Ao vivo: Polícia dá detalhes sobre investigação de latrocínio em shopping

Mulher morreu por um disparo de arma de fogo na noite de sexta-feira (22), e quatro suspeitos já foram capturados

A Polícia Civil divulga, na manhã desta segunda-feira (23), novos detalhes sobre o roubo seguido de morte que vitimou uma funcionária de uma joalheira no Shopping Iguatemi, em Fortaleza. Caroline Alves da Rocha, 36, foi assassinada na noite da última sexta-feira (21). Durante a ação criminosa, a mulher chegou a ser feita de escudo humano por um dos quatro suspeitos já detidos. 

Entre os capturados, está o homem que disparou contra a vítima. Douglas da Silva Dias, de 28 anos, o "Babe", entrou na loja armado e fingiu ser cliente. Ele estava acompanhado de Antônio Jardeson Lima de Moura, 32, conhecido como "Bea" ou "Gordim".

A dupla teve o suporte de André Luiz dos Santos Nogueira, 41, e uma mulher identificada apenas como "Mariná", que ficaram próximos à loja. André teria se comunicado através de ponto eletrônico, recurso que possibilitou Douglas saber qual era o momento propício para anunciar o assalto.

Mandante

As investigações apontam que o mentor do crime foi Lúcio Mauro Rodrigues Ferreira, de 48 anos, o "Véi" ou "Pai". Ele afirmou à polícia que esteve no shopping na mesma semana do crime para planejar o atentado.

No dia do latrocínio, Lúcio deixou André e "Mariná" na área externa do Iguatemi, e ficou em um "espetinho" que fica no estacionamento de uma farmácia perto do shopping esperando para sair do local com os dois, logo após o crime. 

O casal encontrou Lúcio após o crime e comunicou o que havia acontecido com a gerente da joalheria. Depois, deram fuga ao atirador.

Prisões

A polícia capturou o grupo em menos de 24 horas após o crime. Lúcio foi preso no distrito de Jurema, em Caucaia, onde a polícia civil também apreendeu um Toyota Etios, usado na fuga de Douglas. O homem confessou ser o chefe do bando e disse ter dado apoio logístico ao crime. 

Já Douglas foi capturado no bairro Colônia, em Fortaleza, assim como Antônio, responsável por dirigir o Volkswagen Voyage, outro carro que deu apoio à fuga dos suspeitos. O veículo também foi apreendido.

André, que deu suporte à dinâmica do crime, também foi detido em Caucaia. Quatro aparelhos celulares foram apreendidos pelos policiais civis.

'Mariná' e Antônio Jardeson Lima de Moura, 32, estão foragidos.

Autuação

O promotor Ricardo Machado, do Ministério Público do Ceará (MPCE), pediu a conversão da prisão em flagrante do bando em preventiva nesse domingo (22). No mesmo dia, a Justiça Estadual atendeu a solicitação e determinou o cumprimento dos mandados de prisão. 

"A verdade é que os agentes se revelaram, em princípio, pessoas excessivamente prejudiciais à sociedade, considerando-se a forma como agiram, cometendo o crime de forma ousada e com emprego de extrema violência fazendo uso de arma de fogo, não se podendo admitir que fatos desta natureza sejam admitidos como corriqueiros ou de pequena relevância", argumentou o juiz de Direito Ricardo Emídio de Aquino Nogueira.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre segurança