Vendas do comércio cearense saltam 67,9% em abril, maior crescimento da história

Base de comparação baixa por conta do lockdown ajudou a impulsionar o índice de abril

Legenda: Vendas de tecidos, vestuário e calçados avançaram 866,5% em abril deste ano contra igual período de 2020
Foto: Fabiane de Paula

As vendas do comércio varejista ampliado - que inclui veículos, partes e peças e material de construção - no Ceará apresentaram um salto de 67,9% em abril deste ano na comparação com igual período de 2020, quando o Estado enfrentava o início da pandemia do coronavírus. Os dados foram divulgados na manhã desta terça-feira (8) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

É a maior alta nesta base de comparação dentro da série histórica do volume de vendas do comércio varejista ampliado cearense elaborada pelo IBGE.

Na passagem de março para abril, as vendas do varejo ampliado tiveram crescimento de 18,7% com a retomada gradual das atividades econômicas e comportamentais após o segundo lockdown em decorrência do novo avanço da pandemia. A variação considera ajustes sazonais para o período.

A alta de 18,7% representa a maior expansão nesta base de comparação desde julho de 2020, quando as vendas do varejo ampliado haviam crescido 37,4% após o fim do isolamento social rígido no ano passado.

Com o resultado de abril, em 2021, as vendas do comércio varejista ampliado no Ceará cresceram 12,3% nos quatro primeiros meses do ano. Na variação acumulada em 12 meses, houve alta de 2,1%.

O presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Ceará (FCDL-CE), Freitas Cordeiro, pontua que as expectativas foram superadas e que o setor visualiza com otimismo a possibilidade de saída da pandemia com "menor trauma para o comércio".

Ele destaca que a vacinação é um componente importante para a retomada da economia, mas lamenta que muitas pessoas não estejam tomando a segunda dose da imunização. "Isso preocupa", frisa Freitas Cordeiro.

Segmentos

As atividades que apresentaram as maiores variações em abril na comparação com igual período de 2020, de acordo com o IBGE, foram tecidos, vestuário e calçados (866,5%); móveis (576,3%) e livros, jornais, revistas e papelaria (389,5%).

O setor de veículos, motos, partes e peças cresceu 167,5% em relação a abril de 2020. As vendas de material de construção cresceram 116,8%.

Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo tiveram queda de 7,6% nas vendas em abril ante abril de 2020.

Veja a lista:

  • Combustíveis e lubrificantes: 51,3%
  • Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo: -7,6%
  • Hipermercados e supermercados: -7,2%
  • Tecidos, vestuário e calçados: 866,5%
  • Móveis e eletrodomésticos: 351,3%
  • Móveis: 576,3%
  • Eletrodomésticos: 250,5%
  • Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos: 20,3%
  • Livros, jornais, revistas e papelaria: 389,5%
  • Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação: 61,5%
  • Outros artigos de uso pessoal e doméstico: 69,1%
  • Veículos, motos, partes e peças: 167,5%
  • Material de construção: 116,8%

Receita nominal

A receita nominal do comércio varejista ampliado cresceu 19,5% em abril na comparação com março, na série com ajuste sazonal. No ano, a receita nominal das vendas do varejo ampliado cearense cresceram 22,5% e, em 12 meses, 9%.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios


fachada da eletrobras
Diário do Nordeste e Thiago Resende e Washington Luiz/Folhapress 17 de Junho de 2021