Apenas 2,5% da Caatinga está em área de preservação no Ceará

Pesquisa aponta ainda que, em todo o bioma, que abrange 6 dos 9 estados do Nordeste e 70% da Região, área totalmente protegida corresponde a 1,3%

Caatinga
Legenda: Registro da Caatinga em Quixadá, no Sertão Central cearense
Foto: Alex Pimentel

Apesar do crescimento em relevância nas últimas décadas, em que passou a ser notada, a Caatinga ainda tem um longo caminho a percorrer para se tornar uma prioridade em termos de proteção ambiental, apesar de toda a riqueza em biodiversidade. O Ceará, que está quase que integralmente nesse bioma, ao todo, 2,51% de seu território em Unidades de Conservação, sendo menos de 0,18% com Proteção Integral.

A situação é semelhante em todos os seis dos nove estados do Nordeste onde está a Caatinga, segundo estudo da Universidade Federal do Ceará. A pesquisa observou que 1,3% da área do bioma está em UCs com proteção integral, áreas naturais delimitadas por lei federal por serem passíveis de proteção pelas características especiais que possuem. O dado preocupa cientistas e protetores do bioma e alerta para a implementação de políticas públicas ambientais.

A área de Caatinga abrange mais de 70% do Nordeste e cerca de 11% do Brasil, que já é um dos maiores países do planeta. Uma área rica em fauna, que tem onça pintada assim como a Amazônia; em flora, com espécies vegetais encontradas apenas nela e com  resiliência às condições climáticas.

A Caatinga é isso e muito mais. Do tupi “Mata Branca”, por muito tempo, até a primeira metade do século XX, era desprestigiada pela ciência - muito embora, curiosamente, foi destino da primeira (e única) expedição científica imperial, enviada por D. Pedro II na segunda metade do século XIX.

Muito tempo depois, mais precisamente em 2018, o pesquisador Lucas Teixeira, do curso de Ciências Ambientais da Universidade Federal do Ceará (UFC) decidiu mergulhar no seco do semiárido da Caatinga, conhecer nos papéis os dados oficiais e levantamentos feitos até hoje, até partir para sua própria jornada pelo conhecimento, fazendo do Bioma exclusivamente brasileiro seu objeto de estudo, que ultrapassou a graduação e hoje, tem avanços durante o mestrado.

Caatinga
Legenda: Do tupi “Mata Branca”, por muito tempo, até a primeira metade do século XX, era desprestigiada pela ciência
Foto: Alex Pimentel

“Acabei fazendo uma avaliação especial das Unidades de Conservação ao longo das ecorregiões da Caatinga. Ou seja, não a caatinga delimitada pelo IBGE, porque a diversidade desse bioma é possível agrupar em ecorregiões, que tem características congruentes”, explica Lucas Teixeira.

Ele observou as UCs do país e suas características, isso porque elas são divididas em grupos de proteção integral (onde estão as florestas, por exemplo) e de uso sustentável, que como o próprio nome diz pode sofrer a intervenção humana.

O problema encontrado é que observadas as duas áreas e cruzadas com as áreas que delimitam as ecorregiões, as Unidades de Conservação ocupam uma parte mínima, que de tão pequena chega a 1,3% do bioma. Todo o “restante”, portanto, é área desprotegida.

Mata
Legenda: Registro de manejo florestal da Caatinga de onde é extraída a matéria prima para a combustão dos fornos
Foto: Marcelino Júnior

“A caatinga está entre os três biomas com menores extensões de áreas protegidas, com apenas 7,5% de unidades de conservação”, aponta o levantamento.

“Comecei esse trabalho numa disciplina da graduação e depois seguimos desenvolvendo esse estudo”, conta o pesquisador, que tem a orientação do professor Marcelo Moro.

A maior parte desse território são Áreas de Preservação Ambiental (APAs), que são passíveis de uso sustentável, mas na prática não é o que nós vemos em geral
Marcelo Moro
Professor

São oito as ecorregiões da Caatinga:

  • Complexo de Campo Maior
  • Complexo Ibiapaba-Araripe
  • Depressão Sertaneja Setentrional
  • Planalto da Borborema
  • Depressão Sertaneja Meridional
  • Dunas do São Francisco
  • Complexo da Chapada Diamantina
  • Raso da Catarina

O Ceará está inserido na ecorregião Depressão Sertaneja Setentrional (DSS). 

Desproteção

De posse de tantos dados e leituras georreferenciadas, o pesquisador Lucas Teixeira chegou à conclusão de que, comparado a outros biomas, as Unidades de Conservação na Caatinga são bastante tímidas, o que na prática representa desproteção.

“É preciso mudar essa realidade e vejo duas formas principais, sendo a principal delas o interesse da administração pública (nas três esferas) em querer instituir espaços protegidos, como as UCs. Mas isso vai da consciência do gestor público”, explica Lucas Teixeira.

Mapa
Legenda: Mapa mostra divisões da Caatinga faz parte do estudo realizado
Foto: Lucas Teixeira

O pesquisador cita como exemplo de iniciativa o Programa Cientista-Chefe Meio Ambiente, uma parceria entre Governo do Estado e universidades com a finalidade de aproximar gestores dos cientistas na academia.

Mas a nível federal, o Ministério do Meio Ambiente precisa estabelecer estudos e diretrizes de quais as áreas mais vulneráveis da Caatinga que precisam ter a preservação. Isso ainda não temos
Lucas Teixeira
Pesquisador

O outro ponto para mudar essa realidade, na visão do cientista Lucas Teixeira, é pela efetividade da educação ambiental.

“Levar a conscientização para a sociedade: órgãos públicos, conselhos, sindicatos, escolas, meios de comunicação. O modelo de educação ambiental que temos hoje é muito superficial. As pessoas não têm a real noção da gravidade das questões climáticas”, explica Lucas, ao alertar para o risco de desertificação provocada pelo aquecimento global.

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre as regiões do Ceará