Em 1º dia de vigor, passaporte da vacina no Ceará tem dificuldade de aplicação e falta de informação

A medida é vista como necessária por parte dos donos de estabelecimentos e do público, mas a avaliação é de que ainda precisa de tempo para adaptação

Escrito por Carolina Mesquita/Thatiany Nascimento, metro@svm.com.br

Metro
Praia do Futuro, em Fortaleza
Legenda: Praia do Futuro, em Fortaleza, no feriado de 15 de novembro
Foto: Thiago Gadelha

No primeiro dia de vigor do passaporte de vacina da Covid-19 para ingresso em estabelecimentos com circulação de pessoas no Ceará, proprietários relatam dificuldade para aplicação da exigência e falta de informação entre os frequentadores.

A avaliação de pessoas ouvidas pelo Diário do Nordeste, neste feriado (15), em alguns locais de Fortaleza, é de que a medida é necessária, mas o público ainda carece de tempo para se cadastrar e assegurar o documento. Além disso, alguns locais precisam adaptar as estruturas de entrada, por exemplo, para assegurar o devido controle. 

Na Praia do Futuro, a movimentação registrada é alta na manhã deste feriado. No local, as opiniões se dividem quanto à obrigatoriedade. Entre os proprietários das barracas há um certo consenso em relação ao efeito do passaporte, de garantir mais segurança aos frequentadores. Contudo, neste primeiro dia, eles relatam problemas para aplicar a norma. 

comprovante de vacina
Legenda: Na Praia do Futuro, donos de barracas indicam que ainda falta informação entre os frequentadores sobre a obrigatoriedade
Foto: Thiago Gadelha

O dono da barraca Chico do Caranguejo, Francisco Lourenço, avalia que houve pouco tempo para adaptação. A exigência foi cogitada publicamente pelo Governo do Estado na segunda-feira (8), mas foi anunciada oficialmente na última sexta-feira (12), passando a valer a partir desta segunda (15). 

“Nos primeiros dias muita gente vai ficar surpresa. Mas, depois, eu acredito que vão voltar poucas pessoas. No próximo fim de semana, já está todo mundo sabendo”, diz Francisco. De acordo com ele, outra vantagem é que, os turistas, em geral, “já estão andando com esse comprovante”. 
Francisco Lourenço
Dono da barraca Chico do Caranguejo

Na barraca, conforme Francisco, a exigência foi estendida aos funcionários. “A partir de amanhã, são 179 funcionários, só entram se tiverem o comprovante”. 

O gerente da barraca Itapariká, Wellington Machado, reitera a avaliação e acrescenta que uma das questões é o fato dos estabelecimentos do tipo terem, geralmente, muitas entradas.

“Toda vez que o cliente chega, nós estamos pedindo. Para as barracas de praia é um pouco mais complicado porque geralmente temos muitas entradas. E o cliente que entra, tem que fazer o cadastro e às vezes o cliente não quer fazer”.
Wellington Machado
Gerente da Barraca Itapariká

De acordo com ele, como inúmeros clientes não estavam sabendo da exigência, os próprios funcionários, nesse primeiro dia, estão ajudando as pessoas a se cadastrarem para obterem o comprovante de vacinação. 

“Achamos necessário e estamos fazendo de tudo para nos habituarmos com essa nova realidade. Mais alguns dias para os clientes irem se adaptando, e em todos os bares e restaurantes que eles chegarem vão estar com o cadastro feito e vai ser mais fácil”, opina.

Situação atípica

O proprietário da barraca Terra do Sol, Ivan Assunção, ressalta a dificuldade do controle nesse tipo de estabelecimento por ser um local aberto e com diversas possibilidades de entrada.

Outro agravante seria o início da vigência do passaporte em um feriadão, data que costuma ter fluxo intenso de clientes.

Segundo Ivan, o estabelecimento está com um funcionário verificando os comprovantes de vacina, mas admite que "neste primeiro momento, talvez o protocolo não esteja sendo seguido da forma como deveria" por essa particularidade das barracas.

"Algumas barracas têm uma entrada na frente e na faixa de areia é toda aberta. Eu não tenho entrada nenhuma, é tudo aberto. E mesmo naquelas que possuem um entrada definida, quem não quiser mostrar o comprovante vai entrar pela faixa de areia"
Ivan Assunção
Proprietário da Terra do Sol

Ele revela que a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no Ceará (Abrasel-CE) irá enviar protocolo ao Governo do Estado para que as barracas saiam da lista de estabelecimentos onde o comprovante é obrigatório.

A sinalização é que o assunto já teria chegado ao governador Camilo Santana e seria avaliado.

"O setor entende a importância do passaporte, desse incentivo à vacinação, mas tem que ser analisado a operacionalização caso a caso. Além disso, precisa de um trabalho de conscientização da população, porque a maioria das pessoas não anda com o comprovante e não sabe como emitir o virtual", ressalta.

Legenda: Na barraca Itapariká, a exigência do comprovante está sendo realizada pelos garçons nas próprias mesas.
Foto: Thiago Gadelha

Passaporte é visto como segurança 

Uma das frequentadoras da Praia do Futuro neste feriado, a enfermeira Aline Morel avalia ser “excelente a iniciativa”. De acordo com ela, “é uma segurança para o ambiente que está frequentando”. 

O turista de Teresina, publicitário Samuel Soares, também destaca que o vigor do passaporte é uma medida relevante para “manter o turismo em uma  cidade como Fortaleza”. Ele explica que já tinha o documento porque já havia participado de uma festa de casamento que tinha exigência do comprovante. 

Barraca de praia em Fortaleza
Foto: Thiago Gadelha

A aposentada Celina Barbosa, moradora de Fortaleza, relata que já tomou três doses. “Meu esposo também. Meu filho tomou duas doses. Todo mundo 100% vacinado. Minha irmã viu ontem que ia ser obrigatório e me mandou. Tirei um print e deixei no meu celular”, acrescenta.

Para Celina, o passaporte é “ótimo, porque dá mais segurança”, contudo pondera que não sabe como será o cumprimento, pois, segundo ela, no estabelecimento que estava ninguém havia exigido a apresentação do comprovante. 

O passaporte de vacina é uma medida adotada em diversos outros lugares do Brasil e do mundo. No Ceará, a expectativa é que ele seja a principal ferramenta de controle e prevenção do Governo para garantir as festas de fim de ano. O uso de máscara no Estado segue obrigatório.  

Como comprovar que está vacinado?

Nas cidades nas quais o passaporte de vacinação foi adotado, em geral, as gestões usam, além do cartão de vacinação físico emitido no ato da aplicação, algum aplicativo para que seja produzido o comprovante digital. 

No Ceará, além do cartão impresso, é possível, segundo a Secretaria Estadual da Saúde (Sesa), confirmar que está vacinado no sistema Conecte SUS do Ministério da Saúde.

Em Fortaleza, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) indica que a população pode emitir o comprovante da vacina no VacineJá e no App Mais Saúde Fortaleza (disponível para android e IOS).   

Passo a passo para Cartão Digital de Vacinação Covid-19 em Fortaleza

  1. Acesse o site https://vacineja.sepog.fortaleza.ce.gov.br/ 
  2. Clique na opção "Consultar Cadastro”, no canto superior esquerdo
  3. Identifique-se preenchendo: CPF , data de nascimento e confirmação de segurança
  4. Clique em consultar
  5. Na parte inferior da tela clique em: Gerar comprovante de Vacinação
  6. Preencha os dados solicitados: Nome da mãe e confirmação de segurança
  7. Clique em consultar.