"Os pacientes estão vindo de forma mais grave", diz coordenador da UTI de Covid-19 em Sobral

De superlotação dos leitos a aumento no tempo de internação, o médico que chefia o setor no Hospital Regional Norte aponta agravamento do cenário epidemiológico na região de Sobral

Unidade de Terapia Intensiva do interior do Ceará
Legenda: Profissionais da saúde recomendam a intensificação dos cuidados de prevenção da Covid-19 para evitar a contaminação da doença
Foto: Héricles Gomes

Em meio ao cenário de crescimento dos casos da Covid-19 no Ceará, o médico e atual coordenador da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de Covid-19 do Hospital Regional Norte, em Sobral, Dr. Vicente Leite, relata preocupação com o ritmo de propagação. O sentimento decorre devido à falta de vagas nas UTIs da unidade de saúde na manhã deste sábado (27), assim como o aumento na quantidade de pacientes buscando atendimento. 

Além disso, ele também aponta que o nível de agravamento da doença tem ocorrido com maior rapidez, assim como tem sido registrado um maior tempo de internação para cada quadro de contaminação. “O paciente deteriora muito rápido e está sendo muito difícil. Isso tem ultrapassado a nossa capacidade de receber a demanda”, relata. 

“A gente percebe que os pacientes estão vindo de forma mais grave. Querendo comparar este segundo momento com o primeiro, percebemos que há uma virulência bem maior sob o ponto de vista do acometimento. Já chegam bem mais graves e isso preocupa demais”, observa. 

Como forma de evitar que cearenses com Covid-19 em quadros graves fiquem sem atendimento, o médico acredita que é necessário redobrar os cuidados de prevenção ao novo coronavírus e antever “tragédias anunciadas”. "Porque um paciente do município adoecendo, não vai ter mais vaga na (unidade) regional para receber”, alerta. 

“Lockdown” no interior

A compreensão da urgência do cenário epidemiológico já é sentida por prefeituras do Ceará. Nos municípios de Mombaça, Santa Quitéria e Meruoca, por exemplo, o “lockdown” já foi adotado. A medida mais rígida busca conter o crescimento da curva de casos positivos da Covid-19 nas localidades.

Para a secretária de saúde de Meruoca, Gessilene Duarte, a adoção do fechamento de comércios e estabelecimentos e a determinação de limite de pessoas ajudam a evitar a superlotação dos leitos disponíveis nas unidades de atendimento. 

“A nossa preocupação é de não conseguir atender toda a nossa população e Sobral já está colapsando, não tem mais vagas. Temos medo dos pacientes precisarem de vaga, e nós não conseguirmos mandar (pacientes para lá). O nosso maior medo é que as pessoas venham a morrer no município por falta de uma assistência e de uma transferência”, aponta. 

Além dos tratamentos em pacientes confirmados com a doença, a titular da pasta também explica que os profissionais realizam ações de orientação à população, apontando a necessidade de redobrar os cuidados. Em ocorrências suspeitas, o morador pode buscar as unidades de saúde do município para que o caso seja registrado e acompanhado. 

"Toque de Recolher"

O "toque de recolher" tem sido adotado desde o dia 17 de fevereiro no Ceará, após decreto estadual. Sendo uma outra medida utilizada para conter a propagação da doença no Estado, a proposta estipulava, inicialmente, o recolhimento da população em suas respectivas residências no horário das 22h às 5 horas. A decisão valeria até o dia 28 de fevereiro.

Na última sexta-feira (26), o governador Camilo Santana (PT) anunciou a prorrogação da medida até o dia 7 de março, assim como a ampliação do toque de recolher. Com isso, a partir deste sábado (27) está proibida a circulação de pessoas em ruas e espaços públicos das 20h às 5h, entre segunda e sexta-feira, e das 19h às 5h, aos fins de semana. 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre as regiões do Ceará