Dor no peito: veja 6 causas e quando procurar ajuda

Existem diversas doenças que podem manifestar esse sintoma frequentemente associado ao infarto

Escrito por Carol Melo, carolina.melo@svm.com.br

Ser Saúde
Homem branco com dor no peito
Legenda: Dor na região indica diversos quadros graves que podem, inclusive, causar a morte
Foto: Shutterstock

A dor no peito é um sintoma que pode indicar alguma condição grave de saúde que pode, inclusive, levar à morte. Frequentemente associado ao infarto, existem diversas outras doenças que podem manifestar esse tipo de sinal.   

A dor na região torácica pode se apresentar em diversos locais, lado esquerdo, direito, no meio do peito, entre outros, além de formas diferentes, como em pontadas, aperto e opressiva, e cada uma delas podem significar um diagnóstico diferente.   

A condição pode ainda ser acompanhada de outros sintomas que indicam o nível de gravidade e quando é necessário procurar uma ajuda especializada. 

O que pode ser a dor no peito? 

A sensação de desconforto na região do tórax pode ser causada por diversas doenças ou ser o sintoma de alguma condição, como explica o cardiologista e diretor técnico do Hospital do Coração de Sobral, David Carneiro Neto*. 

A dor no peito é uma das principais causas de procura por serviços de pronto atendimento do País e pode ter origem cardíaca, pulmonar, gastrointestinal, musculoesquelética, psicogênica, além de outras.  

Dor no meio, do lado direito ou esquerdo podem ter causas diferentes? 

Homem negro com dor no peito
Legenda: Especialista indica que pacientes com desconforto na região do tórax não devem se automedicar
Foto: Shutterstock

A dor no peito pode apresentar-se de diversas formas e em diferentes regiões do tórax, podendo inclusive irradiar para outras partes do corpo, como os braços, os ombros, o queixo e até mesmo para as costas. Como esclarece o especialista, a área onde o desconforto atinge depende do que o está causando.  

Por exemplo, dor no centro do peito pode ser um sintoma de algum problema cardíaco, como infarto. Já a inflamação da membrana que envolve os pulmões, condição chamada pleurite, pode provocar dor na região do peito e das costelas. Desconforto ao movimentar o tórax também pode indicar um quadro musculoesquelético.    

Quando ir ao médico? 

Como já citado anteriormente, a dor no peito é um dos principais sintomas que motivam pacientes a procurarem atendimento médico no Brasil. Ela pode indicar um quadro grave, que pode levar inclusive à morte, como alerta David Carneiro Neto.  

Existem alguns sinais de alerta que podem se apresentar associadamente a um episódio de desconforto no tórax que, conforme o cardiologista, indicam a necessidade de buscar um especialista. São eles: 

  • Dor opressiva ou em queimação;  
  • Falta de ar;  
  • Sudorese;  
  • Palpitações;  
  • Sensação de desmaio iminente ou desmaio;   
  • Associação com náuseas ou vômitos;  
  • Irradiação da dor para os braços, pescoço, mandíbula, abdômen superior ou em um dos ombros. 

Quais os remédios para dor no peito? 

O médico recomenda que pacientes que sintam desconforto na região do tórax não devem se automedicar ou buscar tratamentos para aliviar a dor na internet.

Como o sintoma pode ser sinal de uma condição grave, que pode causar a morte do indivíduo, ele indica que ao sentir dor no peito acompanhada de algum dos sinais de alerta, citados anteriormente, a pessoa deve buscar atendimento médico, que avaliará a condição e indicará o melhor tratamento.  

Causas de dor no peito 

Mulher com dor no peito
Legenda: A condição pode ainda ser acompanhada de outros sintomas que indicam o nível de gravidade
Foto: Shutterstock

Diversas doenças e condições de origem como cardíaca, pulmonar, gastrointestinal, musculoesquelética, psicogênica, podem provocar desconforte no tórax. O cardiologista indica haver, pelo menos, seis principais causas de dor no peito que são comuns. Ele lista cada um deles e quais os principais sintomas de cada. São eles:  

1.  Síndrome coronariana aguda (incluindo infarto)   

  • Dor em aperto ou em queimação;  
  • Região central do tórax (retroesternal);   
  • Pode irradiar para braços, ombros, mandíbula ou dorso;   
  • Duração maior do que 20 minutos;   
  • Frequentemente associada a náuseas, vômitos e sudorese.   

2. Psicogênica (transtorno de ansiedade, síndrome do pânico, depressão)   

  • Sensação de sufocamento;   
  • Formigamento;   
  • Falta de ar ou hiperventilação (respiração acelerada);   
  • Palpitações.   

3. Pericardite (inflamação da membrana que envolve o coração)  

  • Dor em pontada;  
  • Início súbito;  
  • Piora com a respiração profunda e ao deitar;  
  • Melhora ao sentar.  

4. Pleurite (inflamação da membrana que envolve os pulmões)   

  • Dor na região do peito e costelas;   
  • Início súbito;   
  • Piora com a respiração profunda e tosse.  

5. Problemas digestivos (espasmo esofagiano, gastrite, úlcera, cálculos na vesícula)   

  • Dor opressiva ou em queimação;   
  • Região do epigástrio;   
  • Associado a azia, empachamento;   
  • Náuseas e vômitos.   

6. Musculoesqueléticas   

  • Piora com a movimentação do tórax;   
  • Reproduzida pela palpação. 

Dúvidas comuns 

Dor no peito pode ser ansiedade? 

Homem asiático com dor no peito
Legenda: A dor no peito é uma das principais causas de procura a serviços de pronto atendimento no Brasil
Foto: Shutterstock

Sim, a sensação de dor no tórax, conforme o médico, é um sintoma frequentemente presente em pacientes durante um quadro de ansiedade.

Além da dor, o indivíduo ainda pode apresentar outros sintomas associado ao transtorno psicológico. São eles: falta de ar; e formigamento, que irradia para diversas partes do corpo, como braços, perna, dedos e pescoço.   

*Joaquim David Carneiro Neto é médico especializado em Cardiologia, com CRM 12.943. É graduado em Medicina pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA), com residência em Cardiologia pelo Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo e mestrado em Ciências da Saúde pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Possui especialização e pós-graduação em Cardiologia Intervencionista pelo Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo e títulos de especialista em Cardiologia e Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista pela Associação Médica Brasileira (AMB). É diretor técnico da Unidade Hospital do Coração de Sobral Padre José Linhares, onde atua como médico, e é professor efetivo da Faculdade de Medicina da UFC e do Centro Universitário Uninta.