Erupção de vulcão nas Ilhas Canárias causa cancelamento de voos e evacuação de mais 3 cidades

Moradores de Tajuya, Tacande de Abajo e de Tacande de Arriba tiveram de ser retirados de suas casas

Vulcão Cumbre Vieja em erupção
Legenda: A lava já arrasou 154 hectares e destruiu 320 edificações em La Palma
Foto: AFP

Após cinco dias da erupção do vulcão Cumbre Vieja, nas Ilhas Canárias, uma nova fissura eruptiva forçou a evacuação de mais três cidades nesta sexta-feira (24). Consequentemente, a formação de uma grande nuvem cinza também obrigou o cancelamento de voos na Ilha de Palma, na Espanha. 

Diante da situação, foi necessária a retirada dos moradores de Tajuya, Tacande de Abajo e da parte ainda não removida de Tacande de Arriba.

No Twitter, o serviço de emergência anunciou que, "dado o risco acrescido para a população em razão do episódio eruptivo em curso", as autoridades das Ilhas Canárias emitiram uma "ordem de evacuação obrigatória destas áreas. 

Rio de lava do vulcão Cumbre Vieja destrói várias casas em La Palma
Legenda: A atividade do Cumbre Vieja pode durar "várias semanas, ou poucos meses", aponta especialista
Foto: AFP

As companhias aéreas regionais Binter e Canaryfly e nacional Iberia suspenderam as frequências agendadas para o dia. 

Segundo o Instituto Vulcânico das Ilhas Canárias, várias explosões violentas e uma nova fissura eruptiva foram observadas no vulcão. Um vídeo divulgado pela Guarda Civil mostra um jardim totalmente coberto por "entre 30 e 40 centímetros" de cinzas.

Mais de 6 mil pessoas estão desabrigadas

Segundo os últimos dados do Copernicus, o sistema de medição geoespacial europeu, a lava do vulcão já destruiu 390 imóveis e cobriu 180,1 hectares de terreno, numa ilha cuja principal atividade econômica é o cultivo da banana. 

Já são mais de 6 mil pessoas desabrigadas por uma erupção que, segundo os especialistas, pode durar semanas. Por outro lado, já não existe a certeza de que a lava chegará ao mar, porque o fluxo cresceu de tal forma que o avanço diminuiu para alguns metros por hora.

Plano de recuperação

O presidente do governo espanhol, Pedro Sánchez, esteve em La Palma, onde anunciou um plano de recuperação para a ilha, que tem de cerca de 85 mil habitantes

Na próxima terça-feira (28), segundo anunciou em entrevista coletiva, "o conselho de ministros vai aprovar que a ilha de La Palma seja classificada como zona de catástrofe".

"A referida declaração será seguida da aprovação de uma série de medidas para conceder auxílios imediatos destinados a facilitar a moradia" aos vizinhos cujas casas foram destruídas.

Ele também prometeu "garantir a manutenção e abastecimento na ilha do sistema de irrigação”.

Agricultores perderam vegetações 

Segundo a agência Reuters, agricultores da Ilha de La Palma, que tem metade da economia concentrada no cultivo de banana, se desesperaram após as plantações serem devastadas pelas lavas. As frutas que não foram totalmente danificadas ficaram sem condições de serem comercializadas. 

Em entrevista à agência, o agricultor Antonio Brito Álvarez, de 65 anos, lamentou: "Quando ela começou a queimar as casas, destruindo-as... Eu me afastei e comecei a chorar", relatou. "Que se pare por favor, que se pare", disse. 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo