Reféns, armamento pesado e tiroteio: ataque de Criciúma lembra tragédia de Milagres

O plano dos assaltantes em ambas as cidades era de usar reféns para conseguir entrar no banco. Somente em Criciúma o grupo conseguiu levar dinheiro. Diferente de Milagres, na cidade catarinense não houve mortes

Tiroteio em Milagres ocorreu no dia 7 de dezembro de 2018
Legenda: Tiroteio em Milagres ocorreu no dia 7 de dezembro de 2018
Foto: Arquivo DN

A ação de bandidos na madrugada desta terça-feira (1º), em Criciúma, em Santa Catarina, lembrou a tragédia de Milagres, onde 14 pessoas, entre reféns e assaltantes, morreram em dezembro de 2018, após uma ação sem sucesso da polícia do Ceará. Nos dois casos, moradores viveram uma madrugada de terror.   

Na cidade catarinense, uma quadrilha fortemente armada sitiou Criciúma para assaltar uma agência bancária. Durante a ação, os criminosos bloquearam ruas, incendiaram um túnel que dá acesso ao município, usaram reféns como escudo e atiraram várias vezes em via pública. A maneira de agir é conhecida pela Polícia como 'novo cangaço', fazendo referência ao terror causado pelos bandidos do passado, que agiam sob comando de Virgulino Ferreira da Silva, o 'Lampião', no interior do Nordeste.

'Não durmo mais à noite', diz PM envolvido na operação de Milagres que deixou 6 reféns mortos

Ataque a bancos teve planejamento no presídio de Juazeiro do Norte

Imagens recuperadas revelam intenção de PMs em destruir provas

Imagens mostram momento que reféns da 'Tragédia em Milagres' são alvejados por PMs

No entanto, diferentemente do crime do município cearense, em Criciúma, não houve mortes. Um Policial Militar e um vigilante ficaram feridos. Em ambas as ações, a quadrilha era formada entre 20 e 30 homens e utilizavam armamento pesado como fuzis.  Na cidade catarinense, o foco dos bandidos foi invadir e roubar dinheiro em apenas uma agência bancária. Em Milagres, os criminosos tentaram assaltar dois bancos. Nenhuma agência foi violada pelos criminosos no caso ocorrido no Ceará.

Legenda: A família feita refém vinha de Serra Talhada, em Pernambuco, e foi abordada pelos criminosos na rodovia BR-116
Foto: Foto: Edson Freitas

Uso de reféns 

Nos dois crimes, os bandidos tiveram um plano de utilizar reféns para concluir com êxito o assalto. Somente em Criciúma o planejamento deu certo. Os assaltantes usaram as vítmas para bloquear ruas e avenidas, dificultando o trabalho da polícia. Enquanto isso, o grupo realizou ataques simultâneos pela cidade.  

Em Milagres, a ideia não deu certo. Na tentativa de usar reféns primeiramente para entrar nas agências e depois para fugir ocasionou a morte de seis pessoas inocentes. Cinco de uma mesma família. Três adultos e duas crianças. Eles eram de Serra Talhada, Pernambuco. A outra vítima era moradora natural de Brejo Santo, na Região do Cariri.

Legenda: Reféns foram colocados sentados em uma faixa de pedestre para bloquear a rua.
Foto: Reprodução
 

Apreensão de armas e veículos 

Horas após o crime e com início das investigações da polícia, nos dois casos, foram pedidos reforços de cidades vizinhas, como também a apreensão de armamento e veículos utilizados pelos suspeitos.  

Em Milagres, agentes de segurança encontraram pistolas, espingardas, munições e explosivos. Três veículos envolvidos na ocorrência foram encontrados: um Chevrolet Celta e duas caminhonetes. 

Já em Criciúma, os criminosos também deixaram 30 quilos de explosivos para trás. Dez carros usados no assalto foram apreendidos em um milharal de uma propriedade privada em Nova Veneza, a noroeste de Criciúma.

LEIA AINDA:
'É muito difícil fazer um julgamento sobre a ação dos policiais', diz secretário André Costa
Família morta em tiroteio em Milagres seguia para Pernambuco para passar o Natal
"O fato é que estavam preparados para assaltar dois bancos e não conseguiram", diz Camilo
3º suspeito de ataque a banco em Milagres é preso em posto de gasolina

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre segurança