Com home office e aulas remotas, venda de computadores dispara 50% no Ceará

Expectativa é que o movimento de alta continue em 2021

Legenda: Notebooks e desktops foram os destaques no segmento de eletroeletrônicos no ano
Foto: Shutterstock

O crescimento do home office e a adoção de aulas a distância provocaram uma escalada das vendas de notebooks e desktops ao longo de 2020. A expectativa é que esse movimento continue em 2021, já que muitas empresas anunciaram que irão manter parte dos empregados em trabalho remoto em caráter definitivo, assim como escolas e universidades ainda permanecem com aulas a distância.

Segundo Nelson Gurgel, diretor de marketing da Ibyte, varejista cearense especializada em tecnologia e produtos de informática, as vendas de computadores cresceram em torno de 50% em 2020 ante 2019.

“Passamos por um período de alta procura por notebooks e desktops devido ao vertiginoso crescimento do home office e das aulas a distância, que foram potencializados pelo advento do isolamento social em consequência da pandemia”, ele diz.

Mesmo com o forte crescimento de 2020, Gurgel acredita que a demanda permanecerá em alta ao longo deste ano, devido à renovação natural dos equipamentos com mais de cinco anos de uso.

Estoque garantido

Sobre a oferta de produtos para atender à demanda, o diretor de marketing da Ibyte diz que, hoje, a empresa tem capacidade de estoque. Ele ressalta, porém, que existem algumas incertezas no mercado e que "uma ruptura no fornecimento é uma possibilidade”.

Mercado nacional

Assim como ocorreu no mercado cearense, os computadores dominaram as vendas no segmento de eletroeletrônicos no Brasil em 2020. De acordo com dados da OLX, o item que registrou o maior crescimento na procura em 2020 foi o notebook, com 48% de alta ante 2019. Em seguida aparecem sofá, com alta de 38%, e fogão, com 30%.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios