Inflação do aluguel, medida pelo IGP-M, acumula alta de 31,1% em um ano

A alta terá efeito sobre os contratos de locação com vencimento em abril

Aluguel
Legenda: Segundo a FGV, o índice continua sofrendo a pressão dos preços de produtos agropecuários
Foto: Arquivo

O IGP-M (Índice Geral de Preços Mercado) subiu 2,94% no mês de março, informou a FGV (Fundação Getúlio Vargas) nesta terça (30). Em 12 meses, a inflação do aluguel -como o indicador é conhecido- acumula alta de 31,10%.

A alta terá efeito sobre os contratos de locação com vencimento em abril. Se o proprietário decidir aplicar integralmente a variação do IGP-M, um alguel de R$ 2.000 passará a custar R$ 2.622 no mês de maio.

Segundo a FGV, o índice continua sofrendo a pressão dos preços de produtos agropecuários. Em março, todos os componentes do IGP-M subiram. André Braz, coordenador de índice de preços, diz que a alta dos combustíveis neste mês também contribuiu para a inflação de preços ao produtor e ao consumidor.

Além de ser o índice mais usado no mercado imobiliário, o IGP-M também é utilizados nos cálculos de reajustes e revisões tarifárias dos setores de energia elétrica e de telefonia. Ele é também o indexador de contratos de empresas prestadoras de serviços, como educação e planos de saúde.

Alta da gasolina

A alta no preço da gasolina acelerou a inflação ao consumidor na primeira prévia de março do IGP-M. Dentro da alta do IPC-M, cinco das oito classes de despesa registraram taxas de variação mais elevadas, com destaque para o grupo Transportes, que saiu de 0,96% na prévia de fevereiro para 3,38% na prévia de março. A gasolina passou de 2,88% para 10,00% no período.

Os demais avanços ocorreram nas taxas de variação dos grupos Habitação (de -0,21% para 0,11%), Saúde e Cuidados Pessoais (de -0,20% para 0,20%), Vestuário (de -0,08% para 1,05%) e Alimentação (de -0,04% para 0,16%). Houve influência dos itens: tarifa de eletricidade residencial (de -2,48% para -0,31%), artigos de higiene e cuidado pessoal (de -1,29% para 0,07%), roupas (de -0,05% para 0,57%) e frutas (de -0,60% para 0,72%).

Na direção oposta, as taxas foram menores nos grupos Educação, Leitura e Recreação (de 0,91% para 0,15%), Comunicação (de 0,02% para -0,17%) e Despesas Diversas (de 0,29% para 0,13%). As maiores contribuições partiram dos itens: cursos formais (de 2 51% para 0,00%), mensalidade para internet (de -0,17% para -0 70%) e serviço religioso e funerário (de 0,78% para -2,08%).

O IGP-M é usado para reajuste de contratos de aluguel. O período de coleta de preços para cálculo do índice foi de 21 a 28 de fevereiro. No dado fechado do mês de fevereiro, o IGP-M teve elevação de 2,53%.

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios