Economista questiona as garantias do BNBPAR

Proposta antiga do empresariado brasileiro, a criação do BNBPAR é vista com cautela por analistas econômicos da região. Segundo o economista, ex-diretor Banco do Nordeste (BNB) e consultor de empresas cearense, Osmundo Rebouças, se o BNBPAR for aprovado no novo projeto de criação da Sudene, terá os moldes do BNDESPAR, do BNDES.

Dessa forma, explica, além da função de emprestar dinheiro para investimentos das empresas e financiamento de atividades produtivas, o BNB teria a permissão de investir no mercado de capitais e comprar ações de empresas privadas, passando a compartilhar do risco de sustentabilidade das mesmas. “O risco existe, e é grande, porque o BNB entraria como sócio, em uma empresa em que ele não teria nenhuma gestão, e sem segurança plena de retorno do capital investido nas ações”, alerta o economista.

Rebouças reconhece que as empresas privadas precisam de recursos para capitalização de seus negócios, para aumento de capital, mas alerta que o formato proposto não dá garantias ao banco de que a empresa será bem administrada, que irá gerar lucro e que não vai quebrar num futuro próximo. “Sem garantias, o dinheiro do banco vai embora”, adverte o economista.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios