Polícia Civil já identificou 26 vítimas de suposto golpe de construtora de casas de luxo no Ceará

Há indícios de que o empresário se preparou para aplicar o golpe, segundo o delegado que investiga o caso. A defesa da empresa afirma que está realizando acordo com os clientes

Escrito por Messias Borges, messias.borges@svm.com.br

Segurança
Vídeo mostra situação de casa com piscina que estava prevista para ser entregue em dezembro do ano passado
Legenda: Vídeo mostra situação de casa com piscina que estava prevista para ser entregue em dezembro do ano passado
Foto: Reprodução

Em seis dias de investigação, a Delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF), da Polícia Civil do Ceará (PCCE), já identificou 26 vítimas de um suposto golpe cometido por uma empresa construtora de casas de luxo, no Ceará. O prejuízo total dos clientes ultrapassa a marca de R$ 5 milhões.

O titular da DDF, delegado Andrade Júnior, revela que já ouviu 18 vítimas e tem mais oito depoimentos agendados, para os próximos dias. Algumas testemunhas - inclusive ex-funcionários da empresa e fornecedores - também já foram ouvidos pela Polícia Civil.

Os contratos investigados, celebrados pela Produção Engenharia, sediada no Eusébio, datam desde 2020. A maioria dos imóveis estava prevista para ser entregue em 2021, na Capital e na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF).

Em todas as obras, as vítimas pagaram mais do que as obras foram construídas. Tem casos que as obras nem começaram. Tem quem pagou por 70% da obra e só foi entregue em torno de 30%. O primeiro passo da investigação está sendo escutar todas as vítimas e juntar todos os documentos."
Andrade Júnior
Titular da DDF

Segundo o delegado, depois dos depoimentos, "no segundo momento (da investigação), será de extrema importância a participação da Perícia Forense do Ceará (Pefoce)". "Já contactamos o coordenador da área de perícia de engenharia para identificar em que estado a obra se encontra em relação ao total. Vamos fazer a correlação do valor construído com o valor pago", revela.

Para concluir a investigação, a DDF ainda irá procurar ouvir o proprietário da empresa e a esposa, que teriam saído do País após as denúncias de estelionato. E responsáveis de instituições financeiras pelos financiamentos das obras.

A defesa da empresa, representada pelo advogado Lucas da Escóssia, afirma que está "realizando acordo com todos os clientes que entram em contato e estamos a disposição daqueles que ainda não nos procuraram, mas que possuem alguma pendência para ser resolvida, o que demonstra a preocupação do proprietário em resolver a situação da melhor forma possível".

Quanto a investigação policial, apesar de não haver crime, já nos habilitamos formalmente nos autos do procedimento e estamos a disposição da autoridade policial para prestar os esclarecimentos necessários."
Lucas da Escóssia
Advogado

Empresário se preparou para o golpe, diz delegado

Andrade Júnior afirma que "há indícios fortes de que ele (empresário) se preparou para o golpe em dezembro (de 2021)", quando "não pagou nenhuma conta pública, não fez recolhimento dos direitos trabalhistas e ainda procurou pessoas para investirem no negócio dele". Em janeiro de 2022, o proprietário da Produção Engenharia deixou de responder a dezenas de clientes, que estavam com obras atrasadas ou paradas.

Uma mulher, que contratou a construção de uma casa com piscina pela Produção Engenharia e que não será identificada, enviou um vídeo ao Diário do Nordeste para mostrar a situação da obra da sua residência, que estava prevista para ser entregue em dezembro do ano passado.

Veja o vídeo:

Outras vítimas contaram ao Sistema Verdes Mares, na semana passada, porque procuraram a Polícia. Um homem, que também pediu para não ser identificado, relatou que contratou a Produção Engenharia em fevereiro de 2020 para construir uma casa no valor de R$ 650 mil no Município do Eusébio. A obra começou em setembro daquele ano e tinha a previsão de ser concluída em junho de 2021.

Minha casa era para ter sido entregue em junho. Depois, ele (Leonardo Madruga) prometeu para julho, setembro, novembro, dezembro (de 2021) e, agora, ele (proprietário) 'fugiu' no sábado passado."
Vítima
Não quis se identificar

Desde o último dia 8 de janeiro, a vítima não consegue falar com o responsável pela empresa. Por isso, decidiu levar o caso à Polícia Civil. Ele afirma que já teve um prejuízo superior a R$ 300 mil, somando o valor que foi investido na obra e que não será recuperado (cerca de R$ 250 mil), com o dinheiro que precisou gastar com aluguel por oito meses e com pedras de granito que ele comprou para serem utilizadas na casa e que sumiram - as quais teriam sido utilizadas pela construtora em outra residência, segundo a vítima.

Já uma mulher esperava que a sua casa ficasse pronta em setembro do ano passado, também no Eusébio. Ela afirma que, além do prejuízo financeira (cerca de R$ 20 mil), teve o "prejuízo psicológico".

"Eu ia morar lá com minha filha e minha cachorra e agora sem previsão. O Natal (de 2021) com minhas amigas, tudo ia ser lá em casa, tinham várias programações que foram canceladas devido o ocorrido. Eu quero terminar minha casa. Eu tinha um sonho de ser no ano passado. Mas eu vou conseguir", conta.