Tio suspeito de estuprar e engravidar menina de 10 anos é preso em Minas Gerais

A confirmação da prisão foi divulgada pelo governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB) e também pela polícia

O tio suspeito de estuprar e engravidar a sobrinha de 10 anos foi preso na madrugada desta terça-feira (18), na cidade de Betim, Região Metropolitana de Belo Horizonte. A confirmação da prisão do suspeito foi divulgada pelo governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), por meio de rede social.  A polícia também confirmou a prisão.

"Que sirva de lição para quem insiste em praticar um crime brutal, cruel e inaceitável dessa natureza. Detalhes da operação serão repassados pela equipe segurança ainda hoje", disse o governador do ES.

> Criança que engravidou após estupro teve de sair do ES para fazer aborto legal

Vídeo de Sara Winter sobre criança vítima de estupro é removido do Facebook

Justiça determina que posts de Sara Winter expondo menina de 10 anos estuprada sejam retirados do ar

O suspeito será levado ao Complexo Penitenciária de Xuri, em Vila Velha, na Grande Vitória. Indiciado por estupro de vulnerável e ameaça, ele estava foragido desde a última semana.

A gravidez foi revelada no dia 7 de agosto, quando a menina foi ao hospital em São Mateus se queixando de dores abdominais. A menina relatou que começou a ser estuprada pelo próprio tio aos 6 anos e que não o denunciou porque era ameaçada.

Gestação interrompida

A criança passou por um procedimento e interrompeu a gestação em Recife (PE) nesta segunda-feira (17). Ela estava na unidade desde domingo (16), quando iniciou o processo. O procedimento foi concluído por volta das 11h e a menina passa bem.

Grupos protestaram em frente ao hospital

Durante o domingo, grupos religiosos fizeram atos, fazendo uma espécie de barreira humana na frente do Cisam para tentar impedir a entrada do médico responsável pelo procedimento na unidade de saúde. Ao chegar ao local, o médico foi recebido aos gritos de "assassino". 

"O que aconteceu do lado de fora, pelo o que a gente viu nas redes sociais, realmente não foi uma situação nem um pouco confortável: um grupo fazendo barulho e sem máscara na porta de um hospital, querendo invadir a instituição. Mas, para nós, do Cisam, fica a sensação e o sentimento de tarefa cumprida, cumprindo com o nosso dever, atendendo a uma ordem judicial para salvar a vida de uma criança que vem sendo vítima, há quatro anos, de um adulto agressor. Um sofrimento que resultou numa gestação", pontuou Benita.

E acrescentou: "Nós trabalhamos no Sistema Único de Saúde (SUS) e temos que atender a população independentemente de raça, cor, idade ou classe social. O SUS é isso, ele é universal e atende pessoas de qualquer lugar. Então, se no Estado em que ela [a menina] mora, houve objeção em relação ao procedimento, aqui ela foi acolhida sem nenhuma dificuldade nossa, a dificuldade foi externa. E a gente tem sempre essa certeza de missão cumprida, porque nós acreditamos que as mulheres precisam e podem viver uma vida saudável, sem violência e com liberdade."

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil