Mais de 1 milhão de doses de vacina contra a Covid-19 são aplicadas no Ceará

Após 72 dias da primeira vacina ser aplicada em solo cearense, o estado mantém uma média de mais de 14.400 mil doses aplicadas por dia

Ceará tem média de 13,8 mil doses de vacinas contra a Covid-19 aplicadas diariamente.
Legenda: Fortaleza já aplicou mais de 530 mil vacinas contra Covid-19
Foto: Camila Lima

Nesta terça-feira (30), o Ceará atingiu a marca de 1.041.224 doses aplicadas de vacina contra Covid-19. O feito ocorre 72 dias após a técnica de enfermagem Maria Silvana Souza Reis, de 51 anos, se tornar a primeira vacinada contra a Covid-19 no Estado - no dia 18 de janeiro. 

Um total de 817.598 receberam a primeira dose, enquanto 223.626 cearenses já foram imunizados com a segunda. De acordo com a Secretaria da Saúde do Estado do Ceará ( Sesa), 79,8% do quantitativo de doses distribuídas foram aplicadas e informadas. Até o momento, estão sendo vacinados profissionais de saúde e idosos com mais de 60 anos.

Doses aplicadas por grupo prioritário - D1:

  • Trabalhadores de saúde: 194.267
  • Idosos institucionalizados: 2.178
  • Indígenas: 18.827
  • Idosos 75 e +: 362.002
  • Idosos 70 a 74: 174.609
  • Deficientes institucionalizados: 408
  • Idosos 65 a 69: 62.535
  • Idosos 60 a 64: 1.370
  • Povos quilombolas: 1.402
  • Total: 817.598 (83,5% do quantitativo de doses distribuídas foram aplicadas/informadas) 

Doses aplicadas por grupo prioritário - D2:

  • Trabalhadores de saúde: 152.619
  • Idosos institucionalizados: 2.055
  • Indígenas: 17.057
  • Idosos 75 e +: 51.620
  • Deficientes institucionalizados: 275

Com uma média de mais de 14.400 mil vacinas aplicadas diariamente, o Estado continua na busca por adquirir mais doses e aumentar a velocidade de aplicação. Há apenas dois dias, a média era de 10,5 mil doses diárias. Onze lotes de imunizantes foram recebidos no Estado desde janeiro deste ano, somando quase 1,4 milhão de doses

Maria Silvana Souza Reis foi a primeira vacinada contra a Covid-19 no Ceará.
Legenda: Maria Silvana Souza Reis foi a primeira vacinada contra a Covid-19 no Ceará.
Foto: Helene Santos

O governador Camilo Santana comemorou a marca em suas redes sociais e disse  que tem "lutado para a aquisição de mais vacinas para o Ceará, tanto vindas do Governo Federal, quanto pela compra direta, como a que fizemos, de 5,87 milhões de doses da Sputinik V".  Magda Almeida, secretária-executiva de Vigilância e Regulação da Secretaria Estadual da Saúde, reforçou o trabalho dos profisisonais da saúde para que o processo de imunização ocorresse no menor tempo possível

"Hoje o Ceará chega à marca de mais de 1 milhão de doses de vacinas contra Covid-19 aplicadas. É um numero extremamente significativo pq é maior que o numero de casos confirmados de Covid no nosso Estado. Desde o dia 18 de janeiro deste ano, uma grande equipe de gestores e profisisonais da sáude têm se mobilizado para tornar a vacinação mais rápida possível.

A vacina que gera esperança

Logo após se tornar, no dia 18 de janeiro, a primeira cearense vacinada contra a Covid-19, Maria Silvana Souza Reis disse: "Não tenha medo de se vacinar de jeito nenhum". De lá para cá, a vacina se tornou sinônimo de esperança para quem já foi imunizado e para quem aguarda, ansioso, pela sua vez. 

A psicóloga Ilana Bandeira, de 24 anos, atua como residente em unidades do Sistema Único de Saúde no município de Iguatu. Ela recebeu a primeira dose da vacina no dia 10 de fevereiro, enquanto a segunda foi aplicada no dia 9 de março. 

"Para mim, é como uma dose de esperança. Eu confio na ciência e acredito que esse é o melhor caminho que a gente tem para vencer essa batalha", enfatizou. 

O desejo, segundo ela, é de que o imunizante "chegue o mais rápido possível para as pessoas". "A minha expectativa é que toda a população tenha esse acesso", afirma. 

A psicóloga Ilana Bandeira, que trabalha na rede pública de Iguatu, já recebeu as duas doses do imunizante contra a Covid-19.
Legenda: A psicóloga Ilana Bandeira, que trabalha na rede pública de Iguatu, já recebeu as duas doses do imunizante contra a Covid-19.
Foto: Arquivo pessoal

O aposentado Marcos Diógenes, de 67 anos, também espera que a imunização seja agendada para os próximos dias. Para ele, a expectativa pela vacina se mistura com a tristeza. "A gente fica alegre, mas pensativo porque muita gente morreu sem ter a oportunidade de se vacinar", pondera. 

Segundo dados do IntegraSUS, atualizado nesta segunda-feira (29) às 9h15, o Ceará registrou 13,6 mil óbitos por Covid-19. Desde o início da pandemia, foram registrados mais de 529 mil casos da doença no estado. 

"Mas agradeço a Deus pela minha esposa ter tido a oportunidade de se vacinar e por eu ter. Esperamos essa vacina há muito tempo", completa Marcos.

A aposentada Ângela Gurgel, também de 67 anos, está ansiosa para a sua vez

"Eu não estou vendo ninguém, não estou convivendo com os filhos nem com as netas. Estou doida para tomar as duas doses e poder matar a saudade", conta.

A irmã mais velha e a mãe dela já receberam a primeira dose do imunizante. Parte do grupo prioritário da segunda fase de vacinação no Ceará, Ângela releva que, nos últimos dias, passa "todo o tempo olhando o sistema" para verificar se o nome já apareceu entre os agendados. "Com a esperança de poder voltar a conviver", diz. 

Imunização de rebanho com a vacinação

Neste domingo (28), a Secretária Executiva de Vigilância e Regulação da Secretaria de Saúde do Estado, Magda Almeida, já havia celebrado a chegada iminente da marca de 1 milhão de vacinas aplicadas e reforçou a importância para atingir a imunidade de rebanho. 

"Isso é muito importante. Aí sim, a gente fala de imunidade de rebanho. Quando a gente tiver cerca de 70% das pessoas vacinadas, a gente vai estar protegendo e dificultando a infecção nos outros 30%. Esse é um marco muito importante", ressaltou
.

A secretária-executiva falou ainda que, em 138 municípios cearenses o número de pessoas vacinas ultrapassou os casos confirmados de Covid-19 naquela cidade. "A gente espera que nas próximas semanas a gente consiga ter mais agilidade na nossa imunização", aponta.

Apesar do aumento do número de doses aplicadas, o número representa apenas 10,8% do total da população cearense. "Ainda estamos distante de uma imunidade de rebanho", indica o epidemiologista e professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará, Luciano Pamplona. 

Segundo ele, ainda não há estabelecido um percentual da população vacinada ideal para garantir a imunidade de rebanho contra a Covid-19. Os pesquisadores tem usado, portanto, parâmetros de doenças respiratórias, como a Influenza - onde a meta de vacinação é de 95%.

 

Apesar disso, o epidemiologista aponta que a imunização entre profissionais de saúde e idosos já começa a impactar no quadro epidemiológico no Estado. "O melhor resultado que conseguimos ver é a mudança no perfil de internação e a diminuição da mortalidade nessa faixa etária", afirma.

 

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza