Fogo no Pantanal ameaça área de concentração de onças-pintadas em MT

Dos quase 109 mil hectares do Parque Estadual Encontro das Águas, aproximadamente 51 mil hectares já foram atingidos pelas chamas

Legenda: De acordo com o Corpo de Bombeiros, seis aeronaves estão atuando na região para impedir uma maior devastação do Parque Estadual Encontro das Águas
Foto: Agência Brasil

As chamas que destroem o Pantanal mato-grossense no último mês já atingiram mais de 45% do Parque Estadual Encontro das Águas, região que concentra a maior quantidade de onças-pintadas no mundo, localizado entre os municípios de Poconé e Barão de Melgaço, ao sul de Cuiabá. 

Dos quase 109 mil hectares do parque criado em 2004, aproximadamente 51 mil hectares já foram atingidos pelas chamas.

A informação é do coordenador do Comitê Temporário Integrado Multiagências de Coordenação Operacional de MT (Ciman/MT), tenente-coronel bombeiro militar Dércio Santos da Silva.

"O estado não mede esforços para conter os incêndios e esta área especificamente colocamos como prioridade, diante da grande extensão das áreas do Pantanal. Após as equipes reportarem os incêndios no local, sobrevoamos a região, e definimos um conjunto de estratégias para ações no local, e de otimização dos recursos", afirma.

O Corpo de Bombeiros diz ter reforçado, desde a semana passada, as ações para conter o avanço das chamas dentro do parque. A maior preocupação é o controle do fogo, para evitar que avance na região leste do parque, que é o refúgio das onças-pintadas.

No mês passado, a Fazenda São Francisco do Perigara, considerada o maior refúgio mundial da arara-azul, perdeu ao menos 70% dos seus cerca de 25 mil hectares, quase todos de vegetação nativa.

A estratégia já definida prevê duas linhas de defesa, uma na região norte e outra a leste da unidade de conservação, combinadas com o combate direto em alguns locais.

O Corpo de Bombeiros também vem atuando para conter as chamas nas regiões de moradia, como pousadas e fazendas, e nas mais de 140 pontes da rodovia Transpantaneira presentes na região.

De acordo com a corporação, seis aeronaves estão atuando na região para impedir uma maior devastação do Parque Estadual Encontro das Águas.

Além disso, cerca de 140 pessoas - entre bombeiros militares de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, militares da Marinha e servidores da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, do ICMBio, do Ibama e funcionários do Sesc Pantanal - estão atuando diretamente no combate aos incêndios florestais nas proximidades do Sesc Porto Cercado, Parque Estadual Encontro das Águas e na região da Transpantaneira.

Aviões do ICMBio, do Sesc e uma aeronave Cougar UH-15 da Marinha têm lançado um volume de água de aproximadamente 30 mil litros nas frentes dos incêndios que avançam da porção sul do parque e nas proximidades de Porto Jofre, no município de Poconé (102 km de Cuiabá).

Zootecnista morre após ter o corpo todo queimado
O incêndio que devasta o Pantanal vitimou na madrugada desta quarta-feira (9), o zootecnista Luciano da Silva Beijo, após três dias internado em Cáceres (225 km a oeste de Cuiabá).

Ele teve todo o corpo queimado durante tentativa de apagar incêndio em uma área rural no último domingo (6), próximo à serra do Facão.

O zootecnista e outros dois funcionários da fazenda tentaram apagar o fogo que atingia a pastagem, mas foram surpreendidos pelo vento forte, que mudou a direção das chamas e as levou o lado dos trabalhadores.

Todos correram, mas Beijo tropeçou e ficou preso, sendo alcançado pelo fogo, que já havia atravessado a estrada. Ele foi socorrido pelos colegas e levado para atendimento médico no Hospital Regional de Cáceres, mas não resistiu.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil