Governo do Ceará lança material para desenvolver competências socioemocionais na educação infantil

Coletânea deve contribuir para a formação de professores nas redes municipais do Estado

Foto: Divulgação/Seduc

O Governo do Ceará lançou nessa terça-feira (4), por meio do programa Mais Infância, uma coletânea de livros que deve contribuir para a formação de professores da educação infantil nas redes municipais.

Categorizados por faixa etária, os livros abordam, principalmente, as cinco competências socioemocionais descritas na Base Nacional Comum Curricular (BNCC): autoconsciência, autogestão, consciência social, habilidades de relacionamento e tomada de decisão responsável.

Trata-se de uma iniciativa inédita, de acordo com a primeira-dama do Ceará, Onélia Santana. “É um marco na história da educação do Estado. Porque sabemos que é nessa faixa etária de zero a seis anos que a criança está em pleno desenvolvimento e precisa de suporte”, afirma.

Muito desse apoio, segundo a primeira-dama, passa por estimular as crianças a serem “protagonistas da própria história” por meio do brincar e da contação de histórias, desenvolvendo, por tabela, sua linguagem e suas capacidades cognitiva e emocional.

Tudo isso é uma construção e, para que aconteça, é necessário planejamento, rotina em sala de aula. E esse planejamento pedagógico está dentro desse material estruturado, que foi construído por várias pessoas, especialistas aqui do Ceará”
Onélia Santana
Primeira-dama do Ceará

Onélia destaca que o conteúdo foi produzido em parceria com a Associação Nova Escola e que ainda aborda aspectos relacionados à família.

Investimento

Para a construção do material, chamado de “material estruturado”, o Governo investiu em torno de R$ 5,8 milhões e contou com a consultoria de professores das redes pública e privada. Os volumes estão, neste momento, em processo de distribuição para os municípios.

Dirigente municipal de educação de Crateús e presidente da União dos Dirigentes Municipais do Ceará (Undime-CE), Luiza Aurélia Teixeira acredita que o material fortalece o ensino e a aprendizagem tanto da educação infantil quanto das etapas escolares posteriores. 

Esse material é de extrema importância porque vai guiar o aprendizado dos alunos e, também, a prática docente. Ele direciona a abordagem dos conteúdos, das ideias e de como tratar diversos assuntos em sala de aula e serve de base para o planejamento do professor. É a partir dele que as formações dos professores serão pensadas”
Luiza Aurélia Teixeira
Dirigente municipal de educação de Crateús e presidente da Undime-CE

Educação infantil na pandemia

Para a secretária estadual da Educação, Eliana Estrela, embora não seja do Estado a responsabilidade direta sobre a educação infantil, o regime de pactuação com os municípios permite que materiais como esse sejam construídos colaborativamente em benefício comum.  

A gestora ressalta ainda que a pandemia de Covid-19 e o contexto de aulas remotas têm desafiado a comunidade escolar e cada vez mais exigem o desenvolvimento de habilidades diferentes. Portanto, o material, segundo ela, “traz um pouco desse cenário atípico porque trabalha exatamente as competências socioemocionais que nós precisamos muito hoje, especialmente quando as crianças e os jovens estão precisando se reinventar e os professores, também. Então, é um norteador para os professores, como um manual mesmo”, define.

Foto: Divulgação/Seduc

Luiza, da Undime-CE, complementa que, num momento de retorno às aulas presenciais, o material deve garantir “condições iguais” para que possam ser recuperados os prejuízos de aprendizagem provocados pela pandemia.

Junto à Undime-CE, a Secretaria da Educação (Seduc-CE) está construindo, também, uma avaliação diagnóstica para entender a real situação da educação no Estado na pandemia e mensurar os prejuízos. “Mesmo não tendo parado [as aulas], a gente sabe que teve um certo prejuízo e a gente precisa recuperar essa aprendizagem. A gente quer criança na escola, na idade certa, aprendendo e prosseguindo seus estudos”, afirma a secretária Eliana.

Reformulação do material do ensino fundamental

Junto ao material estruturado da educação infantil, o Governo lançou, também, um material dedicado ao ciclo de alfabetização dos alunos, que envolve do primeiro ao terceiro ano do ensino fundamental.

De acordo com a Seduc, o conteúdo desses volumes contempla cinco componentes curriculares (Língua Portuguesa, Matemática, Ciências, História e Geografia) divididos em cadernos bimestrais para alunos e professores. A gestora da pasta, Eliana, acrescenta que o material atualiza o Programa de Aprendizagem na Idade Certa (Mais Paic) e insere nele as competências socioemocionais previstas na BNCC.

Quero receber conteúdos exclusivos do EducaLab