Ivens Dias Branco Jr.: "Inovação é um diferencial para competitividade das indústrias"

Diálogo Econômico: Presidente de uma das maiores empresas de massas do Brasil, Ivens Dias Branco Júnior comentou sobre os impactos da pandemia do novo coronavírus e as estratégias de crescimento da empresa para os próximos anos

Legenda: Diálogo Econômico entrevista Ivens Dias Branco Júnior, presidente da M. Dias Branco
Foto: Divulgação

Após o aumento da demanda e o consequente impulso na produção de alimentos provocados pela pandemia da Covid-19, o setor deve passar por uma "normalização" em 2021 a partir do maior controle da crise sanitária. É o que projeta Ivens Dias Branco Júnior, presidente da M. Dias Branco, empresa cearense de massas e biscoitos com capital aberto na B3.

Em entrevista exclusiva ao Diário do Nordeste, no Diálogo Econômico, Ivens pondera que a vacinação "de toda a população brasileira" precisa ser um dos focos para solucionar a crise.

O executivo reforça a importância da governança na gestão da empresa para garantir bons resultados antes e durante o processo de abertura de capital.

Diálogo Econômico: Confira mais entrevistas

Na entrevista, enaltece os resultados na Bolsa brasileira, ressaltando que os papéis da M. Dias Branco já se valorizaram mais de 430% desde a oferta inicial das ações. 

Em meio aos bons números, a M. Dias Branco segue focada em estratégias de inovação, aliando conceitos de tecnologia relacionados à Indústria 4.0 e iniciativas de crescimento orgânico da companhia. 

No ano passado, a empresa registrou um aumento de 37,2% no lucro líquido em relação a 2019, atingindo o patamar de R$ 763,8 milhões. O resultado gerou uma distribuição de lucros e dividendos aos acionistas 81,8% maior do que em 2019, com um total de R$ 154,5 milhões. 

Atualmente, segundo o último balanço fianceiro da empresa, a M. Dias Branco responde por um terço do mercado nacional de biscoitos e massas (32,6%), segundo balanço do primeiro trimestre de 2021. 

Confira a entrevista completa: 

COMO O SENHOR AVALIA O CENÁRIO ECONÔMICO NACIONAL DURANTE A PANDEMIA DO NOVO CORONAVÍRUS? AS DECISÕES TÊM DE ALGUMA FORMA AFETADO AS ATIVIDADES DA M. DIAS BRANCO?

A pandemia, sobretudo nos primeiros meses, proporcionou uma elevada demanda no setor alimentício, ocasionada pelo aumento no consumo e pela maior permanência das pessoas em casa.

Na M. Dias Branco notamos o aumento da demanda em boa parte de nosso portfólio, principalmente em massas e biscoitos, como cream cracker, Maria, Maisena, massas longas e, sobretudo, macarrão instantâneo, pois as mesmas oferecem praticidade e bom custo-benefício, ou seja, são consumidos por toda a família dentro de casa.

Ao mesmo tempo, as pessoas em casa buscavam por indulgência, um agrado durante um período desafiador, buscando por biscoitos mais sofisticados, tais como recheados, cookies, wafers e cobertos.

O auxílio emergencial, certamente, estimulou o consumo no varejo como um todo. Houve também a euforia, no primeiro momento, pelo risco de um possível desabastecimento. Estes fatores, sem dúvidas, aumentaram o consumo.

Neste contexto, a M. Dias Branco utilizou sua experiência adquirida em quase 70 anos de história para traçar estratégias sólidas, fortalecendo o caixa e reforçando-o a partir de uma política comercial pautada também na ampliação das exportações.

QUAIS SOLUÇÕES E PONTOS SERIAM MAIS IMPORTANTES NESTE MOMENTO PARA QUE A ECONOMIA NACIONAL PUDESSE CAMINHAR DE FORMA MAIS SEGURA PARA A RECUPERAÇÃO?

Para a recuperação da economia, atingindo todos os setores, é fundamental a vacinação de toda a população brasileira. Enquanto isso não ocorre, as medidas de proteção são fundamentais.

Aqui na M. Dias Branco, desde o início da pandemia, em março de 2020, nossos esforços estiveram, sobretudo, no cuidado com os colaboradores e seus familiares e na garantia de abastecimento de alimentos à população brasileira, uma vez que produzimos artigos básicos, como farinha de trigo, massas, biscoitos margarinas e torradas, que são essenciais para as pessoas.

Por isso, a produção industrial na M. Dias Branco não parou, pelo contrário, precisou ser intensificada.

A Companhia teve que reagir rapidamente, com inúmeras transformações em todas as áreas, com novos desafios e mudanças a cada momento, à medida que a pandemia avançava.

Somos uma empresa com um grande número de colaboradores, com unidades espalhadas por quase todo o país, e organizar tudo isso com eficiência e agilidade não foi fácil. Cada pequeno ajuste, quando contemplado nessa escala, se tornou um projeto gigantesco.

Para organizar e coordenar este trabalho, desde que a M. Dias Branco soube que a pandemia de Covid-19 poderia chegar ao Brasil, foi criado um comitê de crise para definir medidas de prevenção em todas as suas unidades industriais, em todos os escritórios comerciais e nas áreas em que a companhia atua.

Dessa forma, conseguimos manter a saúde dos nossos colaboradores e a entrega dos produtos de maneira qualificada e ágil em todo o território nacional.

Além do cuidado individual e das empresas focadas na saúde de seus colaboradores, do ponto de vista econômico, medidas como o auxílio emergencial fazem a diferença na mitigação do impacto negativo na renda das famílias.

QUAL A AVALIAÇÃO SOBRE O CENÁRIO CAMBIAL NO BRASIL EM RELAÇÃO AO DÓLAR? A DESVALORIZAÇÃO TEM PREJUDICADO A OPERAÇÃO DA EMPRESA?

A desvalorização do real frente ao dólar impacta a economia como um todo, incluindo os resultados da M. Dias Branco, que possui grande parte de seus custos cotados em dólar.

A M DIAS BRANCO É UMA DAS EMPRESAS CEARENSES NA B3, MAS A PANDEMIA TROUXE REFLEXOS MUITO NEGATIVOS PARA O MERCADO NO BRASIL. O SENHOR ACREDITA QUE ISSO PODE TER IMPACTOS NO MERCADO E ADIAR PLANOS DE OUTRAS EMPRESAS CEARENSES PARA ABRIR CAPITAL?

Abrir capital neste momento pode representar um contexto difícil no curto prazo, mas vemos muitas empresas abrindo capital e acessando o mercado, focadas no longo prazo e na recuperação da economia.

SOBRE O PROCESSO DE ABERTURA DE CAPITAL, O SENHOR, OLHANDO PARA TRÁS, CONSIDERA QUE A EMPRESA ATINGIU O PATAMAR DESEJADO? QUAIS OS PRÓXIMOS PLANOS REFERENTES AO MERCADO (NOVOS INVESTIMENTOS, EXPANSÕES)?

Com toda a certeza! Estamos muito satisfeitos com os nossos resultados. Desde a abertura de capital, em outubro de 2006, a ação da M. Dias Branco valorizou 433%.

A boa performance é resultado de um planejamento estratégico seguido à risca, orientado para o crescimento e alinhado às políticas de governança corporativa da Companhia.

Além disso, ao longo da história, tivemos muita resiliência e comprometimento com os nossos colaboradores, fornecedores, clientes e consumidores, que são os públicos fundamentais para o nosso negócio.

Com relação aos planos referentes ao mercado, nossa expansão deve ocorrer por meio de crescimento orgânico e/ou de aquisições de outras empresas, analisando oportunidades que agreguem valor ao nosso negócio, sempre tendo comprometimento com os mais elevados padrões de desenvolvimento sustentável, gestão empresarial e governança corporativa.

Temos foco ainda no desenvolvimento de novas formas de alcançar crescimento, com melhoria da produtividade, satisfação do cliente e do consumidor.

Legenda: Presidente da M. Dias Branco acredita que segmento da indústria de alimentos deve ter normalização em 2021
Foto: Divulgação

A M DIAS BRANCO TEM BUSCADO UMA MAIOR INTERAÇÃO COM STARTUPS NO MERCADO BRASILEIRO PARA AVANÇAR NO MUNDO DA INDÚSTRIA 4.0. COMO TEM SE DADO ESSE PROCESSO NA EMPRESA? QUAL A IMPORTÂNCIA DAS STARTUPS, NA AVALIAÇÃO DO SENHOR, PARA O DESENVOLVIMENTO DO MERCADO NACIONAL?

Quando se fala em indústria 4.0, e o futuro da tecnologia aplicada em processos produtivos, é fundamental deixar claro que estamos falando do presente. Essa realidade é deparada por estruturas fabris de diversos segmentos, inclusive na M. Dias Branco.

Na Companhia, estamos controlando os ativos com inteligência artificial. Nós monitoramos os equipamentos para as manutenções preditivas, utilizando a inteligência, entre outros processos.

A inovação, inclusive, é um diferencial para a competitividade das indústrias. Um meio eficiente de acelerar o processo é a conexão com startups, iniciativa tomada pela M. Dias Branco desde 2018 a partir do Programa Germinar. O programa já está indo para a quarta edição, apresentada recentemente.

A M. Dias Branco investe em parcerias e mentoria para impulsionar o crescimento das chamadas foodtechs. Uma das empresas escolhidas na primeira rodada do Programa Germinar, em 2018, foi a Mandala Comidas Especiais, que se especializou na produção de alimentos congelados sem glúten, sem lactose ou outros ingredientes que podem causar reações em pessoas alérgicas, intolerantes alimentares e celíacos.

A inovação no processo é tamanha que, graças ao investimento da M. Dias Branco, a Mandala criou refeições instantâneas liofilizadas, que não precisam de congelamento e podem ser levadas para qualquer lugar.

A técnica é a mesma utilizada pela Agência Espacial Americana (Nasa) na alimentação dos astronautas e permite a retirada da água dos alimentos, de forma que podem ser conservados por muito tempo, sem necessidade de refrigeração e mantendo a integridade dos mesmos. Assim, os alimentos são distribuídos de maneira fácil e econômica para todo o Brasil.

APESAR DA PANDEMIA, O SETOR DE ALIMENTOS CONSEGUIU APRESENTAR BONS RESULTADOS DURANTE O ANO PASSADO. CONSIDERANDO O CENÁRIO ATUAL NO PAÍS, E COM OS IMPACTOS NA ECONOMIA, O SENHOR ACREDITA QUE O SETOR PODE ESPERAR BONS RESULTADOS TAMBÉM NESTE ANO?

O setor de alimentos é resiliente. No ano passado, principalmente nos segundo e terceiro trimestres, houve aumento na demanda pelo fato de as pessoas estarem mais em casa e devido ao auxílio emergencial, como comentamos anteriormente. Acreditamos em uma normalização do setor ao longo dos próximos meses.

A M DIAS BRANCO É, HOJE, UMAS DAS MAIORES EMPRESAS DO ESTADO DO CEARÁ, MAS, PARA AS EMPRESAS QUE ESTÃO COMEÇANDO AGORA, QUE TIPOS DE CONHECIMENTO O SENHOR AVALIA COMO CRUCIAIS PARA CONSEGUIR BONS DESEMPENHOS?

É fundamental ter foco, estratégia de longo prazo, disciplina, dedicação, uma equipe de profissionais preparada e produtos de qualidade, que atendam às necessidades e, se possível, possam superar as expectativas dos clientes e as carências do mercado.

COM RELAÇÃO ÀS OUTRAS EMPRESAS CEARENSES COM ABERTURA DE CAPITAL EM BOLSA, COMO O SENHOR AVALIA A EVOLUÇÃO DO MERCADO LOCAL A PARTIR DO CRESCIMENTO DESSAS EMPRESAS? HOJE O CEARÁ CONTA COM A ARCO EDUCAÇÃO, PAGUE MENOS, M. DIAS BRANCO, AERIS, DENTRE OUTRAS COM AÇÕES NA BOLSA.

São empresas de setores diferentes. Para nós, é motivo de orgulho e satisfação ser exemplo para outras empresas do Ceará, que abriram o capital recentemente ou pensam em abrir capital.

SENDO UMA EMPRESA FAMILIAR, COMO FOI O PROCESSO DA M DIAS BRANCO EM LIDAR COM A GOVERNANÇA ANTES DE ABRIR CAPITAL? QUAL A IMPORTÂNCIA DE TER ESSE CRITÉRIO FORTALECIDO PARA O MERCADO NACIONAL DE INVESTIDORES?

A M. Dias Branco sempre foi uma empresa muito organizada. A governança é fundamental para transmitir segurança aos investidores.

A companhia está listada no segmento Novo Mercado da B3 desde 2006, enquadrando-se desde o princípio às exigências de mercado e fomos aprimorando o processo. O Conselho de Administração conta com 50% de membros independentes e, desde 2014, os cargos de Diretor Presidente e Presidente do Conselho de Administração são ocupados por pessoas distintas.

Além disso, adotamos um indicador interno que denominamos iMDB – Índice M. Dias Branco de Governança Corporativa para acompanhamento da performance. Semanalmente ainda, eu, como presidente, me reúno com nossos vice-presidentes e diretores para a deliberação dos assuntos mais importantes.

Enxergamos que a transparência é fundamental em todos os processos de uma empresa, sobretudo as de capital aberto, que precisam fornecer ao mercado informações claras, tempestivas e transparentes, assim como a M. Dias Branco faz. Além disso, é essencial que o relacionamento das empresas com órgãos governamentais, agências reguladoras e qualquer outro tipo de representação do poder público seja pautado pela ética, respeito e transparência.

Na elaboração e divulgação de nossas demonstrações financeiras, bem como de qualquer outro comunicado oficial, utilizamos os princípios aceitos na contabilidade brasileira e internacional. Somos conscientes da importância da exatidão de nossos números, já que representam a base para análises e decisões estratégicas que afetam o futuro da Companhia. Dessa forma, todas as partes são beneficiadas pelo relacionamento honesto e transparente.

Há quatro anos consecutivos, a M. Dias Branco recebe o Troféu Transparência Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade), conhecido como o Oscar da Contabilidade. O prêmio reforça a conduta ética e transparente das empresas.

Outro fato que corrobora com a qualidade da governança da M. Dias Branco é que a Companhia passou a compor a carteira do ISE, que reúne ações de companhias que atendem a requisitos relacionados à sustentabilidade corporativa, como eficiência econômica, equilíbrio ambiental, justiça social e governança corporativa. Logo depois, em janeiro, a Companhia foi selecionada para o Índice Carbono Eficiente da B3 (ICO2 B3).

Em março deste ano, realizamos a emissão de um Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA), sendo um dos primeiros do País a receber o Título Verde, com o compromisso da Companhia de exigir e apoiar fornecedores em sua governança para a sustentabilidade. Todas essas conquistas são resultado de anos de trabalho e estamos cientes de que, a cada dia, devemos elevar nossas metas.

Legenda: Ivens Dias Branco Júnior comentou sobre interação da M. Dias Branco com start ups e questões relacionadas à Indústria 4.0
Foto: Divulgação

MUITOS EMPRESÁRIOS TÊM DISCUTIDO A IMPORTÂNCIA DAS REFORMAS ESTRUTURAIS NO BRASIL. O SENHOR CORROBORA COM ESSE PLEITO? E AS REFORMAS JÁ APRESENTADAS SERIAM FAVORÁVEIS AO AMBIENTE DE NEGÓCIOS NO BRASIL?

Sem dúvidas, as reformas gerariam simplificação em todo o ambiente de negócios no Brasil, portanto, seriam positivas para a economia como um todo.

A PANDEMIA TROUXE MUITAS MUDANÇAS PARA MODELO DE TRABALHO NA M DIAS BRANCO OU REGIME DE PRODUÇÃO?

Ao longo da pandemia, os esforços estiveram no cuidado com os nossos colaboradores e seus familiares e na garantia de abastecimento de alimentos à população brasileira. Os produtos de todas as marcas tiveram a produção industrial intensificada. Foi necessária a reação rápida em todas as áreas para atendimento dos protocolos de higiene e segurança exigidos pelos órgãos de saúde.

A M. Dias Branco criou ainda um comitê de crise para definir medidas de prevenção em todas as suas unidades industriais, em todos os escritórios comerciais, Centros de Distribuição e nas áreas em que a companhia atua.

A Companhia intensificou também as doações de alimentos em todo o país, uma vez que foi necessário olhar com muita sensibilidade para a população durante a pandemia da Covid-19. Somente entre janeiro e maio de 2021, foram doadas 3.110 toneladas de alimentos, o equivalente a R$ 18 milhões.

As doações para entidades sociais desde o ano passado já somam R$ 35 milhões ou 6.300 toneladas de alimentos. Os alimentos beneficiam cerca de 150 instituições cadastradas de 17 estados brasileiros, reconhecidas pelo seu trabalho relevante com populações carentes.

Foi necessário ter empatia e sensibilidade com a nova realidade das pessoas e nosso foco foi em fortalecer nossa relação a partir de campanhas de incentivo e cuidado com a pandemia. No início da pandemia, até o mês de maio de 2020, realizamos o projeto "Você Doa. A Gente Doa", referente à doação de sangue, assinado por cinco de nossas marcas (Fortaleza, Vitarella, Piraquê, Adria e Isabela).

Para isso, a M. Dias Branco destinou R$ 2,4 milhões para apoiar hemocentros, ajudar nas pesquisas em hematologia para o tratamento de pacientes de Covid-19 e estimular a doação de sangue, respeitando as normas sanitárias e garantindo a segurança dos doadores.

Para cada bolsa de sangue arrecadada, foram destinados 500 produtos de suas marcas a entidades de apoio social nos respectivos estados. A companhia mobilizou também as plataformas de mídias sociais de suas principais marcas para engajar e conscientizar sobre a importância das doações de sangue durante o período da campanha.

Além disso, durante o período, a companhia doou ainda outros R$ 2,6 milhões em massas e biscoitos para dezenas de entidades carentes em todo o País, totalizando R$ 5 milhões em recursos financeiros para apoio à comunidade, sendo uma das 100 maiores empresas doadoras do país, atingindo a 69ª posição em ranking, publicado pela Forbes.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios