Justiça do Ceará torna réu pela 2ª vez guru espiritual acusado de abusos sexuais

Pedro Ícaro de Medeiros, conhecido como Ikky, se apresentava como mestre espiritual da Comunidade Afago e usava da posição dentro do grupo para cometer os crimes.

 

A Justiça do Ceará acolheu, nesta quarta-feira (11), mais uma denúncia do Ministério Público do Ceará em desfavor de Pedro Ícaro de Medeiros, o Ikky, o guru espiritual acusado de crimes sexuais e charlatanismo na seita que coordenava. Desta vez, a acusação é da prática de crimes sexuais contra duas adolescentes. Ele se torna réu pelos abusos e agressões que teriam ocorrido entre 2018 e 2019. 

Os relatos foram exibidos na edição do Fantástico de julho deste ano. De acordo com as vítimas, o estudante de Filosofia se apresentava como mestre espiritual da Comunidade Afago e usava da posição dentro do grupo para cometer os crimes.

> Polícia Civil conclui inquérito e Ministério Público denuncia guru espiritual

> Chega a 50 número de jovens que afirmam terem sofrido assédio e agressão de suposto líder espiritual

> Jovens afirmam que eram incentivados a cortar relações fora de seita espiritual

O guru espiritual foi preso preventivamente pela Polícia Civil no dia 29 de setembro em Fortaleza. A ação, faz parte da "Operação Erasta", que também cumpriu mandados de busca e apreensão contra o suspeito em três endereços da capital cearense.

De acordo com o coordenador do Núcleo de Investigação Criminal do MPCE, Humberto Ibiapina, as vítimas denunciaram os casos no #ExposedFortal, movimento em que jovens relataram crimes sexuais em redes sociais em várias partes do país. As duas vítimas foram ouvidas pelo Ministério Público.

Ainda conforme o MPCE, mais detalhes da denúncia não podem ser divulgados porque o processo encontra-se em segredo de Justiça.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre segurança