Família denuncia que adolescente de 15 anos foi morto em ação policial na Comunidade Babilônia

A vítima saiu de casa para ir a um torneio de sinuca. Segundo os parentes, ela foi executada a tiros disparados por militares

Adolescente de 15 anos saiu de casa, segundo a família, para ir a um campeonato de sinuca
Legenda: Adolescente de 15 anos saiu de casa, segundo a família, para ir a um campeonato de sinuca
Foto: Leábem Monteiro

A família de um adolescente de 15 anos denuncia que uma intervenção policial resultou na morte do jovem, na Comunidade Babilônia, em Fortaleza, na madrugada de segunda-feira (22). Segundo os parentes, Francisco Rudson Paulino dos Santos, sem antecedentes criminais, foi morto a tiros por militares.

Em entrevista ao Sistema Verdes Mares, parentes relataram que a vítima havia saído de casa no domingo (20) em direção à Babilônia, onde estaria acontecendo um torneio de sinuca. Ele estava na companhia de amigos.

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) informou que equipes da PM chegaram ao local e foram "recebidos a tiros e revidaram". O adolescente foi encontrado baleado dentro de uma casa em construção no bairro Barroso. "Um revólver calibre 32 e munições foram apreendidos durante a ocorrência", detalhou a Pasta.

A SSPDS também pontuou que o caso foi apresentado ao plantão da Delegacia da Criança e do Adolescente (DCA), onde um ato infracional análogo ao crime de tentativa de homicídio contra os policiais foi lavrado em desfavor do adolescente. 

"Ainda durante a ofensiva, dois adultos foram conduzidos para a DCA e foram ouvidos em um inquérito instaurado por portaria para aprofundamento das investigações. Um simulacro de arma de fogo e trouxinhas de maconha e cocaína foram apreendidos. A Polícia Civil investiga os fatos", concluiu a nota.

Versão da família

Por volta de 3h, os familiares afirmam que composições da PM chegaram ao local, fizeram vistoria e alertaram: quem não fosse da comunidade, deveria ir embora. Nesse momento, os jovens ficaram "assustados".

"Eles deram busca de arma e chegaram atirando com bala de borracha. Quebraram o dedo de um menino que mora na comunidade, bateram bastante em algumas pessoas. Mandaram quem morasse lá ir para suas casas, e quem não morasse, mandaram correr", conta um parente de Rudson, que pediu para não ser identificado.
 

Ainda de acordo o familiar, o jovem saiu caminhando, mas ao ouvir tiros, correu junto com os amigos. Os policiais, então, dispararam contra os que estavam se dispersando. O adolescente teria sido baleado no peito quando tentava se esconder próximo a uma caixa d'água.

"Quando chegaram perto, começaram a atirar, viram ele atrás da caixa d'água e atiraram bastante. Um tiro pegou embaixo do peito, na região da costela". 

O adolescente chegou a ser socorrido em "estado gravíssimo" para uma Unidade de Pronto Atendimento (Upa) e depois ao Instituto Doutor José Frota (IJF), mas faleceu na tarde de segunda-feira (22).

Manifestação

Por conta da morte, moradores da Babilônia, no Barroso, organizaram horas depois um protesto reivindicando que o caso não caia no esquecimento das autoridades. Eles queimaram objetos, e o tráfego na rua ficou impossibilitado. 

"Ele não estava fazendo nada, apenas queria se esconder, mas, infelizmente, tiraram a vida dele. A família clama por justiça". 

ato
Legenda: Moradores fizeram manifestação após confirmada a morte do adolescente
Foto: Divulgação

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre segurança