Agência europeia aprova vacina contra a varíola dos macacos

Imunizante que já era usado contra a varíola terá uso ampliado

imagem ilustrativa de frasco de vacina com o dizer smallpox
Legenda: Vacina já é usada no combate à varíola e, agora, ampliação do uso para combate à varíola dos macacos foi autorizada
Foto: Shutterstock

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) anunciou, nesta sexta-feira (22), que aprovou a ampliação do uso de uma vacina contra a varíola para combater a propagação da varíola dos macacos.

"O Comitê de Medicamentos de Uso Humano (CHMP) da EMA recomendou estender o uso da vacina Imvanex para incluir a proteção dos adultos contra a varíola do macaco", declarou o regulador europeu em um comunicado.

Em 2013, a UE aprovou a vacina Imvanex, da empresa dinamarquesa Bavarian Nordic, para prevenir a varíola. Seu uso agora é estendido devido à sua semelhança com o vírus da varíola do macaco.

O regulador europeu baseou a recomendação em dados de vários estudos em animais que mostraram proteção contra o vírus da varíola dos macacos em primatas não humanos vacinados com Imvanex. 

"O perfil de segurança do medicamento é favorável, com efeitos colaterais leves a moderados, e o CHMP concluiu que os benefícios do medicamento superam os riscos", sublinhou a EMA. 

Situação se agravando

Antes de iniciar uma reunião do Comitê de Emergência, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, expressou preocupação, nessa quinta (21), com o aumento do número de casos de varíola dos macacos.

A situação se agravou nas últimas semanas, com mais de 15,3 mil casos registrados em 71 países, segundo os últimos números das autoridades de saúde dos Estados Unidos.

Ghebreyesus é responsável por declarar uma emergência de saúde pública de interesse internacional, o mais alto nível de alerta da agência de saúde, de acordo com as recomendações do Comitê. Em uma primeira reunião, realizada em 23 de junho, a maioria dos especialistas desaconselhou a declaração.

Varíola dos macacos

Detectada no início de maio, a propagação incomum da varíola dos macacos fora dos países da África Central e Ocidental, onde o vírus é endêmico, se espalhou por todo o mundo, com epicentro na Europa. Encontrada pela primeira vez em humanos em 1970, a varíola dos macacos é menos perigosa e contagiosa do que "sua prima", a varíola, erradicada em 1980. 

Na maioria dos casos, os pacientes são homens que mantêm relações sexuais com outros homens, relativamente jovens, e que vivem principalmente em cidades, segundo a OMS.

A doença se manifesta inicialmente com febre alta e progride rapidamente para erupções cutâneas. Na maioria das vezes é benigna e geralmente se cura espontaneamente após duas ou três semanas.

Vacinação

A empresa dinamarquesa Bavarian Nordic, único laboratório que produz uma vacina autorizada contra a varíola dos macacos, informou na terça-feira (19) que recebeu um pedido de 1,5 milhão de doses, a maioria das quais será entregue em 2023, para um país europeu cujo nome não especificou, enquanto os Estados Unidos encomendaram mais 2,5 milhões de doses adicionais.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo

Assuntos Relacionados