Enem: pode usar linguagem neutra na redação?

Professora explica que linguagem neutra ainda é considerada um desvio da norma padrão

Foto: Adobe Stock

El@, todes, menin@, alunx... se você não reconheceu essas palavras, tudo bem, não é o único. Estamos falando da linguagem neutra de gênero, uma forma de substituir palavras masculinas e femininas por elementos neutros. Seu uso é recente, difundiu-se entre usuários na internet, em meados de 2020, e é alvo de debates em escolas e até no congresso.

Com o objetivo de ser inclusiva, a linguagem neutra - também chamada de neo linguagem e linguagem binária - tem a intenção de acolher as pessoas que não se identificam ou não se sentem confortáveis com os pronomes masculinos e femininos existentes na gramática brasileira.

Pela proposta de uso, a linguagem neutra substitui os artigos  “o” e “a” nas palavras por “x”, “@” ou “e”. Assim, por exemplo, “todos” e “todas” ficam “todes”, “aluno” e “aluna” ficam “alunx”.

Desde a popularização do uso, pelo menos quatro projetos de lei para proibir a utilização da linguagem neutra nas escolas do país já foram apresentados ao Congresso Nacional. Por enquanto, continua formalmente obrigatório o uso da norma culta da Língua Portuguesa por instituições públicas e privadas de ensino e bancas examinadoras de concursos públicos no país.

Legenda: Professora Letícia Flores explica se pode usar linguagem neutra em redação
Foto: acervo pessoal

A professora de redação Letícia Flores explica que a Língua Portuguesa, assim como qualquer outra língua, é um código, e a linguagem neutra é um código que serve aos falantes no processo de comunicação. “Se a língua serve ao falante, ela vai evoluindo, se transformando de acordo com a necessidade das pessoas. Por isso, é natural que a linguagem neutra ganhe força”, afirma.

No contexto escolar, a professora de redação acredita que é questão de tempo para que professores passem a falar sobre a linguagem neutra nas salas de aula. “Na minha opinião, o caminho é esse. Os professores vão precisar de um didatismo para ficar claro para esses jovens, e até mesmo para os pais, que é dever do professor, em seu papel social, não só transmitir conteúdo, mas de apresentar e explicar a ocorrência da linguagem neutra na nossa língua. Agora, esse conteúdo não pode chegar na sala de aula de qualquer forma. Isso tem que ser planejado porque essa linguagem ainda é considerada um desvio da norma padrão”, salienta a profissional.

Linguagem neutra no Enem

De acordo com o Portal do Ministério da Educação (MEC), a correção da redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é feita com base em cinco competências: dominar a escrita formal da língua portuguesa; compreender o tema e não fugir do que é proposto; selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista; conhecer os mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação e respeitar os direitos humanos.

A professora Letícia Flores explica que a correção da redação do Enem está submetida à norma padrão da Língua Portuguesa. Nesse caso, a linguagem neutra ainda é vista como desvio de linguagem, um vício da norma padrão, e tratando-se de uma prova o aluno está submetido às normas padrões da língua.

“Pode ser que o aluno perca ponto por usar a linguagem neutra no Enem. A penalização de cada competência acontece de 40 em 40 pontos, então você vai de 0 a 200 para cada competência e vai somando de acordo com a qualidade textual em relação a essas competências. Na dúvida, é melhor não arriscar”, defende a professora.

Quero receber conteúdos exclusivos do EducaLab

Assuntos Relacionados