Ciro Gomes denuncia Inspetor Alberto por crimes contra honra após publicação de vídeo

Em publicação, o vereador de Fortaleza compara Lula e Ciro, e diz que "um gosta de cachaça e outro de farinha"

Escrito por Felipe Azevedo, felipe.azevedo@svm.com.br

PontoPoder
Montagem de Ciro Gomes com Inspetor Alberto
Legenda: Ciro Gomes alega que o vereador de Fortaleza atentou contra sua honra e dignidade
Foto: Agência Brasil/Reprodução Facebook

O pré-candidato a Presidente da República Ciro Gomes (PDT) abriu uma queixa-crime contra o vereador de Fortaleza Inspetor Alberto (PL) após o parlamentar, em seu perfil nas redes sociais no último dia 13 de maio, publicar um vídeo em que sugere que o ex-ministro é usuário de drogas. O pedetista alega que o conteúdo atenta contra sua honra e dignidade. 

Na publicação, o Inspetor Alberto, ao exibir um saco com uma substância branca e uma garrafa de bebida alcoólica pergunta: "tem alguma diferença entre Lula (PT) e Ciro Gomes?", e responde na sequência que "Lula gosta de cachaça e Ciro Gomes gosta de farinha". 

A denúncia

Para a defesa do pedetista, "apesar de não ter verbalizado de forma explícita que a 'farinha' é uma alusão à cocaína, o tom jocoso coadunado ao conjunto da obra, que quer demonstrar que Ciro e o outro pré-candidato utilizam substâncias capazes de alterar os estados físicos". 

Os advogados ainda chamam atenção para o fato de a página do vereador ter 89,7 mil seguidores. "No que evidencia o potencial danoso da imputação difundida", argumentaram. 

"Não se pode permitir que, sob as vestes da liberdade de manifestação, se promovam acintes à honra e à dignidade das pessoas, com a veiculação de fatos sabidamente inverídicos", diz o texto. 

Os advogados de Ciro, ao pedirem que a Justiça enquadre o parlamentar nos crimes contra honra, reforça ainda, ao final do documento protocolado, que "a publicação assume contornos extremados, na medida em que aduz, em um contexto de intensa polarização, que o Senhor Ciro Ferreira Gomes direciona condutas para fins de fazer uso de substâncias ilícitas". 

Procurado, o Inspetor Alberto não respondeu às mensagens até a publicação da matéria. A assessoria do parlamentar também foi acionada.