Único sobrevivente de ataque a creche em Saudades (SC), bebê de 1 ano e 8 meses tem alta hospitalar

O garoto chegou a ser internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) com perfuração no pulmão, mas resistiu aos ferimentos

vítima sobrevivente da chacina em Saudades
Legenda: único sobrevivente do atentado deixou o Hospital da Criança no Dia das Mães
Foto: Alcebíades Santos/HC

O bebê de um ano e oito meses que sofreu ferimentos e foi o único sobrevivente no ataque à creche de Saudades, em Santa Catarina, recebeu alta médica nesse domingo (9). Ele estava internado no Hospital da Criança de Chapecó (HC) desde a última terça-feira (4), quando um homem de 18 anos invadiu a Escola Municipal Infantil Pró-Infância Aquarela e desferiu golpes de facão em professoras e alunos.

Com ferimentos na bochecha, lábios, barriga e uma perfuração em um pulmão, o garoto precisou ser transferido de helicóptero no mesmo dia para o Hospital Regional do Oeste, em Chapecó. Na quarta-feira (5), recebeu alta do leito de terapia de intensiva e foi remanejado para uma enfermaria.

Após estabilidade no quadro de saúde, a criança foi transferida novamente, desta vez para o HC, na mesma cidade. "Ele não chorava, não tinha reação nenhuma, estava pálido, assustado. Mas a boca dele borbulhava, só depois fui saber que era porque o pulmão dele tinha sido perfurado", disse a professora Aline Biazebetti, 27, que socorreu a criança da escola ao pronto-socorro.

A mãe do garoto, Adriana Martins, agradeceu em uma rede social pela recuperação de seu filho e disse que ele teve um "segundo nascimento".

"Dia das mães. Dia mais feliz da minha vida. [...] Foi um milagre, Deus o protegeu, me devolveu com vida, hoje tenho em meus braços o presente que dinheiro nenhum pode pagar. A palavra é gratidão hoje e sempre é agradecer, agradecer e agradecer a Deus e a todos que não mediram esforços para salvá-lo. Agradecer pelas orações, as palavras de conforto, que Deus abençoe a cada um e console a todas as famílias. Feliz dia das Mães com todo amor e carinho", escreveu a mãe.

Violência em série

A Escola Municipal Infantil Pró-Infância Aquarela atendia crianças na faixa etária do chamado berçário, de 0 a 3 anos. Pelo plano de contingência do município, durante a pandemia do novo coronavírus, havia cerca de 50% do público normal no local.

Conforme a Secretaria da Segurança Pública de Santa Catarina, Fabiano Kipper Mai, 18, autor da chacina, ctentou suicídio após o ataque, mas foi interrompido pelos policiais. O homem foi levado ao Hospital Regional do Oeste, passou por uma cirurgia e não corre risco de morte. 

Durante o ato criminoso, ele tentou entrar em outros locais da escola, mas as professoras trancaram as salas com as crianças dentro e o impediram. Quando foi capturado, desferiu golpes contra ele mesmo. 

O Instituto Geral de Perícias (IGP) afirmou, em coletiva de imprensa, que o adolescente entrou com duas facas na escola, mas só usou uma. Todas as vítimas receberam pelo menos cinco golpes. 

Vítimas

Além da professora Keli Adriane Aniecevski, 30, e da agente educativa Mirla Amanda Renner Costa, 20, três crianças não resistiram aos ferimentos: Sarah Luiza Mahle Sehn, de 1 ano e 7 meses; Murilo Massing, de 1 ano e 9 meses; e Anna Bela Fernandes de Barros, de 1 ano e 8 meses.

A defesa de Kipper Mai pediu à Justiça um exame para avaliar sua sanidade mental. Se for constatado que o homem estava consciente no momento do crime, ele será julgado pelo Tribunal do Júri.

No entanto, caso o exame aponte que ele não pode responder por seus atos, em vez de uma condenação penal pode ser aplicada uma medida de segurança, com internação para tratamento.









 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil