Ibama determina a volta de agentes às atividades de combate a incêndio

Ações foram paralisadas após Ibama alegar falta de recursos financeiros

foto
Legenda: Atividades de combate a incêndios do Ibama serão retomadas após paralisação
Foto: Mauro Pimentel / AFP

O Ibama determinou o retorno às atividades dos 1.400 agentes de combate a incêndio. As ações em todo o País tinham sido paralisadas à meia-noite da quarta-feira (21), por ordem da chefia do órgão e do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, por causa de atrasos em pagamentos a fornecedores e prestadores de serviços.

> Povo mais antigo do Pantanal perde 83% do território em incêndio

> Focos de incêndios se multiplicam na Amazônia, apesar de ofensiva

> Equipe cearense leva pele de tilápia para tratamento de animais feridos em queimadas no Pantanal

Como revelou o Estadão na sexta-feira (2), o ministro da Economia, Paulo Guedes, teve uma reunião a portas fechadas com Ricardo Salles, o secretário do Tesouro Nacional, Bruno Funchal, e o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues.

Foram quase duas horas de conversa sobre o assunto. Após a reunião, no fim da noite, Guedes entrou em contato com Salles e prometeu dar uma solução ao imbróglio financeiro ainda nesta sexta-feira.

O compromisso é de liberar uma parcela de R$ 60 milhões para o Ministério do Meio Ambiente (MMA), de um total de R$ 134 milhões que foram retidos pelo Ministério da Economia.

Na noite de quarta-feira, 21, Salles e o Ibama ordenaram a paralisação imediata do trabalho de 1.400 agentes de combate a incêndios que estavam em campo, por causa da falta de recursos e dívidas acumuladas.

O gesto, que pegou o governo de surpresa, foi uma resposta às negativas que o MMA vinha recebendo desde agosto, em relação aos pedidos de recomposição do teto orçamentário que tinha no início do ano.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil