MPCE deflagra operação para desarticular tráfico de drogas em bairro de Fortaleza

Agentes da Gaeco cumprem 10 mandados de prisão e 10 mandados de busca e apreensão nesta terça-feira (29)

Gaeco
Legenda: A facção criminosa com atuação no bairro Serrinha e região atua no tráfico de drogas da área
Foto: José Leomar

O Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco), deflagrou, nesta terça-feira (29), a Operação Garateia, que visa desarticular uma organização criminosa independente responsável pelo tráfico de drogas no bairro Serrinha e arredores, em Fortaleza. Até às 9h, seis pessoas já haviam sido presas. Ao todo, os agentes devem cumprir 10 mandados de prisão e 10 de busca e apreensão.

Além de atuarem no comércio ilegal de entorpecentes, os suspeitos também teriam envolvimento direto com os ataques contra prédios e repartições públicas, além de meios de transportes coletivos, malha viária e rede de distribuição elétrica e de telefonia da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), ocorrido em 2019. 

Na época, os crimes tiveram como motivação principal a insatisfação dos líderes das facções criminosas que cumpriam pena nos presídios cearenses com o endurecimento das medidas de segurança adotadas pela administração penitenciária.  

Segundo o Gaeco, a investigação que culminou na Operação Garateia teve início com a apreensão de diversos celulares em celas nas unidades prisionais do Estado, há dois anos, durante a apuração das investidas contra imóveis públicos e ônibus. 

A partir dessa apreensão, foi possível identificar a organização criminosa independente atuante no bairro Serrinha e região, voltada para a prática de tráfico de drogas, dentre outros crimes em prol do domínio do comércio ilegal de entorpecentes na área.   

"O Gaeco começou a fazer uma investigação do conteúdo que havia nesses celulares e, para nossa surpresa, descobrimos que não só essas pessoas estavam ligadas diretamente aos ataques, mas, mais do que isso, elas formavam uma organização criminosa que estava em plena atividade no bairro Serrinha e adjacentes", detalhou o promotor de Justiça e membro do Gaeco, Adriano Saraiva.

Os indivíduos presos na operação são acusados dos seguintes crimes, segundo Saraiva: tráfico de entorpecentes, associação para o tráfico e participação em organização criminosa. 

A ação desta terça-feira conta também com o apoio do Centro Integrado de Inteligência de Segurança Pública – Região Nordeste e da Coordenadoria Integrada de Planejamento Operacional, da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Estado.  

O nome da operação "Garateia" se refere a um tipo de anzol com várias pontas, usado para fisgar o maior número de peixes.  

Quero receber conteúdos exclusivos sobre segurança