Costa

Poder de escolha

Conforme nota técnica divulgada pela Sesa na semana passada, para as mulheres que não desejaram concluir o esquema vacinal com a Pfizer, "deverão ser apoiadas na decisão" e, assim, poderão concluir o esquema vacinal com a vacina AstraZeneca.

Considerando o perfil de mortalidade materno infantil atual, a Sesa orienta sobre a intercambialidade de vacinas com a oferta de segunda dose de vacina do laboratório Pfizer para gestantes que receberam a primeira dose da vacina AstraZeneca, no intervalo de 90 dias entre as doses. 
Nota técnica da Sesa

A aplicação da vacina da AstraZeneca, neste público, foi suspensa em maio deste ano. Segundo a  Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), há sinais de eventos adversos ocorridos em grávidas e puérperas em função da administração do imunizante.

O QUE É COMBINAÇÃO DE VACINAS

Combinação de vacinas ocorre quando o paciente recebe a primeira dose de uma fabricante e a segunda de um imunizante diferente.

Ainda segundo o titular da Pasta, as gestantes que já receberam a vacina da AstraZeneca completarão a imunização com a mesma vacina após o puerpério, que equivale a 45 dias após o parto.

A combinação da primeira dose fora autorizada no Rio de Janeiro e, posteriormente, no Ceará.

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza