Meditação: o que é, como fazer e benefícios

Além das vantagens psíquicas, a atividade também pode contribuir para a saúde do corpo, melhorando a qualidade de vida

Pessoa meditando
Legenda: A prática é um exercício mental de desenvolvimento de uma atenção plena
Foto: Shutterstock

O fluxo de pensamento e processamento de informações realizados pelo cérebro são constantes, inclusive durante o sono. Essa atividade contínua é natural, mas, às vezes, a velocidade e a quantidade de estímulos podem causar um estado de dispersão, ou de aflição no indivíduo. Silenciar a mente e direcionar o foco para o presente é exatamente o que é desenvolvido na meditação

Técnicas de respiração, entonação de mantras, uso de músicas e danças que auxiliam a concentração, além da ausência de sons, são alguns dos métodos usados pela prática para aquietar os pensamentos. Além dos benefícios psíquicos, a atividade também pode contribuir para a saúde do corpo, resultando em uma melhora da qualidade de vida e aumento da sensação de bem-estar.   

O que é  

A meditação é um exercício mental de desenvolvimento de uma atenção plena, focada na concentração do momento presente. No entanto, o professor de yoga Pedro Lima* explica que definir a prática é algo complexo, já que ela também pode ser uma experiência em que o indivíduo se volta para si, desapegando de impermanências que acontecem no corpo e na mente, conectando-se com uma consciência atemporal, divina

A característica sagrada, citada pelo especialista, se relaciona com a origem milenar da meditação. A técnica existe em várias tradições orientais espirituais e/ou filosóficas, uma das mais antigas a citá-la é a civilização Védica — sociedade que floresceu na região do subcontinente indiano entre 1500 a.C. até 500 a.C. Os ensinamentos desse povo foram a base de diversos costumes orientais da Índia, como, por exemplo, o hinduísmo — principal religião do país.  

Portanto, como a prática será desenvolvida depende do objetivo de quem a executa. Ou seja, ela pode contribuir para aquietação da mente e alcance de um estado de paz e tranquilidade, como também ser a ferramenta para se conectar com uma essência divina. 

Quais são os tipos de meditação 

Pessoas meditando em grupo
Legenda: A técnica pode ser feita sozinho ou em grupo
Foto: Shutterstock
 

Existem inúmeras formas de se realizar a atividade. Cada método possui um propósito e pode combinar técnicas de respiração, entonação de mantras, execução de dança, reprodução de músicas e imagens, ou utilizar apenas o silêncio.  

No momento de escolher qual gênero executar, a pessoa deve considerar o objetivo que a levou à prática. Pedro Lima lista os principais tipos de meditação. São eles: 

  • Vipassana: prática de origem budista é simples, mas difícil. A palavra vipassana significa “ver as coisas como elas são”, na prática, a atividade consiste em um exercício mental de observação da interna e externa sem julgamentos. Livre de imaginação, crenças ou convicções, com o intuito de desenvolver uma mente saudável e presente.  
  • Atenção Plena ou Mindfulness: técnica desenvolvida pelo médico e professor Jon Kabat Zinn com bases na tradição budista. Consiste em focar a atenção completamente em algo, como uma âncora, evitando que a mente se disperse.  
  • Transcendental: método popular no ocidente em que o indivíduo se concentra em um som específico, e o repete várias vezes.  
  • Ativa: é combinação de meditação e movimentos, como, por exemplo, em danças ou durante práticas de yoga.  

Benefícios  

A meditação, quando praticada regulamente, pode trazer inúmeros benefícios à saúde física e principalmente mental. Para Pedro Lima, a principal delas é o desenvolvimento do autoconhecimento. O indivíduo passa a entender como o corpo e as emoções afetam o estado mental, e vice-versa, assim aprendendo a lidar melhor com a natureza da mente 

O professor elenca outras vantagens proveniente da atividade:  

  • Aumenta a capacidade de concentração, de foco; 
  • Melhora as atividades cognitivas; 
  • Induz um estado de relaxamento muscular; 
  • Melhora a saúde física e mental; 
  • Sensação de paz e bem-estar;  
  • Aumenta a qualidade do sono. 

Para ansiedade 

pessoa meditando sentada enquanto trabalho
Legenda: É possível meditar durante intervalos curtos na rotina
Foto: Shutterstock
 

O Brasil é o país com mais pessoas sofrendo com o distúrbio no mundo, conforme um relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS), divulgado em 2017. Em 2020, com a pandemia da Covid-19, 80% da população brasileira tornou-se ainda mais ansiosa, segundo uma pesquisa realizada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). 

Conforme Pedro Lima, a condição se tornou uma característica da modernidade, devido ao estilo de vida frenético e incerto. O profissional acredita que ela é causada por um excesso de preocupação com situações que podem ou não acontecer, funcionando, muitas vezes, como gatilho para ativar o sistema nervoso, desencadeando sintomas como medo, falta de ar, inquietação, insônia, que geram mais preocupações, configurando um círculo vicioso.  

Para o professor a meditação não serve como tratamento para a ansiedade, mas as técnicas podem auxiliar na superação do quadro, ao desenvolver a capacidade de manter a mente do praticante ligado ao presente. 

Ajuda na concentração?  

Sim, meditar pode auxiliar no aumento da capacidade de concentração. Como a técnica busca manter a atenção plena direcionada a um objetivo, acaba por auxiliar no desenvolvimento do foco, aumentando a resistência às distrações. Conforme resume o especialista, a meditação é se concentrar de forma intencional. 

Como meditar 

pessoa meditando
Legenda: Técnicas de respiração, entonação de mantras, uso de músicas, além da ausência de sons, são alguns dos métodos usados pela prática
Foto: Shutterstock
 

Existem diversas formas de praticar a técnica. Pedro Lima lista um passo a passo simples para executar a Mindfulness do Espaço de Três Minutos, que é uma meditação curta e pode ser feita várias vezes ao dia, dependendo da necessidade.  

  • Programe um alarme para três minutos e evite checar o relógio durante o período. Gradualmente é possível aumentar o tempo da prática; 
  • Sente-se numa cadeira ou no chão e encontre uma posição confortável; 
  • Feche os olhos, direcione a atenção para o corpo — pode ser para as sensações físicas ou para os pensamentos e sentimentos; 
  • Observe os movimentos ou sensações da respiração; 
  • Volte a atenção para o corpo incluindo as percepções do local. 

Iniciantes  

Indivíduos que desejam começar a realizar a prática podem procurar grupos de meditação, como suporte, ou a orientação de algum professor. O acompanhamento inicial é importante para estimular o praticante a não desistir com facilidade, além de proporcionar uma troca de experiência.  

Também existem aplicativos que podem auxiliar pessoas inexperientes, mas Pedro Lima recomenda que haja uma orientação prévia com algum profissional. Caso não seja possível, o especialista indica que os interessados optem por técnicas mais acessível, como a Mindfulness do Espaço de Três Minutos, citada acima.   

Para dormir  

A meditação pode ajudar a dormir e melhorar a qualidade do sono. Segundo o professor, as técnicas que incluem pranayamas — técnicas de respiração — como foco são as mais eficientes para esse objetivo, pois auxiliam no relaxamento das tensões corporais e na aquietação da mente, induzindo um estado de relaxamento no sistema nervoso. 

Qual o melhor horário  

Pedro Lima explica que algumas tradições defendem que o melhor horário para meditar é pela manhã, logo após acordar, ou uma hora antes de dormir. No entanto, ele frisa que o melhor horário é aquele que o indivíduo consegue definir respeitando a própria rotina

Como meditar deitado 

Pessoa deitada meditando
Legenda: Meditar na horizontal pode fazer com que o praticante caia no sono
Foto: Shutterstock

A posição na hora de praticar a técnica deve ser a que a pessoa se sente mais confortável, logo é possível meditar deitado, sentado, correndo, entre outro, segundo o professor, que explica que meditar na horizontal tem uma desvantagem: o praticante pode acabar dormindo durante a atividade, perdendo a concentração.  

Para meditar deitado, o especialista indica que o indivíduo busque manter as costas bem apoiadas, usando um travesseiro embaixo da cabeça, deixando-a levemente inclinada, além de deixar os joelhos flexionados, com os pés tocando a superfície. 

*Pedro Lima é professor de yoga e terapeuta corporal da Yoga Massagem Ayurvédica com formação no Brasil e na Índia. Desde 2014 estuda, prática e trabalha com essas técnicas que também são práticas de meditação. Atualmente atua nos espaços Armaiszen e Clara Luz Yoga. 


Assuntos Relacionados