Criança brasileira está entre 159 desaparecidos após desabamento de prédio em Miami

A tragédia ocorreu nesta quinta-feira e deixou quatro mortos

Ruínas do prédio
Legenda: Parte de prédio colapsa em comunidade de Miami, na Flórida
Foto: AFP

O número de mortos no desabamento de um edifício nos Estados Unidos subiu para quatro, nesta sexta-feira (25). Os desaparecidos somam 159, incluindo um brasileiro de cinco anos. A tragédia ocorreu nesta quinta-feira (24).

O prédio residencial de 12 andares colapsou parcialmente, na comunidade de Surfside, na cidade de Miami, nos Estados Unidos.  Segundo autoridades locais, há muitos latino-americanos entre os procurados.

"Estamos sem notícias de 159 pessoas. Além disso, confirmamos que o balanço de mortes subiu para quatro (...) tomei conhecimento ao acordar que retiraram três corpos dos escombros", afirmou Daniella Levine Cava, prefeita do condado de Miami-Dade.

"Sabemos o paradeiro de 120 pessoas, o que é uma notícia muito boa", disse.

Criança brasileira está desaparecida

Segundo O Globo, um menino de cinco anos está entre os desaparecidos no desabamento. Conforme apuração do jornal, a criança morava com os pais no apartamento de número 512. A mãe dele, Raquel Oliveira, de 41 anos, não estava na cidade no dia do acidente. 

No Facebook, a mãe informou que disse que "as buscas não param e vão continuar por dias" e que já entregou uma amostra de seu DNA às autoridades "para compararem com os das crianças não identificadas conforme forem achando".

Ela acrescentou que uma amostra do DNA do pai, o italiano Alfredo Leone, também será enviada da Espanha. 

Número de vítimas ainda é incerto

As autoridades afirmaram que não sabem quantas pessoas estavam no prédio no momento do colapso, que aconteceu na madrugada de quinta-feira.

"Continuaremos as operações de busca e resgate porque ainda temos a esperança de encontrar pessoas com vida", disse a prefeita.

Levine Cava destacou que aos integrantes das equipes de resgate "estão motivados com a perspectiva de encontrar pessoas. Temos que obrigá-los a respeitar o rodízio, o que demonstra como sua motivação é forte".

Quase 55 apartamentos do edifício, em frente ao mar na cidade de Surfiside, ao norte de Miami Beach, foram afetados pelo colapso, segundo o vice-comandante do corpo de bombeiros de Miami-Dade, Ray Jadallah.

A imprensa local informou que o prédio foi construído em 1981 e tinha 130 apartamentos.

"Uma parte do edifício caiu completamente. Não existe mais", disse Nicolás Fernández, um argentino de 29 anos que mora em Miami e aguardava notícias de amigos que estavam no apartamento de sua família no imóvel.

"Não sei se estão vivos", afirmou à AFP. Bombeiros e policiais, com a ajuda de drones e cães farejadores, trabalharam durante a madrugada. O presidente Joe Biden declarou emergência e ordenou o envio de ajuda federal para os trabalhos de busca.

"A ação do presidente dá autoridade ao Departamento de Segurança Interna e à Agência Federal de Gestão de Emergências (FEMA) para coordenar todos os esforços de resgate", afirmou a Casa Branca em um comunicado.

O senador republicano da Flórida Marco Rubio informou que os estrangeiros são "quase um terço dos desaparecidos", incluindo muitos latino-americanos.

A irmã da primeira-dama do Paraguai, Sophía López Moreira, seu marido e os três filhos, assim como uma empregada, estão entre os desaparecidos, informou o chanceler Euclides Acevedo. 

Também são desconhecidos os paradeiros de nove argentinos e três uruguaios, de acordo com fontes dos respectivos consulados.

Familiares estão aflitos à espera de mais notícias 

Em um centro comunitário em Surfside, parentes dos desaparecidos choravam e aguardavam por notícias. Inquilinos do edifício que não estavam no prédio no momento da tragédia descobriram que ficaram sem casa.

Erick de Moura, 40 anos, passou a noite de quarta-feira na casa da namorada."Acabo de retornar e a cena é impactante", disse. "Há muita dor. Me sinto abençoado por estar vivo".

No edifício moravam residentes de tempo integral e pessoas que passavam apenas temporadas, o que dificulta determinar o número exato de desaparecidos.

"A esperança persiste, mas está diminuindo", declarou a comissária do condado de Miami-Dade, Sally Heyman, ao canal CNN.

Alguns moradores conseguiram escapar pelas escadas, enquanto outros foram resgatados das varandas.

"É uma situação realmente trágica (...) Estamos nos preparando para notícias ruins com a destruição que estamos vendo", disse o governador da Flórida, Ron DeSantis.

O prefeito de Surfside, Charles Burkett, afirmou que ainda não sabe o que provocou o colapso do prédio. "É como se uma bomba tivesse explodido, mas temos certeza que uma bomba não explodiu, aconteceu outra coisa".

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo