Juiz que mandou prender Milton Ribeiro recebe ameaças e aciona Polícia Federal

Justiça Federal do DF disse que pedidos de investigação já foram encaminhados para a PF

Milton Ribeiro
Legenda: Juiz que mandou prender Milton Ribeiro recebe ameaças
Foto: Valter Campanato / Agência Brasil

O juiz Renato Borelli, da 15ª Vara Federal Criminal do Distrito Federal, recebeu 'centenas de ameaças' de apoiadores do ex-ministro da Educação, Milton Ribeiro, contra quem o magistrado expediu ordem de prisão preventiva na investigação sobre o 'gabinete paralelo' instalado no MEC com favorecimento de pastores na distribuição de verbas. Segundo a Justiça Federal do DF, pedidos de investigação já foram encaminhados para a Polícia Federal (PF). O órgão não detalhou de que modo se deram as ameaças.

A PF executou o mandado de prisão preventiva contra Ribeiro, aliado do presidente Jair Bolsonaro (PL), nesta quarta-feira (22), no âmbito da Operação Acesso Pago. Dentro da mesma ofensiva, Borelli também decretou a prisão dos pastores Gilmar Santos e Arilton Moura, que tem acesso privilegiado ao governo Bolsonaro, sem ocuparem cargos na máquina pública, e estão no centro do esquema sob investigação sobre o 'gabinete paralelo' no MEC na gestão de Ribeiro.

Desde a prisão do ex-ministro, bolsonaristas recuperam uma decisão do juiz da 15ª Vara Federal Criminal do Distrito Federal, dada em junho de 2020, para tentar minimizar a decisão sobre Ribeiro. Na ocasião, Borelli determinou que Bolsonaro fosse obrigado a usar máscara nos espaços públicos de Brasília - decisão que acabou derrubada pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região dois dias depois.

Apoiadores alegam motivação ideológica

Aliados do presidente insinuam que o juiz teria alguma motivação ideológica para perseguir o chefe do Executivo, mas o histórico de decisões de Borelli não atesta essa tese. O magistrado tem em sua carreira uma lista de despachos contrários a políticos de diferentes partidos, como PT e MDB.

O nome do juiz foi compartilhado pelos perfis do deputado Eduardo Bolsonaro (União Brasil-SP) e do senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), e o ex-secretário de incentivo à Cultura André Porciuncula classificou o caso como "ativismo judicial". "Sim, o juiz que sentenciou o presidente a usar máscara é o mesmo que mandou prender o ex-ministro Milton", publicou Eduardo Bolsonaro.

Além de juiz federal, Borelli é palestrante e professor de Direito Administrativo em um curso preparatório para concursos. Ele dedica suas redes sociais a promover o curso, chamado Gran Jurídico, mas desde ontem tem recebido comentários como "comunista ativista" e "juiz esquerdista".

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil

Assuntos Relacionados