Exaustas: pandemia tem deixado mulheres mais cansadas com excesso de tarefas e pouco auxílio

Lidar com o “novo normal” sem perspectiva do fim está afetando diretamente a saúde mental e física das mulheres

Lidar com o “novo normal” sem perspectiva do fim, está afetando diretamente a saúde mental e física das mulheres
Legenda: Lidar com o “novo normal” sem perspectiva do fim, está afetando diretamente a saúde mental e física das mulheres
Foto: Shutterstock

Em março de 2020, Daniela Vasconcelos, 37, dava à luz a sua segunda filha. Chegou ao hospital dia 23, já com a indicação de internação. Porém, precisou voltar em casa e só retornou no dia seguinte, às 10h da manhã. “Era outro hospital: fardamento, cadeiras demarcadas, ninguém na emergência da maternidade. Só eu. Era assustador”. Era o primeiro dia de lockdown. Daniela se viu sozinha no hospital e em casa. Além de tudo, foi demitida e está buscando se reorganizar em meio ao caos. 

Daniela Cavalcante, Ana Cavalcante e Lia Cavalcante
Legenda: Daniela Cavalcante, Ana Cavalcante e Lia Cavalcante
Foto: Reprodução

Daniela não está só. Faz um ano que o Brasil passa pela pandemia da Covid-19. A crise tem mostrado efeitos devastadores por onde passa, seja na saúde, na economia, na educação e até na saúde mental das pessoas. Entre tantas mudanças e alterações de rotina nesse período, a desigualdade entre homens e mulheres é um ponto importante.  

“Depois que chegou à pandemia, parece que eu senti toda a sobrecarga das funções caírem de uma vez só nas minhas costas. Então, depois de um tempo, tive que respirar e entender que só iria conseguir passar por isso se eu fizesse apenas o que eu estava dando conta no momento. Mas a sensação de cansaço e sobrecarga nunca passou. Até hoje. Agora”, relata Thaisa Maia, 27, estudante de psicologia. A mãe da Liz precisou mudar a rotina por completo para dar conta das obrigações com a casa, com a filha e com o trabalho. 

De acordo com a pesquisa “SEM PARAR. O trabalho e a vida das mulheres na pandemia”, realizada pelo Gênero e Número e SOF Sempreviva Organização Feminista, 50% das mulheres passaram a se responsabilizar pelo cuidado de alguém na pandemia. Entre elas, 80,6% passaram a cuidar de familiares, 24% de amigos/as e 11% de vizinhos. E, 41% afirmaram trabalhar mais na quarentena. 

Graça Lessa, Socióloga e Mestre em Políticas Públicas, ressalta duas pesquisas: o primeiro estudo, realizado pelo Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), em 2020, conclui-se que a carga horária com cuidados diários aumentou, pois se tornaram responsáveis pelas necessidades de saúde e educação além de gerar atividades recreativas aos filhos.

Já o segundo estudo, elaborado em 2018 pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), demostra que as mulheres passam mais de 61 horas semanais em trabalhos não remunerados. 

Cuidar do lar: trabalho não remunerado, essencial e invisível socialmente 

 A socióloga, Graça Lessa, contextualiza que ao longo da história da humanidade, o papel da mulher foi construído na esfera do privado, ou seja, dentro de casa, dentro do aconchego do lar, um local protegido de um ambiente hostil, como é o caso do espaço público, local criado socialmente como espaço de atuação do homem. 

Graça Lessa, socióloga e mestre em políticas públicas
Legenda: Graça Lessa, socióloga e mestre em políticas públicas
Foto: Reprodução

“Acontece que o espaço privado também é um ambiente de invisibilidade, ou seja, aquele trabalho que é executado no interior do lar, que na maioria das vezes é realizado por mulheres, não é considerado como um trabalho importante. Ao contrário do trabalho exercido no espaço público que é valorizado e também pode projetar o indivíduo socialmente”, afirma Graça Lessa. 

Para Caroline Castro, psicóloga clínica e analista comportamental, o conceito de mulher como um sexo frágil, feita a partir da costela do homem, dependente, que tem o dever de ser boa mãe, esposa, dona de casa e dar seguimento a espécie humana está sendo cada vez ultrapassado na sociedade.

Caroline Castro, psicóloga clínica, analista comportamental, especialista em jovens e adultos e escritora autônoma
Legenda: Caroline Castro, psicóloga clínica, analista comportamental, especialista em jovens e adultos e escritora autônoma
Foto: Reprodução

A evolução, desde o uso de método contraceptivos até ocupação de mulheres em cargos de chefia, traduz o quão foi preciso lutar e vencer barreiras culturais e preconceituosas. Porém, com o surgimento de uma pandemia, alguns comportamentos sofreram regressões sociais ainda incalculáveis para desenvolvimento humano.  

“Se quando criança, as meninas ajudavam as mães a limpar a casa e cozinhar, enquanto os meninos brincavam de bola ou de carrinho. Hoje, vinte ou trinta anos depois, essas mesmas crianças, são nossos adultos. Mulheres que trabalham estudam e que sabem realizar todas as atividades, e homens que também trabalham e estudam, mas que não têm o hábito de realizar as mesmas”, reflete a psicóloga.  

“E em um momento de isolamento social, em que a família toda precisar se manter em casa, o que temos em geral? Mulheres realizando a maior parte das atividades, seja porque sabem, porque são habituadas, ou porque já faz parte da rotina”, enfatiza Caroline Castro. 

Legenda: Excesso de funções, tanto domésticas quanto profissionais, estão deixando as mulheres exaustas, especialmente na pandemia
Foto: banco de imagens

As mulheres foram as mais impactadas, estão cansadas de suas rotinas, esgotadas de forma física e mental, receberam todo o peso e responsabilidade de serem mais multitarefas (cuidam da casa, do matrimônio, dos filhos juntamente com a educação virtual, da família, alimentação, atividades extracurriculares e das responsabilidades no trabalho), do que já estavam habituadas. 

A estudante de psicologia, Thaisa Maia, precisou suspender os estudos e passou a cuidar da filha até completar dois anos. Ela se tornou mãe de forma integral, enquanto seu esposo pôde se dedicar a carreira e conseguiu ter a maior renda da casa. Na pandemia, suas atividades precisaram ser reorganizadas de forma virtual e, com isso, acabou sobrando a maior parte das atividades domésticas para ela. 

Thaisa Maia e Liz Maia
Legenda: Thaisa Maia e Liz Maia
Foto: Reprodução

“Esse ‘cuidado com o lar’ é um trabalho não remunerado e invisível que não proporciona nenhum tipo de ascensão social. Quando um casal formado por um homem e por uma mulher decide que alguém ficará em casa para cuidar da casa e dos filhos, enquanto o outro vai para o trabalho no espaço público, deve-se ter em mente que a pessoa destinada a cuidar do lar, exerce um trabalho de importância similar, enfatiza a socióloga Graça Lessa.

Um dia é pouco 

O cenário pandêmico desfavoreceu especialmente as mulheres que já vinham com suas multijornadas e se intensificaram durante a pandemia. Houve um aumento considerável de cobranças e responsabilidades que antes eram partilhadas entre escola, creche ou com ajuda de familiares.  

De acordo com Mariana Furtado, 37, fisioterapeuta, administradora e consultora de gestão empresarial, a paralisação das aulas presenciais juntamente com o ensino virtual e a permanência das crianças em casa provocou um aumento de demanda e cuidado das mulheres.

Mariana Furtado, fisioterapeuta, administradora e consultora de gestão empresarial
Legenda: Mariana Furtado, fisioterapeuta, administradora e consultora de gestão empresarial
Foto: Reprodução

“Em torno de 113 milhões de crianças estão dentro de casa e isso, naturalmente gera uma sobrecarga de trabalho”, ressalta.
 

“O pai da Liz ainda continuou saindo para trabalhar, ele ainda tinha essa movimentação e essa possibilidade de sair de casa, ver outras pessoas, ter o ambiente de trabalho. Eu tive que enfiar um tempo dentro da rotina intensa que é estudar, atender na clínica escola, estágio, cuidar da minha filha, cuidar da casa, fazer comida, brincar com a Liz, apresentar trabalhos em congressos, realizar atividades com as crianças do instituto por meio virtual, quase tudo isso fazendo de casa”, Thaisa Maia, estudante de psicologia.  

Roberta Lia comenta que devido ao fechamento das escolas, precisou dedicar um tempo para a educação virtual dos filhos. “O ensino virtual precisa de uma adaptação para realmente funcionar”, afirma. Já para Debora Silva, a atividade com maior tempo gasto para execução é aquela que envolve os filhos. “Aumentou o volume de bagunça com isso, mais tempo empregado na função de arrumar”, ressalta. 

Natanael, Roberta Lia e Bernardo Marques
Legenda: Natanael, Roberta Lia e Bernardo Marques
Foto: Reprodução

Com base na pesquisa “SEM PARAR. O trabalho e a vida das mulheres na pandemia”, a intensificação das atividades domésticas, realizada por mulheres durante a pandemia, como preparar alimentos, lavar louça e limpar a casa teve um acréscimo de 57%, 57% e 52,4%, respectivamente. Com isso, 65,4% das mulheres disseram que a responsabilidade de cuidado e com o trabalho doméstico dificulta a realização do trabalho remunerado. 

“Por mais que meu marido divida a organização da casa e das filhas comigo, ainda sou eu que cuido de mais da metade dos afazeres. Após fazer as meninas dormirem e organizar a casa, vou estudar e trabalhar. Entro madrugada a dentro e logo cedo tenho que estar de pé. Em outubro fui demitida e foi quando vi a oportunidade de montar minha própria empresa, mas admito que não está fácil. Conciliar as crianças em casa com um novo projeto é surreal”, diz Daniela Vasconcelos. 

Daniela, Lia, Ana e Bruno Cavalcante
Legenda: Daniela, Lia, Ana e Bruno Cavalcante
Foto: Reprodução

Impacto Social 

“Quando começou a pandemia eu estava cursando um mestrado, mas não pude continuar. Comecei a procurar trabalhos que pudessem ser feitos online e que tivessem horários flexíveis para poder ficar mais tempo com as crianças. Eu escolhi priorizar a minha família”. O relato é de Roberta Lia, 43, advogada e que trabalha em casa como agente cultural. 

Roberta Lia Marques, Natanael, Bernardo e Murilo Marques
Legenda: Roberta Lia Marques, Natanael, Bernardo e Murilo Marques
Foto: Reprodução

Já a tatuadora Debora Silva Teixeira, 34, mãe de dois filhos, reforça que foi impedida de trabalhar devido a necessidade de distanciamento social e precisou se reinventar profissionalmente. Somado a isso, a necessidade de dar conta da casa e dos filhos.

“A falta de convivência também desgasta algumas relações e sobrecarrega outras, o que torna tudo mais cansativo”, comenta.
 

Debora Silva e Manoel Silva em casa
Legenda: Debora Silva e Manoel Silva em casa
Foto: Reprodução

Ainda não sabemos ao certo quais consequências e impactos a pandemia da Covid-19 deixarão na sociedade. Segundo a consultoria de Gestão Empresarial, Mariana Furtado, o período pandêmico trouxe um agravamento relacionado a desigualdades de raça e gênero em toda a América Latina. 

“As mulheres são 51,8% da população do Brasil. Ocupam 55% das cadeiras universitárias e 53% do total de alunos de pós-graduação. Ainda assim, segundo o IBGE ocupam apenas 13% dos cargos de presidência e 31% dos cargos de gerência e diretoria. Esses números são importantes para analisarmos o cenário no qual nos encontramos, e os desafios que teremos pela frente, em se tratando da mulher no mercado de trabalho”, observa a consultora de gestão empresarial.   

Mariana Furtado ainda levanta um dado sobre a menor visibilidade das potencialidades femininas em sites de trabalho. “Nós temos 13% menos chances de termos nossos currículos visualizados, segundo o Linkedin. Portanto, nosso trabalho será sempre com o objetivo de mudar essa realidade”, salienta. 

Mercado de trabalho  

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Continua (PNAD), contabilizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), estima que 8,5 milhões de mulheres ficaram fora do mercado de trabalho em 2020, se comparado a 2019. Já, relacionado a pesquisa “SEM PARAR. O trabalho e a vida das mulheres na pandemia”, 40% das mulheres afirmaram que a pandemia e a situação de isolamento social colocaram a sustentação da casa em risco, tendo como maiores dificuldades o pagamento de contas básicas ou do aluguel.

E, 58% das mulheres desempregadas nesse período, são negras

Mariana Furtado, consultoria de gestão empresarial, ressalta que mais da metade das famílias brasileiras é chefiada por mulheres. O momento atual está sendo marcado pela busca por aprimoramento e reinvenção de novas habilidades de forma flexível e adaptável a realidade em que estamos passando.  

Muitas delas se tornaram empreendedoras por necessidade, passaram por transições de carreiras, seja para complementar renda ou porque foram demitidas ou pediram para sair do emprego para cuidar da casa e dos filhos. 

Separações e crises conjugais 

“Eu e meu esposo passamos três meses separados. A exaustão das tarefas domésticas e as turbulências financeiras começaram a se tornar feridas incuráveis e as brigas intensificaram. Decidimos nos afastar por um tempo, até escolher o que seria melhor - se tentar novamente e reatar ou romper de vez. Decidimos retomar o relacionamento conversando bastante e tentando estabelecer novos acordos a cada dia”, relembra a tatuadora Debora Silva. 

Essa realidade de crises conjugais aconteceu em diversos lares. “Chegamos muito perto da separação. Ainda hoje estou me sentindo cansada física e mentalmente. Sinto que tive que largar toda minha vida para viver em função das meninas”, diz Daniela Vasconcelos, publicitária. 

Lia Cavalcante, Daniela Cavalcante e Ana Cavalcante
Legenda: Lia Cavalcante, Daniela Cavalcante e Ana Cavalcante
Foto: Reprodução

Segundo a psicóloga Caroline Castro, cada mulher e cada família lida de formas diferentes quando passam por exaustões emocionais. A mudança de rotina e o cancelamento de hábitos podem gerar a presença do estado de luto que se não for dada a devida atenção poderá a ter consequências como doenças psíquicas.  

A psicóloga costuma escutar a mesma pergunta em seus atendimentos, intensificada na pandemia: “como vou dar conta de tudo isso?”. E, de forma franca e sincera, costuma sugerir que comece cuidando delas mesmas. A saúde mental e o auto cuidado em épocas de pandemia passaram a ser tão raros quantos leitos vagos de UTI. 

 A especialista enfatiza a necessidade de se sentir em paz e bem em casa, sem cobranças, entender que faz parte não dar conta de todas as atividades e ter consciência que é necessário tirar um tempo para si.  

“É frustrante estar em casa lidando com estresse de todos os lados, ainda mais numa perspectiva tão distante de vacinação”, Debora Silva, tatuadora.  

“Necessitamos refletir como valorizar um trabalho que é tão indispensável à vida de todos, e trazer questionamentos sobre o impacto físico e psicológico da sobrecarga de trabalho para quem trabalha com o cuidado e não é remunerado e muitas vezes não é nem reconhecido. Fiquemos em alerta… empatia é necessário”, reflete Graça Lessa, socióloga. 

Já a psicóloga Caroline Castro, salienta a importância de pedir ajuda quando for preciso. “Pedir ajuda não é pecado!”, ressalta. A especialista ainda aconselha a dividir as tarefas para tirar um tempo pra você se cuidar e se valorizar. Se permita a pedir uma folga no trabalho, praticar exercícios, testar receitas novas, pintar o cabelo quando der vontade ou dormir com a louça suja. Não busque perfeições que não existirão. 

Mariana Furtado, consultoria de Gestão Empresarial, por sua vez, sugere que as mulheres diminuam as exigências sobre si, que estabeleça prioridades e que busque organizar a rotina, separando horários para o trabalho, para as atividades familiares e sem esquecer dos momentos de pausa.

“Reservar momentos para cuidados pessoais como atividade física, terapia, conversas online com familiares e amigas, orações, algo que traga prazer, pode ser a saída mais saudável e produtiva, afirma. 

 


Assuntos Relacionados