Brasil volta a contratar médicos cubanos para enfrentar crise por coronavírus

Governo contratou mais de 150 médicos cubanos para o suporte em meio à pandemia, um ano e meio depois dos profissionais terem deixado o País com críticas do presidente Jair Bolsonaro

Legenda: Médicos cubanos foram contratados pelo governo
Foto: Foto: Reprodução

O Brasil voltou a recrutar mais de 150 médicos cubanos como forma de ampliar a rede nacional de saúde em meio à pandemia do novo coronavírus, um ano e meio depois da maioria deles ter deixado o país, após duras críticas do presidente Jair Bolsonaro. 

O governo brasileiro detalhou em uma resolução publicada na última segunda-feira os nomes dos médicos autorizados a voltar a trabalhar no programa "Mais Médicos", para o qual Cuba já tinha enviado mais de 8.000 médicos para trabalhar no Brasil em anos anteriores. 

Os médicos que permaneceram no Brasil, apesar de a maioria de seus colegas terem retornado à Cuba no final de 2018, receberam uma nova licença do Ministério da Saúde para exercer a profissão e fortalecer os cuidados no momento em que o sistema de saúde corre o risco de sofrer colapso

Criado em 2013 pela então presidente Dilma Rousseff, o programa permitiu atender a população das regiões mais pobres e rurais. No "Mais Médicos", os profissionais cubanos ocupavam quase metade dos cargos de atenção básica. 

Os médicos foram contratados pelo Brasil por meio da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), um acordo duramente criticado por Bolsonaro durante sua campanha presidencial.

Bolsonaro comparou o fato de os médicos terem de entregar uma parte de seu salário ao governo cubano à "escravidão", ao mesmo tempo em que questionava a capacidade e o treinamento desses profissionais de saúde. 

O governo cubano furiosamente retirou seus médicos do Brasil em novembro do ano eleitoral, pouco antes de Bolsonaro assumir o cargo em janeiro de 2019. 

No entanto, centenas de médicos cubanos decidiram ficar no Brasil, em alguns casos porque se casaram ou formaram uma família. No entanto, eles perderam sua licença para atuar na profissão e tiveram que procurar trabalho em outras áreas. 

O Brasil é o terceiro país do mundo com maior número de casos, depois dos Estados Unidos e da Rússia. Bolsonaro, que comparou o vírus a uma "gripezinha", condena a "histeria" em torno da doença e as medidas de isolamento social implementadas em vários estados do país.