Aliado ao PT e PDT, presidente do PL Ceará deve falar sobre filiação de Bolsonaro nesta quarta (1º)

Parte da oposição ao presidente, Acilon Gonçalves tem evitado fazer manifestações sobre a entrada do mandatário no partido

Escrito por Luana Barros, luana.barros@svm.com.br

PontoPoder
Acilon e Camilo
Legenda: Presidente do PL no Ceará, Acilon Gonçalves integra a base governista no Ceará
Foto: Reprodução/Instagram

Presidente do PL Ceará, Acilon Gonçalves irá conceder uma coletiva de imprensa nesta quarta-feira (1º), para se manifestar sobre a filiação do presidente Jair Bolsonaro ao partido. O Ceará é um dos estados onde o diretório do PL é comandado por opositores ao presidente - no caso de Acilon, ele é aliado tanto do PT, do governador Camilo Santana, como do PDT, comandado pelos irmãos Cid Gomes e Ciro Gomes

Por conta disso, Acilon tem evitado se manifestar sobre a entrada de Bolsonaro no PL - principalmente após queda de braço interna na legenda, que resultou nos presidentes estaduais dando "carta branca" ao presidente nacional do partido, Valdemar da Costa Neto, para negociar a filiação do presidente. 

A solenidade na qual Bolsonaro se filiou ocorreu nesta terça-feira (30), em Brasília. Muitos cearenses do PL estiveram presentes, como o próprio Acilon Gonçalves, os deputados federais Junior Mano e Dr. Jaziel e a deputada estadual Dra. Silvana - os dois últimos são apoiadores, de primeira ordem, do presidente da República. 

Logo após a solenidade, parte do diretório local se reuniu, quando foi deliberada a realização da coletiva de imprensa. Nela, espera-se que fique mais claro o destino do partido no Estado. 

Queda de braço no diretório cearense

Se por um lado, tanto Acilon como Junior Mano integram a base governista cearense; por outro, parlamentares como Dr. Jaziel e Dra. Silvana devem defender a ida da legenda para oposição. 

E, para isso, devem ganhar reforço de outros bolsonaristas que pretendem desembarcar no PL - como o deputado estadual André Fernandes e o vereador de Fortaleza, Carmelo Neto (Republicanos).

"Sobre ser base do governo Camilo Santana, isso vai mudar. Vai haver sim mudança no diretório estadual”, garantiu Fernandes ainda antes do evento de filiação do Bolsonaro. Ele disse ainda que a meta é que o PL Ceará esteja na aliança de Capitão Wagner, pré-candidato ao governo estadual

Embora não tenha se manifestado ainda, a tendência é que Acilon Gonçalves, assim como o filho e prefeito de Aquiraz, Bruno Gonçalves (PL), prefiram continuar apoiando o candidato da situação na sucessão do governador Camilo Santana. 

Nos últimos dias, o prefeito do Eusébio tem reforçado a presença em eventos com integrantes do PDT no Ceará. Na segunda, ele participou da entrega de uma Areninha no bairro Coaçu, em Fortaleza, acompanhando o prefeito José Sarto e o governador Camilo Santana.

Cearenses na filiação

Integrantes do PL Ceará e aliados do presidente Bolsonaro no Estado estiveram presentes no evento de filiação, em Brasília. O vereador Carmelo Neto afirmou que o "1º passo para a eleição de 2022 foi dado" com a filiação do presidente ao PL. "Em 2022 é 22!", ressaltou em referência ao número do partido. 

Dr. Jaziel afirmou que a chegada de Bolsonaro ao PL representa "mais proximidade ainda do presidente" e destacou ainda a "torcida para que o nosso presidente seja reeleito e continue fazendo o excelente trabalho de gestão do país". 

"Dia histórico pra mim e pra o Jaziel - tantos (partidos) atrás de se movimentar e Deus trás o presidente pra nós", completou Dra. Silvana. 

Já André Fernandes destacou que, com a filiação, "teremos boas novidades para o Ceará". Também estiveram no evento, o deputado estadual Delegado Cavalcante, além de Capitão Wagner e a secretária de Gestão do Trabalho e da Educação da Saúde do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro. 

Assuntos Relacionados