Homem suspeito de desaparecer com filhas já era investigado por crime contra a ex-mulher

O pai e as duas crianças ainda não foram localizadas pelas forças de segurança do Ceará

Fachada delegacia jijoca de jericoacoara
Legenda: Polícia Civil de Jijoca de Jericoacoara investiga desaparecimento
Foto: Reprodução/SSPDS

O homem que desapareceu com as duas filhas no último fim de semana em Jijoca de Jericoacoara continua sendo procurado pelas forças de segurança do Ceará. Nesta quarta-feira (5), o delegado do município, Julio César, informou que a mãe das crianças já possui medida protetiva contra Pedro Alan Barros da Silva, mas que o direito a visitas havia sido mantido.

"O Pedro era investigado por um crime anterior, existia até uma medida protetiva em seu desfavor com relação à mãe das meninas. Porém, ele tinha o direito de visitas, e se aproveitou dessa situação", disse o delegado. 

Após decisão judicial na segunda-feira (3), a  Polícia Civil cumpriu mandado de buscas e apreensão no imóvel do suspeito, mas ao chegar, não havia mais ninguém. Os elementos encontrados na residência estão sendo usados na apuração do caso.

“De imediato, eu já representei por buscas no imóvel dele, foi deferida judicialmente, cumprimos, mas eles já tinham ido embora. Constatamos que eles tinham levado roupas, vários pertences do imóvel, encontramos alguns elementos informativos que estão auxiliando nas investigações", afirmou Julio César.

Ainda conforme o delegado, o caso ainda está sendo aprofundado com "apoio de outras equipes", o que obriga a preservação de "maiores detalhes até para garantir um êxito". A Delegacia de Jijoca também pode ser acionada. 

"Qualquer informação que a população tiver e puder nos auxiliar, pode entrar em contato com a delegacia de Jijoca. Continuamos nessas buscas para devolver as meninas para a mãe quanto antes, o mais breve possível e com segurança. 

Relacionamento abusivo

Em relato enviado ao Sistema Verdes Mares, a mãe das crianças, Caroline Gadelha, informou que viveu um relacionamento abusivo de quase cinco anos com o ex-companheiro e que ele havia ameaçado levar as filhas.

"Eu passei o último ano desse relacionamento tentando se separar e com medo, porque ele tinha prometido que ia roubar as meninas, ia sumir com elas. Eu estou desperada por ajuda", lamentou.

Caroline revelou ainda que chegou a ser torturada enquanto esteve mantida em cárcere privado pelo pai biológico das filha. "Esse homem me trancou em um quarto, me amarrou, colocou um enforcador no meu pescoço, ele estava armado. É difícil falar sobre isso".

Antes de ser violentada, Caroline disse que Pedro colocou músicas e fez uma oração. Após o rito, sofreu golpes em várias partes do corpo.

"Ele planejou tudo, ele colocou umas músicas que ele já tinha escolhido para fazer isso comigo, fez uma oração antes disso tudo, minhas filhas dormiam no quarto ao lado. Ele me bateu, eu saí com dente quebrado, com dedo do pé quebrado, meu olho muito inchado, minha boca muito inchada, passei duas semanas após isso sem conseguir comer direito, ele me esmurrou, me estrangulou, não sei como consegui sair viva".

Relembre o caso

As crianças foram deixadas na casa do pai na última sexta-feira (30), às 18h, e deveriam ter retornado no domingo (2), o que não aconteceu. O padrasto foi buscá-las às 19h, mas as luzes do imóvel estavam apagadas.

"O telefone estava desligado, WhatsApp não via desde sexta-feira. Ninguém da família, das pessoas que eu entrei em contato, sabe dele. Os vizinhos não veem ele desde sexta e ninguém sabe notícias dele. Nada", relata a mãe. 

Ainda no domingo, Caroline e o atual companheiro registraram Boletim de Ocorrência (BO), e desde então, aguardam retorno da Polícia Civil.

 


















 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre segurança