Diagnosticada com câncer no peritônio, jovem volta para casa e recebe o carinho da família

Iasmyne Szasz passou um mês internada em decorrência de crises de anemia e quadro febril. Em casa desde o último dia 13, ela fala sobre o apoio familiar

Foto Iasmyne
Legenda: Para Iasmyne, mesmo já passando por várias internações ao longo de sua trajetória, a volta para casa é sempre especial
Foto: Arquivo pessoal

No dia 13 de julho de 2020, Iasmyne Andrade de Szasz (27), venceu mais uma etapa da sua luta contra o câncer. Após um mês internada no Hospital Monte Klinikum por causa de crises de anemia e quadro febril, a jovem voltou para casa e celebra o retorno ao lado da família. 

Essa, entretanto, não foi a primeira internação que Iasmyne foi submetida. Há quatro anos, ela foi diagnosticada com câncer no ovário, um tipo raro. A descoberta aconteceu quando ela foi acometida por uma apendicite. 

Em junho deste ano, no dia 13, Iasmyne foi internada e passou exatamente um mês no hospital. Aos 27 anos, ela conta com o apoio dos pais e do namorado para enfrentar um câncer no peritônio, localizado na região abdominal.  

Principalmente por causa da pandemia e por fazer parte do grupo de risco, a volta da jovem para casa é descrita pelo pai, Roderic Szasz, como “um alívio muito grande para ela e para todos”.  Em sua visita a casa da filha, que mora com a mãe, o professor relembra o almoço e os jogos de tabuleiro que animaram a tarde. “Foi um momento muito feliz”, recorda. 

Foto Iasmyne e família
Legenda: De volta em casa, a jovem aproveita o tempo com os pais e o namorado
Foto: Arquivo pessoal

Para Iasmyne, mesmo já passando por várias internações ao longo de sua trajetória, a volta para casa é sempre especial. “Encontro minha casa toda preparada para mim, com os abraços calorosos da minha tia e meu namorado, que sempre estão em casa para me receber”, diz. 

Sobre o período que passou no hospital, dentre os seus itens pessoais, ela disse ter sentido falta da sua poltrona. “É onde eu passo a maior parte dos meus dias vendo séries e descansando”, explica. “O hospital é um ambiente muito impessoal e quando se passa muito tempo internada fica cada vez mais difícil se sentir confortável lá”. 

Em relação a família, Iasmyne conta que o seu retorno para casa proporciona muito alívio e felicidade.

“Estar no hospital sempre significa que não estou tão bem. Então quando chego em casa sou sempre recebida com muita alegria. Sempre recebo mimos e carinho de todos. Tenho muita sorte de ter uma família empenhada em me ver bem”, afirma.