Juiz do caso boate Kiss intervém em manifestação da defesa do réu: 'apelativa e desnecessária'

Saiba mais sobre Orlando Faccini Neto, magistrado que tem chamado a atenção de quem assiste ao julgamento do caso

O juiz responsável pelo julgamento do incêndio na boate Kiss, Orlando Faccini Neto, tem chamado a atenção de quem assiste ao júri, realizado desde quarta-feira (1º) em Porto Alegre. O magistrado, que possui um tom de voz tranquilo, interveio em algumas declarações dos advogados de defesa dos réus e promotores, responsáveis pela acusação. As informações são do G1

Na sessão de quinta-feira (2), Faccini Neto interveio durante uma ação da defesa do réu Elissandro Spohr, em que o advogado Jader Marques chamou o cliente para o centro de auditório e, frente a uma sobrevivente da tragédia, questionou se ela odiava o acusado. Em resposta a atitude do jurista, o juiz a tachou como "apelativa e desnecessária". 

"Isso não é adequado porque nós estamos em um sistema de Justiça que busca, efetivamente, racionalizar aquilo que as vítimas sentem. [...] Eu considero - digo isso muito respeitosamente, mas vai ficar registrado - eu considero apelativo e desnecessário isso" 
Orlando Faccini Neto
juiz do julgamento do incêndio na boate Kiss

Julgamento boate Kiss
Legenda: Faccini Neto interveio durante a ação do advogado Jader Marques, responsável pela defesa do réu Elissandro Spohr
Foto: Juliano Verardi/TJRS

Em outro momento, na quarta-feira, a representante do Ministério Público também foi advertida pelo magistrado quando questionou uma sobrevivente sobre qual o resultado ela desejava para o julgamento. 

"Essa pergunta tem que ser respondida pelos jurados", interveio Faccini Neto. 

Quem é Orlando Faccini Neto

Orlando Faccini Neto,  juiz do julgamento do incêndio da boate Kiss
Legenda: Magistrado costuma compartilhar dicas de livros, filmes e séries nas redes sociais
Foto: Juliano Verardi /TJRS

Nascido em São Paulo, em 19 de novembro de 1976, Orlando Faccini Neto é formado em Direito pela Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo (FDSBC). Possui  mestrado em Direito Público pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), além de doutorado em Ciências Jurídico-Criminais pela Universidade de Lisboa (U.Lisboa).  

O magistrado ingressou na carreira no dia 11 de setembro de 2001, mesmo dia dos ataques terrorista contra os Estados Unidos, segundo a Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul (Ajuris), entidade presidida por Faccini Neto.

Ele atuou nas comarcas de Jaguarão, Carazinho e Passo Fundo. Desde 2016, trabalha em Porto Alegre. O juiz também já trabalhou no gabinete do ministro Felix Fischer, no Superior Tribunal de Justiça (STJ), em Brasília, auxiliando em julgamentos de recursos de processos da Operação Lava Jato.

Nas redes sociais, o Faccini Neto compartilha com os mais de 11 mil seguidores dicas de livros, séries e filmes que acompanha. Recentemente, no Instagram, o jurista indicou a obra "Os Supridores", de José Falero.  

Hobbies como a paixão pela música, e interesse por campeonatos de xadrez também são temas das postagens do magistrado.   

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil