EUA destroem sistema antimísseis, aviões e blindados antes de deixar Afeganistão

Apenas na segunda-feira (30), o dispositivo antimísseis deteve cinco foguetes disparados pelo Estado Islâmico

Imagem de último soldado americano a deixar o Afeganistão
Legenda: Major General Chris Donahue, comandante da 82ª Divisão Aerotransportada do Exército dos EUA, foi o último a deixar o solo afegão
Foto: JACK HOLT / US CENTRAL COMMAND (CENTCOM) / AFP

Os Estados Unidos finalizaram a retirada das tropas do Afeganistão no final da noite desta segunda-feira (30). Antes de partir do aeroporto de Cabul, os membros do Exército destruíram aviões, blindados e o sistema de defesa antimísseis do local. Após quase 20 anos, o país encerrou a guerra mais longa da história norte-americana. As informações são do G1.

Ao todo, os soldados "inabilitaram" 73 aeronaves, 70 veículos blindados resistentes a minas terrestres — que valem US$ 1 milhão cada — e 27 Humvees, segundo o general Kenneth McKenzie, chefe do Comando Central dos EUA, órgão responsável pelas operações militares no Oriente Médio.

O último equipamento a ser desligado foi o sistema de defesa antimísseis. “Decidimos deixar esses sistemas funcionando até o último minuto”, disse McKenzie. Somente nesta segunda-feira, o dispositivo deteve cinco foguetes disparados pelo Estado Islâmico contra o aeroporto de Cabul. 

O último avião decolou às 23h59 (16h29 em Brasília) do convulsionado aeroporto de Cabul, o que foi confirmado pelo Pentágono no fim da tarde, após uma operação de evacuação de 122 mil pessoas desde 14 de agosto, véspera da tomada da capital pelo Talibã. O país norte-americano mobilizou 6 mil soldados para ocupar e manter o funcionamento do aeroporto no período. 

O grupo fundamentalista islâmico volta ao poder do qual havia sido expulso pela Operação Liberdade Duradoura, que visava puni-lo por te abrigado e protegido a Al Qaeda, rede terrorista que cometeu os atentados de 11 de setembro de 2001 nos EUA.

Talibãs comemoram saída

Após a retirada das tropas do território afegã, os talibãs celebraram a saída dos últimos soldados nesta terça-feira (31). A saída americana foi considerada um êxito "histórico" pelo grupo. 

Soldados talibãs comemoram saída dos Estados Unidos do Afeganistão
Legenda: "É um dia histórico e estamos muito orgulhosos", disse porta-voz do grupo radical

"Felicitações ao Afeganistão (...) Esta vitória pertence a todos nós", declarou Zabihullah Mujahid, porta-voz dos islamitas, no aeroporto de Cabul, que foi controlado até segunda-feira pelas forças americanas.

"Esta é uma grande lição para outros invasores e para nossas futuras gerações.Também é uma lição para o mundo", disse Mujahid. "É um dia histórico, um momento histórico e estamos muito orgulhosos", completou.

Afeganistão sem tropas do EUA

Na manhã desta terça-feira, os talibãs retiraram quase todos os postos de controle no caminho para o aeroporto — apenas um foi mantido. Nas estradas, os combatentes não escondiam a alegria e cumprimentavam os motoristas.

As imagens dos líderes talibãs caminhando vitoriosos pelos hangares do aeroporto, escoltados por milicianos armados que exibiam a bandeira branca do movimento, enquanto posavam para câmeras, ao lado dos helicópteros destruídos pelos americanos antes da retirada do país, resumem de maneira perfeita o novo capítulo que começa no país.

Desde que assumiram o poder, os talibãs se esforçam para apresentar uma imagem conciliadora e aberta. Eles prometeram não aplicar represálias contra as pessoas que trabalharam para o governo anterior.

"Queremos boas relações com os Estados Unidos e o mundo", garantiu Zabihullah Mujahid nesta terça-feira.

Os talibãs também informaram que pretendiam anunciar nos próximos dias a formação de um novo governo após a conclusão da retirada militar americana.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo