Vendas do comércio cearense crescem quase 3% em fevereiro, diz IBGE

O segmento de tecidos, vestuário e calçados foi o que apresentou o melhor resultado no mês

Escrito por Redação,

Negócios
Legenda: Do total das 10 atividades pesquisadas, cinco apresentaram variação positiva.
Foto: Thiago Gadelha

O desempenho do comércio cearense melhorou em 2,9% em fevereiro na comparação com janeiro deste ano. A variação foi a terceira melhor do Nordeste, atrás somente do Rio Grande do Norte (3,2%) e Maranhão (4%).

Os dados são da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) divulgada nesta quarta-feira (13) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Na comparação com fevereiro de 2021, o aumento no volume de vendas foi um pouco mais discreto, de 1,2%.

Já no varejo ampliado, quando são incluídos os segmentos de veículos e material de construção, o Estado se manteve estável em relação a janeiro (0,2%) e cresceu 1,5% ante fevereiro do ano passado.

Apesar dos números positivos, as vendas acumuladas no ano e nos últimos 12 meses continuam negativas em 1,8% e 2,7%, respectivamente.

Quando olhamos para o varejo ampliado, os indicadores voltam a ficar verdes em 2,8% no primeiro bimestre de 2021 e em 8,3% no último ano encerrado em fevereiro.

Segmentos

O segmento de tecidos, vestuário e calçados foi o que apresentou o melhor resultado no mês, com um incremento de 22,5% nas vendas. Em seguida, também se destacam material de construção (9,9%) e outros artigos de uso pessoal e doméstico (6,2%).

Do total das 10 atividades pesquisadas, cinco apresentaram variação positiva.

Confira os resultados por segmento:

  1. Tecidos, vestuário e calçados 22,5%
  2. Material de construção 9,9%
  3. Outros artigos de uso pessoal e doméstico 6,2%
  4. Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação 5,3%
  5. Combustíveis e lubrificantes 2,6%
  6. Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios bebidas e fumo 0,4%
  7. Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos -0,1%
  8. Veículos, motocicletas, partes e peças -1,3%
  9. Livros, revistas e papelaria - 15,2%
  10. Móveis e eletrodomésticos -16,2%