Bolsonaro reage a afastamento de Maurício Souza do Minas Tênis Clube: “Tudo é homofobia”

Jogador foi afastado por tempo indeterminado após postagem homofóbica nas redes sociais

Maurício Souza (à esquerda), Jair Bolsonaro (meio) e Eduardo Bolsonaro (à direita) no Palácio do Planalto.
Legenda: Apoiador do presidente Jair Bolsonaro (meio), o jogador Maurício Souza (à esquerda) já chegou a visitar o Palácio do Planalto. Na ocasião, ele também foi recebido pelo filho do presidente, o deputado Eduardo Bolsonaro (à direita).
Foto: Reprodução/Instagram

O presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) reagiu à decisão do Minas Tênis Clube de afastar Maurício Souza do time masculino de vôlei após postagem homofóbica do jogador. “Impressionante, né? Tudo é homofobia, tudo é feminismo”, disse Bolsonaro.  

O comentário debochado do chefe do Executivo Federal foi feito nesta quarta-feira (27) durante uma transmissão ao vivo em sua página no Facebook, pouco antes de ele conceder entrevista ao canal Jovem Pan News. Informações são do O Globo

Souza foi afastado do clube por tempo indeterminado nessa terça-feira (26) após publicar nas redes sociais comentários homofóbicos sobre anúncio da editora DC Comics mostrando que o novo Super-Homem se descobre bissexual nas próximas edições dos quadrinhos. “É só um desenho, não é nada demais. Vai nessa que vai ver onde vamos parar...”, escreveu o jogador. 

O comentário preconceituoso foi duramente criticado por outros atletas como Douglas Souza, que dividiu a quadra com Maurício nas Olimpíadas de Tóquio, e Carol Gattaz, que disputou o campeonato pela seleção feminina de vôlei. 

Reação dos patrocinadores 

A situação piorou para Maurício quando, na segunda-feira (25), patrocinadores do Minas, como a fabricante de automóveis Fiat e a produtora de aço Gerdau, cobraram “medidas cabíveis” do clube a respeito da postura do jogador. 

No mesmo dia, o Minas divulgou nota se autodeclarando “apartidário e apolítico” e preocupado com “a inclusão, diversidade e demais causas sociais”. Disse ainda que não compactua com “manifestações homofóbicas, racistas ou qualquer manifestação que fira a lei”. Assim como racismo, homofobia, no Brasil, é crime.

'Retratação'

Na noite dessa terça, pouco depois de ter sido afastado, Souza usou sua conta no Twitter, que tem somente 1,1 mil seguidores, para se retratar. "Após conversar com minha família, colegas de equipe e com a presidência do clube sobre as publicações feitas no meu perfil, venho a público pedir desculpas se minha opinião tenha ofendido ou machucado alguém ou alguma comunidade. Não foi minha intenção!", escreveu.

O jogador Douglas Souza, em sua própria conta, retrucou: "Todos os dias, todas as horas um dos nossos morre. E o que temos? Uma retratação".  

Relação com Bolsonaro 

Maurício é declaradamente apoiador do presidente Bolsonaro, que, inclusive, já foi condenado a pagar R$ 150 mil por declarações homofóbicas e racistas, segundo O Globo