Bolsonaro anuncia fim de taxa extra, e conta de luz terá tarifa verde a partir do dia 16

Conforme o Ministério de Minas e Energia, a perspectiva é de a adesão à bandeira verde seguir até o fim do ano

Escrito por Redação,

Negócios
Fim da taxa vermelha de energia
Legenda: A bandeira de Escassez Hídrica foi criada durante a crise hídrica do ano passado
Foto: Natinho Rodrigues

Em anúncio publicado nas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro (PL) informou, nesta quarta-feira (6), que o País sairá da bandeira de escassez hídrica e adotará a bandeira verde na cobrança de luz a partir do próximo dia 16 de abril.

Segundo Bolsonaro, a partir da troca da bandeira, a conta de luz dos brasileiros terá uma redução de cerca de 20%.

"Em 2021 o Brasil enfrentou a pior seca dos últimos 91 anos. Para garantir a segurança no fornecimento de energia elétrica, o governo federal teve que tomar medidas excepcionais", escreveu o presidente nas redes sociais.

O chefe do Executivo afirmou que o risco de falta de energia foi totalmente afastado. "Com o esforço de todos os órgãos do setor elétrico, conseguimos superar mais esse desafio. Os reservatórios estão muito mais cheios do que no ano passado. Os usos múltiplos da água foram preservados", disse.

Ainda segundo o anúncio de Bolsonaro, não será mais necessário o acionamento de geração termelétrica adicional no sistema elétrico nacional, o que aumenta o custo da energia e é repassado para o consumidor, com impactos na inflação.

"Com a redução da geração termelétrica mais cara e o aumento da produção das hidrelétricas e das demais fontes renováveis, os custos serão menores durante o próximo período seco, que vai de maio a novembro, o que se traduzirá em menores tarifas para os consumidores", acrescentou.

Segundo o Ministério de Minas e Energia, com a manutenção das atuais condições de chuva, a perspectiva é de a adesão à bandeira verde seguir até o fim do ano.

A bandeira de escassez hídrica foi criada durante a crise do ano passado, e representava um impacto de R$ 14,20 a cada 100 quilowatts-hora consumidos. 

Energia no Ceará

Apesar da redução de tarifa anunciada pelo presidente, os cearenses receberão um baque nas contas de energia neste mês, com o reajuste anual da Enel, a ser analisado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em reunião no dia 19 de abril.

Conforme adiantado pelo colunista do Diário do Nordeste Victor Ximenes, a Aneel vai definir o reajuste anual que a Enel Ceará deverá aplicar aos seus clientes já no próximo mês.

De acordo com a Agência, o repasse aos consumidores deve ser efetuado no dia 22.

Aumento de até 15%

Especialistas do Sindicato das Indústrias de Energia e de Serviços do Setor Elétrico do Estado do Ceará (Sindienergia-CE) projetam que o aumento em 2022 ficará em dois dígitos, em uma margem de 10% a 15%. No ano passado, o reajuste médio aprovado havia sido de 8,95%.