Fiocruz diz ter capacidade de produzir vacina emergencial contra a varíola no Brasil, se necessário

Entidade buscou retomar produção há mais de 20 anos, mas erradicação da doença dispensou a reinício da fabricação.

Escrito por Nícolas Paulino, nicolas.paulino@svm.com.br

Ceará
Legenda: O Complexo Tecnológico de Vacinas (CTV) de Bio-Manguinhos é um dos maiores centros de produção da América Latina.
Foto: Bio-Manguinhos

A disseminação da varíola dos macacos por vários países tem preocupado as autoridades de saúde porque a maioria da população não tem defesas contra a doença. No Brasil, não há produção desse tipo de imunizante, mas a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) assegura que possui capacidade instalada para fabricá-lo de forma emergencial.

Como exemplo, o órgão cita “sua capacidade científica e tecnológica conseguindo se mobilizar rapidamente para a produção da vacina Covid-19 nacionalizada”, a Astrazeneca/Oxford, que começou a ser feita no país em julho de 2021.

No novo cenário, primeiro, seria preciso garantir a tecnologia biológica, já que a vacina parou de ser produzida no país porque a varíola humana foi erradicada em 1971, e as campanhas foram extintas. O Instituto Oswaldo Cruz (IOC) fabricava o imunizante contra a doença desde 1922.

Em nota enviada ao Diário do Nordeste, a Fiocruz explicou que, em 2001, participou de discussões com o Ministério da Saúde para restabelecer a produção nacional da vacina contra a varíola. Contudo, “houve entendimento de que havia uma segurança relativa pela existência de um estoque estratégico na OMS, nos EUA e na Rússia”.

Naquele momento, a retomada ficou em segundo plano. Hoje, a Organização Mundial da Saúde (OMS) defende que a vacina tradicional - e que teve a produção em larga escala interrompida - tem até 85% de eficácia contra a varíola dos macacos.

Licenciamento da vacina

A virologista Clarissa Damaso, professora do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), explica que a mesma vacina protege contra todos os vírus que são do mesmo subgrupo. A fabricação nacional dependeria da reaquisição de tecnologia.

“Agora ela não existe mais no Brasil licenciada. A gente precisa comprar no exterior e licenciar aqui. A varíola foi combatida com vacina e também com programa eficaz que traçava os contatos e isolava as pessoas”, afirma. 

Segundo a especialista, a transmissão ocorre via contato com a pele, lesões, secreções orais e respiratórias. O ideal é haver isolamento até as crostas na pele secarem e caírem. “Ela pegou de surpresa porque é a primeira vez que temos uma cadeia de transmissão tão longa fora da África”, aponta.

Passo a passo

Segundo a Fiocruz, o vírus vacinal da varíola é produzido em cultura de tecidos, tecnologia que o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos), unidade produtora de vacinas, “domina há anos”. Ela é empregada, por exemplo, na produção industrial das vacinas de sarampo, caxumba, rubéola e rotavírus que são fornecidas ao Programa Nacional de Imunizações (PNI).

Para uma produção emergencial da vacina da varíola, teria que haver disponibilidade da tecnologia de produção, com o vírus semente, a célula específica para produção deste vírus, a tecnologia de purificação, formulação, e apresentação da vacina".
Fiocruz

Além disso, diz haver necessidade de “alinhamento estratégico” com o Ministério da Saúde, caso a vacina venha a ser definida como necessária.

Especialistas apontam que o ideal é impedir a propagação da varíola dos macacos por outros países. No Brasil, o Ministério da Saúde não confirmou casos. Contudo, a Argentina já reconheceu o primeiro paciente com a doença na América Latina.