Microempreendedores sofrem perdas de até 60% com queda das redes sociais

Dependentes dos canais para divulgação e recebimento de pedidos, empresários têm tarde de baixo movimento e queda no faturamento

Legenda: As vendas acabaram completamente paralisadas na loja Flor Praiana
Foto: Divulgação

Whatsapp, Instagram e Facebook estão passando por instabilidades nesta segunda-feira (4), o que traz prejuízos diretos para quem depende das redes sociais para fazer negócios. Com os principais canais de comunicação parados, o movimento de lojas que funcionam por meio de pedidos caiu de forma vertiginosa. 

Os microempreendedores ouvidos pela reportagem do Diário do Nordeste disseram já registrar perdas no faturamento na ordem de 60%. 

O sócio proprietário da DLP Polpas e Congelados, Messias Frota, conta que o número de pedidos em uma tarde caiu de 30 a 35 para 2 até o momento. 

“Eu trabalho com Whatsapp, Instagram e Facebook, o Whatsapp é a minha principal ferramenta. Estou literalmente parado. No máximo o pessoal está ligando e eu estou atendendo por telefone”, diz. 

Problemas com internet 

Não bastasse a queda das principais redes sociais, o sócio proprietário da Speciale Doces e Salgados, Carlos Magalhães, também relata problemas com a Claro, provedora de internet. 

Legenda: Apesar de a Speciale ter loja presencial, maior parte do faturamento da empresa é por meio de delivery
Foto: Arquivo pessoal

Principal canal de contato com os clientes, as redes sociais caíram próximo ao horário de almoço, justamente no horário de maior movimento. A loja também comercializa por uma plataforma de pedidos, mas não recebeu pedidos hoje como é de costume. 

“O horário de maior demanda é próximo ao horário de almoço e na parte da tarde, na hora do lanche. Hoje a loja está ligada [no iFood] desde 11 horas e a gente não recebeu nenhum pedido”, diz. 

Apesar de terem um ponto presencial, o empresário calcula que o faturamento diário deve cair em 60%, já que a maior parte dos pedidos é feito via delivery.  

Dia parado

A proprietária da loja de biquinis Flor Praiana, Julianne Rodrigues, calcula um prejuízo de cerca de R$ 1.000 devido à paralisação total das atividades nesta segunda. Ela conta que planejava um recesso na loja para amanhã mas não conseguiu resolver todas as demandas necessárias.

Legenda: Julianne não conseguiu realizar atendimentos no ponto presencial pela dificuldade de marcar com clientes
Foto: Divulgação

"Eu estava com férias marcadas para amanhã e fui surpreendida com isso, precisava resolver um monte de pendências hoje. Estava com links de pagamento no Whatsapp com fornecedores para poder pagar e não consegui", relata.

A empresária também atende clientes com hora marcada em um ponto presencial, mas as vendas ficaram prejudicadas devido à impossibilidade de comunicação. 

Queda das redes sociais 

Os primeiros relatos de falha no Whatsapp, Facebook e Instagram vieram no final da manhã desta segunda-feira. Conforme o site DownDetector, que analisa falhas em sites e plataformas, pelo menos 17 mil notificações de problemas foram registradas a partir das 12h50. 

Em comunicado, o Facebook confirmou o problema e afirmou que está trabalhando para que as coisas voltem ao normal. "Estamos cientes de que as pessoas estão tendo dificuldade para acessar nossos aplicativos e produtos. Estamos trabalhando para que tudo volte ao normal o quanto antes". 

O WhatsApp e o Instagram também usaram seus perfis no Twitter para confirmar a instabilidade. Até o momento, o motivo da paralisação ainda não foi divulgado.  

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios