Aulas presenciais devem ser retomadas em instituições federais a partir de janeiro, determina MEC

A medida vale para a instituições de ensino superior, que devem seguir um protocolo de biossegurança para prevenção da Covid-19

Portaria do Ministério da Educação (MEC) determina que instituições federais de ensino superior voltem às aulas presenciais, a partir de 4 de janeiro de 2021
Legenda: Portaria do Ministério da Educação (MEC) determina que instituições federais de ensino superior voltem às aulas presenciais, a partir de 4 de janeiro de 2021
Foto: Natinho Rodrigues

O Ministério da Educação (MEC) determinou, nesta quarta-feira (2), que instituições federais de ensino superior voltem às aulas presenciais a partir de 4 de janeiro de 2021. A decisão consta em uma portaria do MEC publicada no Diário Oficial da União. 

Aulas remotas em instituições federais poderão ocorrer por decisão de autoridades locais
CNE permite aula remota até fim de 2021 e fusão de anos letivos no ensino básico e no superior
Secretaria da Educação compra kits para gravar aulas e cogita atividades remotas em 2021 no Ceará

Devido à pandemia de Covid-19, o MEC havia autorizado a aplicação de aulas a distância  nas instituições federais de ensino superior até 31 de dezembro.

Adoção de protocolo

As instituições devem adotar um protocolo de biossegurança para prevenir a propagação do novo coronavírus, definidas em uma portaria publicada em 1º de julho. Entre as medidas, estão o estímulo do uso e descarte correto de mâscaras, o incentivo a implementação de medidas de prevenção e o estímulo a manutenção de um ambiente seguro e saudável. 

O documento estabelece ainda a adoção de recursos educacionais digitais, tecnologias de informação e comunicação ou outros meios convencionais, que deverão ser “utilizados de forma complementar, em caráter excepcional, para integralização da carga horária das atividades pedagógicas”.

Diretrizes Nacionais Curriculares

O texto da portaria diz, também, que as “práticas profissionais de estágios ou as que exijam laboratórios especializados, a aplicação da excepcionalidade”, devem obedecer as Diretrizes Nacionais Curriculares aprovadas pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), “ficando vedada a aplicação da excepcionalidade aos cursos que não estejam disciplinados pelo CNE”.

O documento estabelece, que, especificamente, para o curso de medicina, "fica autorizada a excepcionalidade apenas às disciplinas teórico-cognitivas do primeiro ao quarto ano do curso, conforme disciplinado pelo CNE".

Aulas remotas poderão ocorrer por decisão de autoridades locais

A portaria estabecele que o uso de "recursos educacionais digitais, tecnologias de informação e comunicação ou outros meios convencionais deverão ser utilizados de forma complementar, em caráter excepcional". 

Contudo, a texto permite que as medidas que possibilitem aulas remotas sejam tomadas integralmente no caso das autoridades locais determinarem a suspensão das aulas presenciais.

 

Quero receber conteúdos exclusivos do EducaLab