'Caveira' rivaliza com 'Diabão' ao chegar a 99% do corpo tatuado; veja antes e depois

Conhecido como o 'Caveira', Fernando Franco de Oliveira é tatuador

Fernando Franco de Oliveira em foto como o Caveira
Legenda: Caveira, como ele é conhecido atualmente, começou a fazer tatuagens em 2014
Foto: reprodução/Arquivo pessoal

O tatuador Fernando Franco de Oliveira, conhecido como 'Caveira', já tatuou 99% do corpo, fez modificações corporais e ficou conhecido como o "orc brasilero" recentemente. O apelido surgiu logo após ele realizar cirurgia para remover parte do nariz.

Em entrevista ao portal UOL, ele conta que chegou a receber o prêmio de homem mais tatuado do Brasil. Agora, o proprietário de um estúdio de tatuagem em São Paulo diz que apenas as solas dos pés dele não possuem desenhos.

"Estou lacrado. A pele dos pés é muito grossa, é muito difícil de pegar tatuagem. Mas se alguém tentar arrancar meu ranking, vou tatuar as solas dos pés nem que seja com uma lixadeira", explicou.

Desejo pessoal

O fascínio por cobrir o corpo com tatuagens surgiu em 2014, quando tatuou tudo, inclusive os globos oculares. Antes de virar tatuador, Fernando trabalhou como soldador, mas se aposentou após um acidente de trabalho.

Legenda: Fernando Franco de Oliveira se transformou ao longo do tempo
Foto: reprodução/Arquivo pessoal

"Até então, meu nome era Fernando. Um dia, no meu estúdio, decidi que tinha que ter um apelido. Falei para os meus colegas começarem a me chamar de Caveira. Agora é só Caveira", explicou na entrevista.

Além das tatuagens, ele resolveu que as mudanças faciais seriam um novo passo nessa jornada para fazer jus ao apelido. Durante a pandemia, ele revelou que o desejo de fazer cirurgia também apareceu.

"Botei orelhas de orcs [seres de 'O Senhor dos Anéis'], botei dentes de vampiro e mutilei meu nariz", afirmou. Até agora, ele conta, desembolsou entre R$ 35 mil e R$ 40 mil para as alterações em questão.

Legenda: Fernando Franco começou com as modificações corporais após as tatuagens
Foto: reprodução/Instagram

Mesmo assim, o Caveira diz não ter nenhum arrependimento sobre as mudanças corporais. "Tem que realmente gostar, e amo! Onde vou, 70% das pessoas pedem para tirar foto comigo", revela.

Contra o Diabão

Questionado sobre o Diabão de Praia Grande, Michel Praddo, Caveira disse não temer perder o pódio de mais tatuado.

"Ele tem aquela aparência dele lá, mas, se você olhar atrás na cabeça dele, não tem tatuagem. Para mim, isso não conta", opinou.

Agora, a intenção dele é não parar mais. "Vou colocar mais implantes de chifres na cabeça, tatuagens que cortam a pele e deixam cicatrizes. Não vou parar, para a alegria do Diabão", provocou.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil