Combinação entre vacinas da Rússia e de Oxford para imunizante mais forte é estudada por cientistas

Desde o início do mês, a AstraZeneca e o Instituto Gamaleya manifestaram interesse na combinação. Com a oficialização desta segunda-feira (21), os ensaios começarão “em breve”, segundo comunicado conjunto

Legenda: De acordo com os estudiosos, "o uso de dois vetores diferentes para duas injeções vai resultar em uma eficácia maior do que usar o mesmo vetor para as duas injeções"
Foto: AFP

A fim de aumentar a eficácia da imunização contra a Covid-19, cientistas combinarão componentes das vacinas AZD1222, da empresa AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, e a russa Sputnik V, do Instituto Gamaleya. A novidade foi oficializada nesta segunda-feira (21), com assinatura de acordo para o experimento entre as duas instituições.

Desde o início do mês, as duas empresas manifestaram interesse na combinação. Com a certificação, os ensaios começarão “em breve”, de acordo com comunicado conjunto.

As atualizações sobre o imunizante interessam ao Brasil, já que a vacina da AstraZeneca é uma das quatro que estão sendo testadas no Paíse a Sputnik V está em processo de negociação com estados.

Combinação

As vacinas fazem com que, basicamente, o corpo humano produza anticorpos contra o vírus. Isso acontece porque na própria composição do imunizante é utilizado um adenovírus com a versão modificada do Sars-CoV-2 para que, quando a substância entrar no organismo, ao invés de infectá-lo e causar a doença Covid-19, ela faça com que ele produza a resposta imunológica. 

No caso das vacinas da AstraZeneca e do Gamaleya, são necessárias duas aplicações para que elas cumpram o efeito. A diferença é que a primeira usa adenovírus iguais em ambas as etapas. Já a segunda usa versões distintas.

É exatamente nesse ponto que os cientistas acreditam que podem potencializar o imunizante. De acordo com os estudiosos, "o uso de dois vetores diferentes para duas injeções vai resultar em uma eficácia maior do que usar o mesmo vetor para as duas injeções".

Vacina no Brasil

As vacinas da AstraZeneca e do Instituto Gamaleya estão próximas de serem distribuídas no Brasil. A primeira é uma das quatro sendo testadas no País para que o imunizante seja desenvolvido em solo brasileiro. Para isso, o governo investiu R$ 1,9 bilhão em contratos de compra de dose e repasse da tecnologia para a Fiocruz.

Estão em testes no País, ainda, as vacinas da Johnson, a da Pfizer e a da Sinovac. Já a Sputnik V não passa por negociações federais, e sim estaduais com o Paraná e Bahia para sua produção no Brasil. 

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo