Como acompanhar o que seu filho acessa na internet; veja 4 dicas

As chamadas ferramentas de controle parental são alternativas para reforçar a segurança online de crianças e adolescentes

Ferramentas de controle parental permitem monitorar a navegação, bloquear sites e até limitar o tempo de uso do dispositivo pela criança
Legenda: Ferramentas de controle parental permitem monitorar a navegação, bloquear sites e até limitar o tempo de uso do dispositivo pela criança
Foto: Shutterstock

Cada vez mais presentes e habilidosos no mundo digital, crianças e adolescentes passaram a ter acesso facilitado a diversos conteúdos na internet, particularmente em tempos de adaptação escolar por causa da pandemia. Isso inclui temas considerados inapropriados e aqueles que os expõem a riscos como aliciamento, pedofilia, roubo de dados, etc.

Em outra ponta, pais e responsáveis podem recorrer a ferramentas de controle parental, que permitem gerenciar o que seus filhos acessam. A partir de alguns aplicativos (apps), por exemplo, é possível monitorar a navegação, bloquear sites, restringir conteúdos e até limitar o tempo de uso do aparelho.

> Como despertar o interesse da criança pelas aulas online; dicas para pais, professores e escolas

Sejam gratuitas, pagas, ou já embarcadas em serviços de acesso a conteúdo, como nos navegadores de internet, as ferramentas de controle parental disponíveis hoje conseguem, "de uma forma geral", cumprir a função para a qual se destinam. É o que avalia o diretor de Tecnologia da Universidade de Fortaleza, professor Eurico Vasconcelos.

"Essas ferramentas têm diferentes funções e capacidades. Depende muito do nível de controle que os pais querem ter. São possibilidades. A simples visibilidade do que é acessado por relatórios periódicos, o controle quanto ao acesso, à frequência e ao tempo de acesso. Se bem selecionadas, sim, é possível dar 'controle' de qualidade aos pais", diz.

Para o professor, no entanto, o ponto mais importante é que os pais, cuidadores e educadores tenham consciência sobre o "grande risco de permitir acesso irrestrito das crianças aos conteúdos hoje disponíveis principalmente na web".

"Essa rede tem revolucionado o mundo, tornando a produção e o consumo de informações e serviços acessíveis e dinâmicos. Carece apenas de cuidados na interação com esse universo digital. Se para adultos é um espaço arriscado, com fraudes, manipulação, informações incorretas, estelionato, para crianças então é muito mais arriscado sem os devidos cuidados".

Se para adultos a internet é um espaço arriscado, com fraudes, manipulação, informações incorretas, estelionato, para crianças é muito mais, diz especialista
Legenda: Se para adultos a internet é um espaço arriscado, com fraudes, manipulação, informações incorretas, estelionato, para crianças é muito mais, diz especialista
Foto: Shutterstock.

Para ajudar os adultos na complexa missão, o EducaLab listou, com a ajuda do especialista, diferentes plataformas e dispositivos a partir dos quais é possível monitorar o que seu filho acessa.

1 - Smart TVs

Embarcam em suas configurações ferramentas de controle parental. Basta configurar adequadamente e gerenciar por senha;

2 - Smartphones e tablets

Dispõem de vários aplicativos em suas lojas. Há opções gratuitas como o Google Family Link - para Android e iPhone (iOS) - que permite bloquear apps, limitar o tempo de uso do aparelho ou até mesmo localizar geograficamente a criança a partir do dispositivo. Outra opção de app com recursos semelhantes é o Qustodio Controle Parental, cuja versão completa é paga. A partir do app, o usuário pode visualizar as chamadas e textos, ler mensagens SMS e definir uma lista de contatos bloqueados. Os dois aplicativos disponibilizam relatórios detalhados sobre a atividade das crianças/adolescentes;  

3 - Computadores desktop e notebooks

Também contam com ferramentas para os mesmos fins. O Qustodio, por exemplo, já atua em perspectiva multiplataforma e pode ser utilizado com a mesma conta no computador e em dispositivos móveis (smartphones e tablets). O K9 Web Protection também é uma opção de monitoramento do tipo; 

4 - Videogames com compra online

Também precisam de monitoramento e definição de perfil de uso para evitar que a criança baixe jogos fora de seu perfil etário. Esse serviço já vem embargado nas configurações.

Legenda: Mais presentes no mundo digital, as crianças também passaram a ter acesso a vários tipos de conteúdos na internet, inclusive àqueles considerados inapropriados
Foto: Shutterstock

Manter a clareza para não perder a confiança

Ao contrário dos sistemas espiões, que registram todas as atividades do usuário sem o conhecimento deste, as ferramentas de controle parental têm suas operações explícitas para o monitorado em boa parte das vezes. 

Ainda assim, o uso de ferramentas com o intuito de restringir conteúdos acessados por crianças e adolescentes pode gerar uma perda de confiança na relação entre pais e filhos. 

Ao invés de um gesto de cuidado, o mecanismo pode dar margem a interpretações como invasão de privacidade ou censura.

Por isso, é importante que os adultos dialoguem com a criança ou adolescente, deixando claro os objetivos do controle parental.

"Caso essas ferramentas sejam utilizadas sem o conhecimento da criança, o processo de descoberta apresenta grande risco de perda de confiança, podendo gerar prejuízos posteriores em relação à confiança da criança em outras pessoas", aponta a psicóloga e especialista em Neuropsicodiagnóstico, Laís Policarpo B. Wattes.  

Para casos em que a relação de confiança entre pais e filhos já esteja fragilizada, o ideal é recorrer a profissionais da área da Psicologia.
Legenda: Para casos em que a relação de confiança entre pais e filhos já esteja fragilizada, o ideal é recorrer a profissionais da área da Psicologia
Foto: Shutterstock

 
Segundo ela, conversas abertas e sem julgamento podem fornecer informações mais importantes aos pais do que um aplicativo. E ainda permitem que a criança ou adolescente sinta confiança para recorrer aos pais diante de qualquer problema, seja no mundo virtual ou real.

Para casos em que a relação de confiança entre pais e filhos já esteja fragilizada, o ideal é recorrer a profissionais da área da Psicologia. 

"Esse profissionais não apenas poderão auxiliar a criança no enfrentamento de situações das quais ela não esteja confortável em tratar com seus pais, como também poderá atuar na reestruturação das relações de confiança", afirma a psicóloga.

 

Você tem interesse em receber mais conteúdo do EducaLab?

Assuntos Relacionados