Solidariedade retira apoio a Capitão Wagner para se juntar ao palanque do PT no Ceará

No mês passado, o presidente nacional da legenda tinha firmado apoio ao candidato do União Brasil

Escrito por Alessandra Castro, alessandra.castro@svm.com.br

PontoPoder
fotografia
Legenda: Agora, Camilo e Elmano detêm cinco agremiações no rol de aliados
Foto: Kid Júnior

O Solidariedade Ceará abandonou, nesta segunda-feira (1º), a aliança com Capitão Wagner (União) para a disputa pelo Governo do Estado e anunciou que vai apoiar a candidatura do deputado Elmano de Freitas (PT) para o Executivo e do ex-governador Camilo Santana (PT) ao Senado.

O partido vinha sendo cortejado por Camilo e acabou deixando o grupo de Wagner, com quem o presidente nacional da legenda, Paulinho da Força (SP), tinha oficializado acordo no mês passado.

Nacionalmente, o Solidariedade irá apoiar a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), mas tinha adotado postura diferente para as eleições majoritárias em alguns estados - o Ceará é era um deles. Todavia, o acordo com Wagner foi desfeito e, agora, o partido fará palanque para Elmano, Camilo e Lula na terra da luz.

Em nota, o partido alega que surgiu "uma composição alinhada com os princípios que norteiam nosso partido: o combate às desigualdades, à pobreza e à miséria e de luta por políticas públicas que promovam a dignidade humana". 

"O Solidariedade (CE) a partir de hoje se engaja de corpo e alma na luta com Lula, Camilo e Elmano para garantir nosso Estado do Ceará no rumo certo", acrescenta o texto assinado pelo presidente do Solidariedade Ceará e secretário-geral nacional da legenda, Luiz Antônio Adriano Silva.

Com o aval do partido, o prefeito de Novo Oriente, Nenen Coelho (SD), foi um dos correligionários que aproveitou para se manifestar em prol das postulações dos petistas.

"Elmano, Novo Oriente vai estar com você e acredite: nós contamos muito com o seu futuro governo. Estou 100% fechado com Elmano e com Camilo", disse em vídeo publicado no Instagram nesta segunda.

Agora, o PT detém cinco agremiações no rol de aliados – MDB, PP, SD, PV e PCdoB, estes dois últimos federados ao Partido dos Trabalhadores.

Já a candidatura de Capitão Wagner (União) conta com apoio de PL, Avante e Pros.

A campanha do candidato do PDT, Roberto Cláudio, por sua vez, teve um aumento na composição de sua coligação nesta segunda, após o senador Tasso Jereissati (PSDB) anunciar que seu partido e o Cidadania estariam com o ex-prefeito no pleito. Com isso, Roberto soma, além do PDT, as legendas PSD, PSB, PSDB e Cidadania favoráveis ao seu nome.