Justiça derruba autorizações para importação privada de vacinas sem doação ao SUS

O magistrado aceitou recurso protocolado pela União e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)

Profissional manuseia frasco de vacina
Legenda: TRF1 aceitou recurso da União e da Anvisa
Foto: Natalia KOLESNIKOVA / AFP

O presidente do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), desembargador Ítalo Fioravante Sabo Mendes, decidiu nesta quarta-feira (7) suspender as decisões judiciais que autorizaram entidades particulares a importar vacinas contra a Covid-19 e não doá-las para o Sistema Único de Saúde (SUS).

Ao decidir a questão, o desembargador entendeu que o Judiciário não pode interferir na política pública realizada pelo Poder Executivo. O magistrado aceitou recurso protocolado pela União e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). 

“Não se apresenta, assim, com a licença de posicionamento diverso, como juridicamente admissível ao Poder Judiciário que, como regra geral, ao exercitar o controle jurisdicional das políticas públicas, possa interferir, decisivamente, na sua formulação, execução e/ou gestão, quando inexistentes seguros elementos de convicção aptos a configurar a ilegalidade ou inconstitucionalidade na atuação do Poder Executivo", argumentou. 

De acordo com o Artigo 2º da Lei 14.125/21, pessoas jurídicas de direito privado podem comprar vacinas que tenham obtido liberação emergencial pela Anvisa, mas são obrigadas a doar os imunizantes para o SUS.

Decisões anteriores

As decisões anteriores que liberavam a compra direta sem obrigatoriedade de doação ao SUS foram proferidas pelo juiz Rolando Valcir Spanholo, da 21ª Vara Federal de Brasília, a partir de pedidos de sindicatos e outras entidades. 

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil