Caixa destina mais R$ 43 bi para crédito imobiliário e cliente terá 6 meses para pagar parcela

Recursos ainda suspendem parcialmente financiamentos em curso e beneficiam também incorporadoras e construtoras

Legenda: Clientes ainda podem pedir a suspensão parcial ou total das prestações de contratos já vigentes.
Foto: Kid Júnior

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, anunciou que o banco disponibilizará mais R$ 43 bilhões para o segmento imobiliário. O acréscimo é uma das medidas para amenizar os impactos econômicos causados pela pandemia do novo coronavírus.

> Governo Federal libera saque de R$ 1.045 do FGTS por trabalhador a partir de 15 de junho

> Auxílio emergencial: Situação cadastral do CPF pode ser verificada pela internet

> Caixa lança site de cadastro para recebimento do Auxílio Emergencial

> População mais vulnerável não poderá sacar imediatamente auxílio de R$ 600

> Calendário de saques, inscrições e condições: veja o que já se sabe sobre o auxílio emergencial

> INSS libera envio de atestado de auxílio-doença e antecipa pagamento de R$ 1.045

Ao todo, o banco terá R$ 154 bilhões para a área imobiliária do banco. O recurso beneficiará pessoas físicas e jurídicas em todas as linhas de crédito, incluindo o Minha Casa, Minha Vida (MCMV).

Entre as possibilidades para as pessoas físicas, os clientes poderão financiar um imóvel novo com carência de pagamento de seis meses. Para os contratos já em curso, será possível pedir a suspensão total ou parcial das parcelas por até três meses.

Segundo Guimarães, 1,5 milhão de famílias serão beneficiadas com a postergação. Ele ressaltou que as pessoas que utilizam o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para pagamento de parte das parcels também poderão pedir a suspensão parcial ou total, assim como aquelas que já estavam inadimplentes há mais de 61 dias.

As medidas estarão disponíveis aos clientes já na segunda-feira (13) e podem ser acessadas através do aplicativo ou telefone. No caso da suspensão parcial das prestações, a postergação tem de ser solicitada exclusivamente pelo 0800 do banco.

Construtoras

As construtoras e incorporadoras também serão beneficiadas com as medidas. Segundo o vice-presidente de Habitação da Caixa, Jair Luis Mahl, as pequenas, médias e grandes construtoras poderão antecipar em até três meses o cronograma, garantindo uma maior liquidez e fluxo de caixa das empresas. As empresas que possuem contrato com o banco e tinham optado por não utilizar o financiamento disponibilizado a elas também poderão voltar atrás e usar o recurso.

Assim como para os clientes pessoa física, a Caixa vai disponibilizar a suspensão de pagamento parcial ou total de encargos por até três meses.

Para as empresas que lançarem novos empreendimentos, haverá carência de 180 dias para os custos relacionados ao lançamento, como legalização de terreno e contratação de empregados para iniciar as obras. Ainda será possível adiantar até 20% do financiamento para o início da construção do empreendimento.

A estimativa do presidente da Ciaxa é que as medias beneficiem 5,5 milhões de famílias e ajudem a manter 1,2 milhão de empregos na cosntrução civil. Guimarães ainda projeta que mais de 500 mil unidades habitacionais sejam construídas.

Confira todas as medidas anunciadas:

  • Ações para Pessoas Físicas:
  1. Implementada a pausa de 90 dias no financiamento habitacional, para clientes adimplentes ou com até 2 (duas) parcelas em atraso, incluindo os contratos em obra.
  2. Possibilidade dos clientes que utilizam a conta vinculada do FGTS para pagamento de parte da prestação, pausar a parcela não coberta pelo FGTS por 90 dias.
  3. Clientes adimplentes ou com até 2 (duas) parcelas em atraso poderão optar pelo pagamento parcial da prestação do financiamento, por 90 dias.
  4. Prazo de carência de 180 dias para contratos de financiamento de imóveis novos.
  5. Aos clientes que constroem com financiamento da CAIXA (construção individual) será permitida a liberação antecipada de até 2 (duas) parcelas, sem a vistoria.
  6. Renegociação de contratos com clientes em atraso entre 61 e 180 dias, permitindo pausa ou pagamento parcial das prestações.
  • Ações para Empresas: 
  1. Antecipação de até 20% dos recursos do Financiamento à Produção de empreendimentos para obras a iniciar.
  2. Antecipação da liberação dos recursos correspondentes a até 3 (três) meses, limitado a 10% do custo financiado, para obras em andamento e sem atrasos no cronograma.
  3. Liberação de recursos de financiamento à produção não utilizados pela empresa nos meses anteriores, limitado a 10% do custo financiado.
  4. Implementada a pausa no financiamento à produção de 90 dias, para clientes adimplentes ou com até 2 (duas) parcelas em atraso, incluindo os contratos em obra.
  5. Permitir o pagamento parcial da prestação do financiamento, por até 90 dias, para os clientes adimplentes ou com até 2 (duas) parcelas em atraso.
  6. Inclusão ou prorrogação de carência por até 180 dias, para os projetos com obras concluídas e em fase de amortização.
  7. Possibilidade de prorrogação do início das obras por até 180 dias.
  8. Admitir a reformulação do cronograma de obra, nos casos de contingências na execução por questões decorrentes da pandemia.

As novas medidas começam a valer a partir da próxima segunda-feira (13).

Atendimento aos clientes:

Com o objetivo de minimizar os riscos de contaminação e exposição dos clientes e empregados, a Caixa ampliou o prazo de vencimento de laudos e avaliações.

A Caixa recomenda a utilização dos canais digitais, como Internet Banking e App Habitação Caixa, além dos telefones 3004-1105 e 0800 726 0505, opção 7, ou através do número 0800 726 8068 para renegociação do seu contrato.